Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10451/10726
Título: Adesão à terapêutica anti-retrovírica - VIH: determinação dos principais fatores associados à não-adesão à terapêutica e caracterização dos diferentes perfis de doentes
Autor: Marques, João Carlos Proença
Orientador: Leal, Margarida Mendes, 1956-
Fernandes, Milene
Palavras-chave: Infeção VIH /SIDA
Regressão logística
Análise de correspondências múltiplas
Adesão à terapêutica anti-retrovírica
Teses de mestrado - 2013
Data de Defesa: 2013
Resumo: Introdução: O tratamento anti-retovírico tem contribuído significativamente para a redução da morbilidade e mortalidade em indivíduos infetados pelo VIH, principalmente, a partir de 1996, com a introdução da terapia anti-retroviral combinada (TARc). Todavia, o sucesso do regime terapêutico está fortemente dependente de uma adesão (preferencialmente) ótima. A maioria dos estudos efetuados até à data, aceita como ponto ótimo de coorte, o uso correto de, pelo menos, 95% das doses prescritas. São vários os métodos e recursos já utilizados para avaliar a adesão à terapêutica anti-retrovírica (TAR). Objetivos: O presente estudo procura estimar a prevalência da não-adesão à terapêutica anti-retrovírica, através de questionários efetuados aos doentes e relacionar a não-adesão com características socio-demográficas, biomédicas e psicossociais em adultos infetados com VIH-1. Consequentemente, procura-se caracterizar os diferentes perfis de doentes. Métodos: Foi conduzido um estudo prospetivo, através de uma amostra sistemática de adultos infetados com VIH-1 aos quais foi prescrita a TARc e seguidos no Hospital de Santa Maria, com, pelo menos, uma consulta médica no período de 3 meses (maio-julho 2011). Os doentes foram, posteriormente, entrevistados numa outra consulta médica, num período até 6 meses. A adesão à terapêutica foi avaliada através do questionário Adults AIDS Clinical Trials Group Adherence questionnaire (AACTG). Os factores relacionados com o doente foram avaliados através de um questionário específico, o qual inclui o Questionário da Perceção da Doença (IPQ-R), o Questionário de Crenças sobre a medicação e as escalas de Satisfação com o Suporte Social e a de Depressão, Ansiedade e Stress. Os doentes foram classificados como não aderentes se apresentavam, pelo menos, uma falha na toma da medicação no último fim de semana, nos 4 dias anteriores do questionário ou nos últimos 30 dias que antecederam o mesmo. Foi utilizado um modelo de regressão logística para identificar os fatores associados à não-adesão. O nível de significância utilizado foi de α=0,05. Posteriormente, foi utilizada a técnica multivariada de Análise de Correspondências Múltiplas com o mesmo objetivo. Resultados: De 306 doentes que se apresentaram na consulta do período de 3 meses após o início da terapêutica, 198 (64,7%) mostraram-se elegíveis no consulta inicial, respondendo ao questionário na totalidade e, de entre estes, 177 completaram o questionário na consulta de seguimento. Os participantes apresentaram uma idade de 48,4+/-10,1 anos, 76,3% homens e encontravam-se na terapêutica à 122,1 +/- 63,95 meses. 86 doentes (48,6%) foram classificados como não aderentes. Foram incluídos no modelo de regressão logística 177 participantes. O nível de ansiedade, o facto do indivíduo morar sozinho, o controlo do tratamento, a situação clínica no momento da entrevista, as preocupações em relação aos fármacos e o facto do participante ser binge drinker mostraram-se independentemente associados à não-adesão (p≤0,05). Conclusões: A não adesão à TARc é altamente prevalente nesta amostra de adultos infetados com VIH-1. Foram identificadas variáveis relacionadas com a não-adesão, pelo que deverão ser alvo de controlo de forma a prevenir o desenvolvimento da resistência a terapêutica.
Introduction: Antiretroviral therapy has contributed significantly to the reduction of morbidity and mortality in patients infected with HIV, mainly from 1996, with the introduction of combination antiretroviral therapy (cART). However, the success of the treatment regimen is strongly dependent of optimal adherence. Most studies conducted to date, accepted as optimum cohort, the correct use of, at least, 95% of the prescribed doses. There are several methods and resources already used to assess adherence to antiretroviral therapy (ART). Aims: This study aimed to estimate the prevalence of patient non-adherence to cART and to identify associated patient-related factors socio-demographic, biomedical and psychosocial in HIV-1 infected Portuguese adults. Consequently, we seek to characterize the different patient profiles. Methods: A prospective cohort study was conducted, with systematic sampling of HIV-1 infected adults prescribed to cART and followed at the Infectious Disease Outpatient Clinic (Hospital de Santa Maria, Lisbon), with at least one medical appointment during the 3-month enrolment period (May-July 2011). Patients were followed-up until the next medical appointment, for a 6-month period. Adherence was assessed through the Adults AIDS Clinical Trials Group Adherence questionnaire. Patient-related factors were assessed through a specific questionnaire that included the Illness Perception Questionnaire (IPQ-R), the Satisfaction with Social Support Scale, Beliefs about Medicines Questionnaire (BMQ) and the Anxiety Depression and Stress Scale. At baseline, subjects were classified as non-adherents if they had at least one failure during the last weekend, the 4 days prior to the questionnaire or the 30 days before the questionnaire. Logistic regression model was used to identify factors independently associated with non-adherence. Statistical significance was set at α=0.05. Subsequently, we used the multivariate technique of Multiple Correspondence Analysis with the same goal. Results: From 306 subjects who had a medical appointment during the enrolment period, 198 (64.7%) were eligible at baseline and fullfiled the adherence questionnaire, and 177 completed follow-up. The participants were 48,4 +/-10,0 years-old (mean +/- SD), v 76,3 % man, and prescribed to cART for 122,1 +/- 63,95 months (mean+/- SD). A total of 86 (48,6%) patients were non-adherent. Data from 177 patients were included in the regression model. Anxiety, living alone, treatment control, clinical situation at the time of interview, IPQ concerns and binge-drinking were independently associated to non-adherence (p ≤0,05). Conclusions: Non-adherence to cART is highly prevalent in this Portuguese sample of HIV-1 infected adults. Patient-related variables were independently associated to non-adherence and should be addressed, in order to improve cART utilization and to prevent drug resistance development.
Descrição: Trabalho de projeto de mestrado em Estatística e Investigação Operacional, apresentada à Universidade de Lisboa, através da Faculdade de Ciências, 2013
URI: http://hdl.handle.net/10451/10726
Aparece nas colecções:FC - Dissertações de Mestrado

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
ulfc106464_tm_João_Marques.pdf3,75 MBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.