Universidade de Lisboa Repositório da Universidade de Lisboa

Repositório da Universidade de Lisboa >
Faculdade de Ciências (FC) >
FC - Dissertações de Mestrado >

Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10451/1198

Título: As crianças e as mentiras: um estudo no 2º Ciclo do Ensino Básico
Autor: Martins, Dulce Sofia Mendonça
Orientador: Carvalho, Carolina
Palavras-chave: Formação pessoal e social
Teses de mestrado
Issue Date: 27-Jul-2010
Resumo: O presente estudo centra-se na temática da mentira em alunos do 2º Ciclo do Ensino Básico, tendo como objectivo principal Compreender o que as crianças neste ciclo de escolaridade entendem por mentira . Com base neste objectivo foi nossa opção metodológica a investigação qualitativa e interpretativa, onde através de um questionário em formato de resposta aberta, com quatro histórias, adaptadas de estudos anteriores de Piaget (1932) se recolheram os dados, permitindo-nos responder às seguintes questões de estudo: (a) O que é para os alunos, do 2º Ciclo do Ensino Básico, uma mentira? (b) Será que os alunos, do 2º Ciclo do Ensino Básico, distinguem um acto intencional de um erro involuntário na mentira? (c) Como é que os alunos, do 2º Ciclo do Ensino Básico, avaliam a mentira? Investigámos, desta forma, a noção que os alunos participantes (N= 93) têm de mentira, a intenção da mentira e a avaliação que fizeram em relação ao conteúdo da mentira, em termos de gravidade da mentira, a aceitabilidade da mentira e o castigo com consequência da mentira. A análise dos resultados obtidos revela existir um número de alunos que reconhece a noção de mentira de um modo realista. Contudo, também existe uma percepção mais elaborada do que é uma mentira, estando esta subjacente à intenção de enganar ou prejudicar terceiros. A maioria das respostas dos participantes, manifestam juízos de responsabilidade subjectiva, o que nos parece demonstrar que as mentiras foram entendidas pela sua intencionalidade. A justificação dada pelos participantes, em relação à aceitabilidade da mentira ou a permissão do seu uso, foi maioritariamente encarada como uma falta moral, que revela desonestidade e que pode ter consequências para quem a sofre. Registamos, ainda, que para os alunos do nosso estudo os protagonistas das quatro histórias eram merecedores de castigo, sendo este encarado como punição baseada na ideia de prevenção. Concluímos que as crianças, do ponto de vista moral, concebem autonomamente o seu juízo de justiça de acordo com as intenções em jogo.
The aim of the current study was to understand what children in the regular elementary school recognize as a lie. To achieve this, we carried out a qualitative and interpretative investigation where, through an open questionnaire with four stories adapted from previous work by Piaget (1932), the data collected allowed us to answer the following questions: (a) what is, for the elementary students, a lie? (b) Are the elementary students able to distinguish an intentional act from an involuntary mistake in a lie? (c) How do the elementary students evaluate a lie? We have thus investigated, in the participating students (N= 93), the notion of a lie, the intention of a lie and their assessment towards the content of a lie, regarding the seriousness of a lie, the acceptance of a lie and the punishment as a consequence of a lie. The results obtained in the current study show that a number of students recognize the notion of a lie in a realistic way. However, there is also a more elaborate perception of a lie, which is associated with the intention to deceive or harm others. The majority of the answers from the participating students reveal judgments of subjective responsibility, which suggests that the lies were understood to be intentional. Most participants justified the acceptance of a lie or the allowance of its use as a lack of morals, which reveals dishonesty and may have consequences for the victim of a lie. We also noted that the students thought that the characters in the four stories deserved punishment, which was seen as a preventive measure. We conclude that, from a moral point of view, children independently formulate their sense of justice according with their intention.
Descrição: Tese de mestrado em Educação (Formação Pessoal e Social) Universidade de Lisboa, Faculdade de Ciências, 2007
URI: http://catalogo.ul.pt/F/?func=item-global&doc_library=ULB01&type=03&doc_number=000552848
http://hdl.handle.net/10451/1198
Appears in Collections:FC - Dissertações de Mestrado

Files in This Item:

File Description SizeFormat
17765_ULFC086975_TM.pdf391,29 kBAdobe PDFView/Open
Statistics
FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpaceOrkut
Formato BibTex mendeley Endnote Logotipo do DeGóis 

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.

 

  © Universidade de Lisboa / SIBUL
Alameda da Universidade | Cidade Universitária | 1649-004 Lisboa | Portugal
Tel. +351 217967624 | Fax +351 217933624 | repositorio@reitoria.ul.pt - Feedback - Statistics
DeGóis
  Estamos no RCAAP Governo Português separator Ministério da Educação e Ciência   Fundação para a Ciência e a Tecnologia

Financiado por:

POS_C UE