Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10451/10168
Título: Estácio da Veiga e a exploração dos recursos marinhos no Algarve, em época romana
Autor: Fabião, Carlos
Palavras-chave: Arqueologia
Roma
Lusitania
Preparados de peixe
Algarve
Estácio da Veiga
Data: 2007
Editora: Câmara Municipal de Silves
Resumo: No conjunto da obra pioneira de cartografia arqueológica do Algarve realizada por Estácio da Veiga, o tema da produção de preparados de peixe constituiu um elemento destacado, sobretudo por se tratar de um tema habitualmente pouco explorado. O facto de o Algarve viver nos meados e segunda metade do séc. XIX um período de particular florescimento das pescas explicará a atenção que o autor lhe concedeu. Legou-nos um levantamento extenso de locais com unidades de produção de preparados de peixe de época romana que, no entanto, presumia remontarem a épocas anteriores. No essencial, a perspectiva de Estácio da Veiga era a da existência de uma longuíssima tradição de exploração de recursos marinhos, que os romanos se tinham limitado a aproveitar e continuar. Esta interpretação, que atravessa outros domínios da sua obra, insere-se no paradigma romântico / nacionalista de rejeição do período romano, entendido como um hiato entre os primitivos lusitanos e os portugueses de época medieval, igualmente presente em outros autores da sua época. Contudo, a dimensão positivista da sua obra, manifestada sobretudo nos métodos, constitui um inestimável legado, pelo volume de informação concreta, devidamente registada e cartografada. Apresenta ainda interessantes interpretações sobre as causas da destruição de muitas das unidades de produção de preparados de peixe, atribuídas a causas naturais abrasão marinha, na senda das propostas da moderna geologia, e não a terramotos e outras catástrofes, como habitualmente se fazia.
Within the pioneer work of Algarve’s archaeological cartography undertook by Estácio da Veiga, the Ancient fish salted industry issue plays a relevant role, for it was not a fashionable subject in his times. The peculiar XIX century’s Algarve economic conjuncture, with a growing and successful fishing industry might explain the reason why he had paid such an attention. His huge survey of Algarve’s coastal areas produced several sites recognition with fish processing factories dating from Roman times. Nevertheless, Estácio da Veiga thought that all the remains of that powerful Ancient industry dated from an earlier period which continued to be used in Roman times. He worked within XIX century’s Romantic / Nationalist paradigm, which despise the Roman period, seen just as an historic intermission between the Lusitanian ancestor’s ages and the medieval Portuguese times. That point of view is actually conspicuous in Veiga’s works, as in other authors of that period. But, the positivist method he used give us a large and comprehensive well recorded data base on fish salted Roman industries still very useful, despite its peculiar opinions. Estácio da Veiga’s interpretation on the causes of coastal sites destruction was particular interesting, as he blames the natural continuous destruction by the ongoing sea, in the path of the emerging modern Geology, and not the traditional one, claiming that great earthquakes and catastrophes should be responsible for those destructions.
Peer review: no
URI: http://hdl.handle.net/10451/10168
ISBN: 978-972-8505-18-9
Aparece nas colecções:UNIARQ - Livros de Actas

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
estacioveigacetariae.pdf786,92 kBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.