Universidade de Lisboa Repositório da Universidade de Lisboa

Repositório da Universidade de Lisboa >
Faculdade de Medicina (FM) >
FM - Dissertações de Mestrado >

Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10451/1066

Título: Pesquisa de serogrupos e genes codificadores de factores de virulência Escherichia coli produtora de shiga-toxina em alimentos e em fezes de bovinos
Autor: Loureiro, Inês Marina Soares, 1982-
Orientador: Costa, José Manuel, 1954-
Palavras-chave: Microbiologia
Factores de virulência
Escherichia coli
Toxinas Shiga
Separação imunomagnética
Reacção em cadeia por polimerase
Alimentos
Fezes
Bovinos
Amostragem
Teses de mestrado - 2008
Issue Date: 2008
Resumo: As Escherichia coli produtoras de shiga-toxina (ECST) são responsáveis por gastroenterites que em certos casos podem evoluir para colite hemorrágica, síndrome hemolítico-urémica ou púrpura trombocitopénica trombótica. Estas infecções têm vindo a aumentar em todo o mundo. A pouca informação destas bactérias em Portugal torna fulcral a sua pesquisa e caracterização genética. Os objectivos deste estudo são: a detecção dos genes eaeA, hlyA, stx1 e stx2 e dos serótipos O26, O111, O145 e O157, em alimentos e a detecção dos mesmos genes em E. coli previamente isoladas no laboratório e em fezes de bovinos. Pretende-se também comparar os resultados obtidos por PCR nos enriquecimentos versus PCR nas E. coli obtidas por IMS, em amostras alimentares. Das 62 E. coli (previamente isoladas) analisadas, 6 do programa INSA HPA Food EQA Schemes continham eaeA e hlyA e pertenciam ao serótipo O157 e 1 proveniente de uma amostra confeccionada continha stx2 e pertencia ao serótipo O103. Em 30 alimentos, 3 amostras continham estirpes O157, 3 continham estirpes O111, 2 continham E. coli O26 e 1 continha E. coli O145. Numa amostra foi encontrada E. coli O26 com os genes eaeA e hlyA. A execução do PCR nos enriquecimentos com carnes cruas pode não ser viável devido à presença de inibidores de Taq DNA polimerase. Em 78 fezes de bovinos, apenas duas amostras continham o gene eaeA. Assim, foram isoladas 2 E. coli não O157, sorbitol (+), com factores de virulência e por isso com potencial risco para a saúde pública. Este facto reforça a ideia de que devem ser pesquisados ambos os serótipos O157 e não O157, sorbitol (+) e (-), para garantir a detecção de todas as ECST. Além disso, a detecção de ECST num alimento confeccionado sugere a necessidade de aumentar as categorias de alimentos a analisar, para além daquelas normalmente recomendadas.
Shiga toxin-producing Escherichia coli (STEC) are responsible for gastrointestinal infections. In some cases can proceed to hemorrhagic colitis, hemolitic-uremic syndrome or thrombotic thrombocytopenic púrpura. STEC infections have been increasing all over the world. The little information about these bacteria in Portugal justifies their detection and genetic characterization. The aims of this study are: the detection of eaeA, hlyA, stx1 and stx2 genes and of O26, O111, O145 and O157 serotypes in food samples, and the detection of the same genes in E. coli previously isolated in the laboratory and in bovine stool samples. We also pretend to compare PCR analysis of enrichment suspension versus PCR analysis of strains isolated by IMS, in food samples. In 62 E. coli (previously isolated) analyzed, 6 of the INSA HPA Food EQA Schemes program contained eaeA and hlyA genes and belonged to O157 serotype, and 1 contained stx2 gene and belonged to O103 serotype. In 30 food samples, 3 contained strains of the O157 serogroup, 3 contained strains of the O111 serotype, 2 contained E. coli O26 and 1 contained E. coli O145. In 1 sample, an O26 strain carrying eaeA and hlyA genes was detected. PCR analysis of enrichment suspension containing raw meat may not be feasible due to the presence of Taq DNA polymerase inhibitors. In 78 bovine stools samples, only 2 had eaeA gene. Thus, in this study 2 non-O157 strains, sorbitol (+), containing virulence genes were isolated, therefore they pose a potential risk to public health. This fact reinforces the idea that we should research both O157 and non O157 serotypes, sorbitol (+) and (-), to guarantee the detection of all STEC strains. Moreover, the STEC detection in a ready to eat food suggests the need to enlarge foodstuff categories for analysis, other than those usually associated with STEC infections.
Descrição: Tese de mestrado em Microbiologia Clínica, apresentada à Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa, 2008
URI: http://sibul.reitoria.ul.pt/F/?func=item-global&doc_library=ULB01&type=03&doc_number=000545293
http://hdl.handle.net/10451/1066
Appears in Collections:FM - Dissertações de Mestrado

Files in This Item:

File Description SizeFormat
16932_Tese_de_Mestrado_Final.pdf1,13 MBAdobe PDFView/Open
Restrict Access. You can request a copy!
Statistics
FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpaceOrkut
Formato BibTex mendeley Endnote Logotipo do DeGóis 

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.

 

  © Universidade de Lisboa / SIBUL
Alameda da Universidade | Cidade Universitária | 1649-004 Lisboa | Portugal
Tel. +351 217967624 | Fax +351 217933624 | repositorio@reitoria.ul.pt - Feedback - Statistics
DeGóis
Promotores do RCAAP   Financiadores do RCAAP

Fundação para a Ciência e a Tecnologia Universidade do Minho   Governo Português Ministério da Educação e Ciência PO Sociedade do Conhecimento (POSC) Portal oficial da União Europeia