Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10451/12384
Título: Barreiras à utilização dos serviços de saúde pelos imigrantes do subcontinente indiano a residir em Portugal
Autor: Oiko, Carla Sayuri Fogaça
Orientador: Gomes, João José Ferreira, 1961-
Alarcão, Violeta
Palavras-chave: Imigrantes
Acesso aos cuidados de saúde
Potenciais barreiras
Regressão logística
Teses de mestrado - 2014
Data de Defesa: 2014
Resumo: É reconhecido que a crescente imigração em Portugal tem provocado diversas implicações no Sistema Nacional de Saúde, devido, principalmente, às diferentes características dos grupos de imigrantes. Sabe-se ainda que os imigrantes do subcontinente Indiano estão entre os mais dissemelhantes da população lusitana e as suas características peculiares repercutem-se no seu estado de saúde e também no acesso aos cuidados de saúde. Foram analisados os dados do Projeto SAIMI-2, um estudo transversal com imigrantes do Bangladesh, Índia e Paquistão residentes no Distrito de Lisboa, a partir da técnica de amostragem bola-de-neve, combinada com o uso de um entrevistador com acesso privilegiado à população-alvo. O presente estudo tem por objetivo caracterizar estes imigrantes, incluindo o seu nível de saúde, pois reconhece-se que constituem um grupo vulnerável devido às barreiras que encontram nos serviços de saúde. Assim, foram identificados os possíveis fatores associados à utilização dos serviços de saúde oral e urgências, bem como aqueles que podem influenciar o vivenciamento de obstáculos nesse acesso. Foram criadas três variáveis respostas dicotómicas, e a metodologia utilizada para este fim foi a regressão logística, com análises uni e multivariadas. Foram calculados os odds ratio paras as variáveis explicativas que se mostram significativas (p<0,20), para o modelo final. O discernimento para encontrar o melhor modelo foi feito através do Critério de Informação de Akaike e a curva ROC foi o método usado para o diagnóstico dos modelos finais. Após a análise descritiva da amostra verificou-se que as três comunidades apresentam um perfil sociodemográfico distinto, nomeadamente os Indianos. Essa heterogeneidade ajuda a explicar que, tanto o acesso aos cuidados de saúde como as ‘barreiras’ apresentaram associações com diferentes características de acordo com a comunidade. Para se ter um conhecimento mais profundo destas comunidades seriam necessários outros estudos que incluíssem variáveis referentes ao processo de aculturação.
It is recognized that the increasing immigration in Portugal has provoked various implications in the National Health System, due, mainly, to different characteristics of immigrant groups. It is known that immigrants from the Indian subcontinent are those most dissimilar of the Lusitanian people and their peculiar characteristics have repercussions on their health and also in access to health care. Data Saimi-2 Project were analyzed. Sectional study of immigrants from Bangladesh, India and Pakistan in the district of Lisbon, from the snowball sampling, combined with the use of an Interviewer with Privileged Access to the target population. The present study aims to characterize these immigrants, including their level of health, because they are recognized as a vulnerable group due to the barriers they encounter in health care. Thus, the possible factors associated with the use of oral health services and emergency were identified, as well as those that may influence the emergence of obstacles in this access. Three dichotomous responses variables were created, and the methodology used for this purpose was the logistic regression, univariate and multivariate analysis. Odds ratio were calculated for explanatory variables that show significant (p <0.20) for the final model. The discernment to find the best model was made through the Information Criterion Akaike and the ROC curve was the method used for the diagnosis of the final models. After descriptive analysis it was found that the three communities have a distinct sociodemographic profile, namely the Indians. This heterogeneity helps to explain, that both access to health care as the 'barriers' were associated with different features according to the community. Other studies that include variables related to the process of acculturation would be required to get a deeper understanding of these communities.
Descrição: Tese de mestrado em Bioestatística, Universidade de Lisboa, Faculdade de Ciências, 2014
URI: http://hdl.handle.net/10451/12384
Designação: Mestrado em Bioestatística
Aparece nas colecções:FC - Dissertações de Mestrado

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
ulfc110424_tm_Carla_Oiko.pdf4,1 MBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.