Universidade de Lisboa Repositório da Universidade de Lisboa

Repositório da Universidade de Lisboa >
Faculdade de Letras (FL) >
FL - Dissertações de Mestrado >

Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10451/1750

Title: Cultural politics in Europe and intercultural dialogue in the Europian Union
Authors: De Kock, Charlotte, 1986-
Advisor: Henriques, Eduardo Brito, 1969-
Keywords: Política cultural - Países da União europeia
Comunicação intercultural - Países da União Europeia
Cidadania - Países da União Europeia
Teses de mestrado - 2009
Issue Date: 2009
Abstract: This work explores the discrepancy between identity politics (popular right) in European countries with the cultural policies of the European Union, specifically focussing on these concerning intercultural dialogue. It uncovers how European cultural policy tackles the growth of xenophobic and intolerant national politics and how this could be enhanced. In answering this question I explored the relation between culture and politics from various perspectives. First of all I have focussed on culture and identity itself, followed by a study of the position of identity within politics in Europe. Furthermore I have studied the nature of European institutions and its main goals in relation to cultural policy. The last chapter of this work includes a case study of the European Year of Intercultural Dialogue 2008. The main conclusion is that the complicated structures (the position of the Parliament in and the Commission) and processes (subsidiarity in specific) of the Union, its ambiguous identity (supranational/intergovernmental) and its dominant economic focus are limits to both its political democratisation and to its development of an elaborated cultural policy. As demonstrated in Eurobarometer research European citizens feel alienated from European politics. Following Coolsaet's theory on systemic insecurity we conclude that the democratic deficit problem as well as intolerant national identity politics are faces of the same problem and could be handled through a common solution opening up the structures and processes of the union and instituting a clear cut cultural and intercultural policy. Taking into account the multiple facets of our basic question as well as the fact that it belongs to a very recent line of research, this work can be seen as an elaborated description of the state of art, that points out some specific problems drawing attention to some innovative links between national identity politics, European cultural politics and the political and economical nature of the EU.
Este trabalho estuda a discrepância entre as políticas identitárias nos países europeus e as políticas culturais da União Europeia, mais especificamente as relacionadas ao diálogo intercultural. Releva o modo em que as políticas culturais da UE tentam combater o crescimento da xenofobia e intolerância política nacional e como é que poderiam ser melhoradas. Ao responder a esta questão explorei a relação entre a cultura e a política de várias perspectivas. Em primeiro lugar foquei a cultura e identidade em si, de seguida fiz uma análise da posição da identidade dentro da política na Europa. Depois estudei a natureza das instuições da união europeia e os seus objectivos principais em relação às políticas culturais. O último capítulo inclui um caso de estudo de 2008 ano europeu do diálogo cultural A conclusão principal deste trablho é de que as próprias estruturas da união europeia (como a posição do parlamento em relação à comissão), os seus processos (como o método de coordinação aberta e a subsidiariedade), a sua identidade ambígua (supranacional/intergovernamental) e o seu foco económico limitam as possibilidades de democratizar a União e de elaborar políticas culturais específicas. Pesquisas do Eurobarometer demonstram que os cidadãos Europeus sentem-se alienados das políticas europeias. De acordo com systemic insecurity, teoria de Coolsaet, podemos dizer que o problema do défice democrático e o das políticas nacionais ligadas a identidades essencialistas e intolerantes podem ser consideradas como duas faces do mesmo problema e que as duas soluções deviam ser criadas em conjunto, abrindo as estruturas e os processos da União dum lado e definido melhor as políticas culturais do outro. Tomando em conta as várias facetas da nossa pergunta e o facto de que pertence a uma linha de pesquisa muito recente, podemos considerar este trabalho como um estudo descritivo extensivo do estado da arte, sublinhando uns problemas específicos que proponha interligações inovadoras entre as políticas identitárias, políticas culturais da União Europeia e a natureza económica das políticas da união europeia.
Description: Tese de mestrado, Ciências da Cultura, Cultura e Comunicação, Universidade de Lisboa, Faculdade de Letras, 2009
URI: http://catalogo.ul.pt/F/?func=item-global&doc_library=ULB01&type=03&doc_number=000572200
http://hdl.handle.net/10451/1750
Appears in Collections:FL - Dissertações de Mestrado

Files in This Item:

File Description SizeFormat
21990_ulfl071234_tm_capa_resumo.pdf57.99 kBAdobe PDFView/Open
Restrict Access. You can request a copy!
21991_ulfl071234_tm.pdf5.28 MBAdobe PDFView/Open
Restrict Access. You can request a copy!
Statistics
FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpaceOrkut
Formato BibTex mendeley Endnote Logotipo do DeGóis 

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.

 

  © Universidade de Lisboa / SIBUL
Alameda da Universidade | Cidade Universitária | 1649-004 Lisboa | Portugal
Tel. +351 217967624 | Fax +351 217933624 | repositorio@reitoria.ul.pt - Feedback - Statistics
DeGóis
  Estamos no RCAAP Governo Português separator Ministério da Educação e Ciência   Fundação para a Ciência e a Tecnologia

Financiado por:

POS_C UE