Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10451/1730
Title: Risco e cosmopolitismo: ambiente, modernidade e Europa no pensamento de Ulrich Beck
Author: Rego, Bruno Paulo Castendo
Advisor: Marques, Viriato Soromenho,1957-
Keywords: Beck, Ulrich, 1944-
Filosofia da natureza
Filosofia do ambiente
Modernidade - Europa - séc.20
Cosmopolitismo
Teses de mestrado - 2008
Defense Date: 2008
Abstract: Esta dissertação insere-se nas áreas de Filosofia do Ambiente e Filosofia Política e pretende levar a cabo a análise do pensamento de Ulrich Beck, sociólogo alemão e autor da obra Risk Society. Partindo do conceito de Sociedade de Risco elaborado por Beck, tenta-se averiguar a forma como a presença do risco nas sociedades contemporâneas, sociedades industrialmente avançadas dominadas pela incerteza e pela insegurança devido à eclosão de desastres ambientais e tecnológicos de dimensão global e cujas efeitos não são totalmente previsíveis, conduziu a importantes alterações nas principais instâncias responsáveis pelo desenvolvimento do projecto da Modernidade - ciência, tecnologia e política -, provocando com isso um clima de descontinuidade e ruptura com os paradigmas fundamentais do pensamento moderno, nomeadamente com o seu paradigma tecnocientífico fundado no século XVII por Francis Bacon e Descartes, obrigando o momento actual da Modernidade a uma confrontação crítica com as consequências nocivas das suas inúmeras conquistas , algo que Beck designa como Modernidade Reflexiva. Perante ameaças de dimensão global, a solução para os problemas da Sociedade de Risco consiste num esforço de cooperação internacional a nível das instituições políticas. Nesse sentido, tenta-se averiguar, na segunda parte deste estudo, a forma como o Cosmopolitismo, como elemento primordial de uma nova cultura política em era de globalização, e a Europa, como modelo de instituições transnacionais, poderão contribuir para a resolução das diversas ameaças com que se confrontada a sociedade contemporânea.
This dissertation has been made in the fields of Environmental Philosophy and Political Philosophy and intends to examine the thought of Ulrich Beck, German sociologist and author of the book entitled Risk Society. Taking the concept of Risk Society developed by Beck, we try to investigate the way the presence of risk in contemporary societies, industrially developed societies ruled by uncertainty and insecurity due to rising of environmental and technological threats of global scope and whose effects can't be totally predicted, has led to fundamental changes in the main authorities in charge of the project of Modernity science, technology and politics -, causing a breakthrough with the fundamental thesis of modern thought, mainly with its technocientific paradigm started in the 17th century by Francis Bacon and Descartes, compelling the present moment of Modernity to a critical confrontation with the harmful consequences of its countless victories, something that Beck calls Reflexive Modernization. In the presence of threats with a global scope, the solution to the problems of Risk Society can only be international cooperation on the level of political institutions. Being so, on the second part of this dissertation, we focus our attention in Cosmopolitanism, as an essential element of a new political culture in the age of globalization, and Europe, as a model of transnational institutions, can contribute to the solution of the several threats faced by contemporary society.
Description: Tese de mestrado em Filosofia da Natureza e do Ambiente apresentada à Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, 2008
URI: http://catalogo.ul.pt/F/?func=item-global&doc_library=ULB01&type=03&doc_number=000543195
http://hdl.handle.net/10451/1730
Appears in Collections:FL - Dissertações de Mestrado



FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.