Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10451/11032
Título: Definições sexuais de estudantes universitários
Autor: Alvarez, Maria João
Nogueira, João
Palavras-chave: Definições sexuais
Estudantes universitários
Ter sexo
Parceiros sexuais
Infidelidade
Data: 2008
Editora: Colibri
Citação: Alvarez, MJ., & Nogueira, J. (2008). Definições sexuais de estudantes universitários. Psicologia, XXII (1), 59-76.
Resumo: O objectivo deste estudo foi o de clarificar, através de questionários, que comportamentos se associam a ter sexo, a parceiro sexual e a infidelidade e explorar factores preditores das definições encontradas,comparando os resultados de uma amostra de 152 estudantes universitários portugueses com os estudantes de amostras de outros países. Ter relações sexuais revelou-se sinónimo de relações pénis-vagina (>95%) e de sexo anal (91-92%). Ao contrário de resultados encontrados noutras amostras, os contactos orogenitais foram considerados como uma forma de ter sexo (78-84%). A amplitude das definições mostrou-se diferente, sendo possível ter um comportamento de infidelidade sem ser um parceiro sexual e ser considerado um parceiro sexual sem que exista sexo entre duas pessoas. Encontraram-se poucas diferenças de acordo com o género e a existência de orgasmo afectou as definições de ter sexo e de parceiro sexual. Conclui-se ser essencial explicitar o que se entende pelos termos sexuais utilizados na investigação e discutem-se as implicações para a prevenção de comportamentos sexuais de risco.
The purpose of this study was to clarify, using questionnaires, the behaviour associated with having sex, sexual partners and infidelity. It was also the aim to explore the predicting factors of the definitions found, comparing the results of a sample of 152 Portuguese university students with the results of samples from other countries. Our findings suggested that having sex meant penis-vagina relations (> 95%) or anal sex (91-92%). Contrary to the results found in other samples, the oral-genital contacts were considered an instance of having sex (78-84%). The range of definitions differed since it is possible to have infidelity behaviour without a sexual partner and to be a sexual partner without the existence of sex between two people. Few gender differences were found and the presence of an orgasm affected the definitions of having sex and sexual partner. The study concludes that a clarification for sexual words used in research is essential and discusses the implications for the prevention of high risk sexual behaviour.
Peer review: yes
URI: http://hdl.handle.net/10451/11032
Aparece nas colecções:FPCE - UOP - Artigos em Revistas Nacionais

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
Definições Sexuais.pdf167,06 kBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.