Universidade de Lisboa Repositório da Universidade de Lisboa

Repositório da Universidade de Lisboa >
Faculdade de Medicina (FM) >
FM - Dissertações de Mestrado >

Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10451/1065

Título: Contexto clínico e microbiológico das úlceras de pernas e de pressão
Autor: Sousa, Marisa Isabel Carpinteiro André de Seabra e, 1979-
Orientador: Gomes, M. A. Marques, 1948-
Palavras-chave: Úlcera da perna
Úlcera por pressão
Infecção
Biopsia por agulha
Microbiologia
Teses de mestrado
Issue Date: 2009
Resumo: A(s) causa(s) das úlceras de perna e de pressão têm sido alvo deceleuma ao longo do tempo. A infecção constitui não só a complicação maisfrequente como também um dos principais factores contribuintes para a suacronicidade.Em 25 doentes com diagnóstico de úlcera de perna ou de pressão foiefectuada uma colheita de exsudado purulento por zaragatoa e biopsia cutâneapor punção no fundo da úlcera. Houve isolamento de agentes microbianos em40 das amostras analisadas, 18 provenientes de úlceras de pressão e 22provenientes de úlceras de perna, não se isolando nenhum microrganismo em9 amostras (5 provenientes de úlcera de perna e 4 de úlceras de pressão).Quanto aos microrganismos isolados do pús e das biopsias, verificou-seque a existência de Staphylococcus aureus e de Pseudomonas aeruginosa émais frequente na úlcera de perna comparativamente à úlcera de pressão, oque também já tinha sido reportado em trabalhos anteriormente publicados14.Já o isolamento de microrganismos como a Escherichia coli,Enterococcus faecalis e Proteus mirabilis foi feito apenas nas amostrasprovenientes de úlcera de pressão, o que também está de acordo com oreferido anteriormente visto que se trata de doentes incontinentes, com úlcerasde localização junto ao tracto gastro-intestinal e genito-urinário, tal comotambém já foi confirmado noutros estudos anteriores. Este trabalho confirma as observações de trabalhos anteriores em queparece que a zaragatoa não tem relevância no diagnóstico de infecção deúlcera, podendo apenas dar alguma informação quanto aos microrganismospresentes na ulceração; o facto de haver praticamente concordância entre osmicrorganismos isolados por ambos os métodos de colheita (ainda que nabiopsia cutânea sejam isolados menor número de espécies), parece confirmarque este método também não se reveste de grande valor diagnóstico nestapatologia, para além das eventuais complicações locais que pode ter, dadotratar-se de um procedimento minimamente invasivo, mas não isente de risco.
The causes of leg ulceras and pressure sores are still a matter of debate.Infection contributes for chronicity and is the most frequent complication.In 25 patients with leg ulcer or pressure sore a swab and a punchcutaneous biopsy were made in the bed wound.There were microbial isolation in 40 samples, 18 from pressure soresand 22 from leg ulcers; there was no isolation in 9 samples (5 from leg ulcerasand 4 from pressure sores).S. aureus and P. aeruginosa were the most frequent microrganismsisolated from leg ulcers both in swabs and cutaneous biopsy which has beenpreviously documented14.E. coli, E. faecalis and P. mirabilis were isolated only in pressure soresconfirming what has been postulated by several studies as these patients arefrequently incontinents with ulcers near gastrointestinal and genitourinarytract47.This work confirms that it looks as though swabs taken from ulcers arenot relevant for diagnosis of infection and it can only give an information aboutthe presence of microrganisms which often result in overtreatment ; the factthat most microrganisms found in the exsudate of the ulcers are simultaneouslyfound in the cutaneous biopsy (although less species and in a slightly lessquantity) suggests that the later does not have importance in diagnosing infection besides the local and systemic complications that it representsalthough is a minimal risk intervention.
Descrição: Tese de mestrado, Medicina (Microbiologia Clínica), 2009, Faculdade de Medicina, Universidade de Lisboa
URI: http://catalogo.ul.pt/F/?func=item-global&doc_library=ULB01&type=03&doc_number=000571103
http://hdl.handle.net/10451/1065
Appears in Collections:FM - Dissertações de Mestrado

Files in This Item:

File Description SizeFormat
20874_ulsd057603_tm.pdf6,25 MBAdobe PDFView/Open
Restrict Access. You can request a copy!
Statistics
FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpaceOrkut
Formato BibTex mendeley Endnote Logotipo do DeGóis 

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.

 

  © Universidade de Lisboa / SIBUL
Alameda da Universidade | Cidade Universitária | 1649-004 Lisboa | Portugal
Tel. +351 217967624 | Fax +351 217933624 | repositorio@reitoria.ul.pt - Feedback - Statistics
DeGóis
Promotores do RCAAP   Financiadores do RCAAP

Fundação para a Ciência e a Tecnologia Universidade do Minho   Governo Português Ministério da Educação e Ciência PO Sociedade do Conhecimento (POSC) Portal oficial da União Europeia