Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10451/11271
Título: Estudo imunohistoquímico da expressão da micróglia nos tumores gliais
Autor: Marques, Mafalda Lobo da Costa Girão, 1988-
Orientador: Pimentel, José, 1952-
Silvestre, Ana Rita
Palavras-chave: Neurociências
Imuno-histoquímica
Macrófagos
Microglia
Glioma
Teses de mestrado - 2014
Data de Defesa: 2014
Resumo: Introdução: A micróglia, conhecida como as células imunitárias do Sistema Nervoso Central (SNC), compõem, com os astrócitos, oligodendrócitos e células ependimárias, as células da glia. É comummente designada de população de macrófagos (MG/MC) especializados, com capacidade de alterar a sua morfologia e funcionalidade em resposta às diversas patologias, incluindo os tumores gliais. Estes constituem 30% do total dos tumores do SNC e 80% são malignos. As células da micróglia têm sido descritas como existentes no “microambiente” dos gliomas, apesar do seu papel ser controverso. Objectivo: Avaliação imunohistoquímica da expressão da micróglia nos tumores gliais, descrevendo a sua distribuição em três zonas do “microambiente tumoral” (Zona Normal-ZN, Zona de Invasão-ZI e Zona Tumoral-ZT) e comparação com controlos tumorais e normais. Identificação do melhor anticorpo (Ac) para a micróglia. Metodologia: Inclusão de 40 astrocitomas, 20 oligodendrogliomas e 20 ependimomas. Como controlos tumorais, 10 metástases, 13 meduloblastomas e 14 hemangioblastomas, e como controlos normais 15 amostras de casos de cirugia de epilepsia. A identificação imunohistoquímica da micróglia foi realizada com três Ac distintos, anti-CD68, anti-MHC II, e anti-IBA-1. A expressão quantitativa da micróglia foi feita com recurso ao software ImageJ. Resultados: A expressão da micróglia foi superior nos tumores gliais comparativamente a outros do SNC. Os astrocitomas foram os gliomas com maior expressão de micróglia. Houve diferenças entre as ZT dos astrocitomas de baixo e alto grau, para os três Ac (anti-CD68: p = 0.007; anti-MHC II: p = 0.002; anti-IBA-1: p = 0.016). A ZN foi a que teve menor expressão microglial e o Ac anti-IBA-1, o com menor marcação celular. Conclusão: O comportamento da micróglia difere entre tipos de gliomas, bem como entre graus de anaplasia. O possível papel “potenciador” ou “supressor” da micróglia permanece por clarificar, no entanto parece haver uma acção imunossupressora das células tumorais sobre a mesma.
Introduction: Microglia are the immune cells of Central Nervous System (CNS) and, along with astrocytes, oligodendrocytes, and ependymal cells, they comprise glial cells. Microglia are often classified as specialized macrophages (MG/MC) with ability to change its morphology and function in response to several pathologies including gliomas. They comprise 30% of all CNS tumors being 80% of these malignant. Microglia have been described as present in the glioma “microenvironment” although its role remains controversial. Aim: Immunohistochemical evaluation of microglia expression in glial tumors with description of its distribution in three areas of the “tumoral microenvironment” (normal parenchyma; invasion parenchyma; tumor core) and comparasions with tumor and normal controls. Identification of the best antibody for microglia. Methodology: Inclusion of 40 astrocytomas, 20 oligodendrogliomas and 20 ependymomas as cases. As tumor controls were inclued 10 metastasis, 13 medulloblastomas and 14 hemangioblastomas and as normal controls 15 samples of epilepsy surgery. The immunohistochemical identification of microglia was achieved with three distinct antibodies (anti-CD68, anti-MHC II and anti-IBA-1). Microglia quantitative expression of microglia was perfomed with software ImageJ. Results: Microglia expression was higher in glial tumors as compared to other CNS tumors. Astrocytomas were the gliomas with the highest expression of microglia. There were differences between ZT of the low and high grade astrocytomas, with the three antibodies (anti-CD68: p = 0.007; anti-MHC II: p = 0.002; anti-IBA-1: p = 0.016). The ZN had the lowest expression and the antibody anti-IBA-1 had the lowest cellular labeling. Conclusion: The behavior of microglia changes between different types of gliomas as well as between degree of anaplasia. The possible "enhancer" or "suppressor" role of microglia remains unclear, however, these cells appears to be immunosuppressed by tumor cells.
Descrição: Tese de mestrado, Neurociências, Faculdade de Medicina, Universidade de Lisboa, 2014
URI: http://hdl.handle.net/10451/11271
Aparece nas colecções:FM - Dissertações de Mestrado

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
701950_Tese.pdf3,33 MBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.