Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10451/17634
Título: Labirintos da justiça na escola : representações e práticas de alunos e professores
Autor: Seiça, Aline Bernardes
Orientador: Sanches, Maria de Fátima Chorão da Fonseca Cavaleiro, 1937-
Estevão, Carlos Alberto Vilar, 1952-
Palavras-chave: Teses de doutoramento - 2015
Data de Defesa: 2015
Resumo: No contexto hegemónico das políticas neoliberais, a União Europeia e a OCDE têm emitido orientações para a educação que encontraram acolhimento nas políticas educativas portuguesas. A argumentação que fundamenta estas orientações parece tentar a conciliação entre finalidades economicistas e finalidades sociais da educação. Por um lado, uma lógica de inclusão justifica medidas educativas que permitam a redução do insucesso e do abandono escolares; a recuperação do programa de “territorialização de políticas educativas de intervenção prioritária” inscreve-se nesta lógica. Por outro, uma lógica de competição justifica medidas selectivas de acordo com critérios meritocráticos. Esta dupla orientação transporta para a escola um conflito de interesses cujo sentido de justiça é notório e que se constitui, por isso como um problema de justiça educativa. São as seguintes as questões orientadoras do estudo: (1) Que princípios de justiça presidem à organização das práticas e à distribuição dos bens educativos? (2) Em que medida, e por que formas as representações de justiça e as práticas e interacções de alunos e professores concorrem para a emergência de uma justiça que seja dominante na escola? (3) Há diferenças entre escolas relativamente às concepções de justiça? É na área temática da justiça educativa que este estudo se situa. Tem como objectivos principais a caracterização normativa da escola emergente dos documentos reguladores e a compreensão das interpretações de justiça que alunos e professores constroem em relação às suas experiências escolares. A finalidade pretendida é a caracterização da escola no que diz respeito às dinâmicas de justiça resultantes da conjugação dos vários factores que aí confluem. A ética filosófica, a filosofia política e a sociologia, assim como as mais relevantes teorizações de justiça educativa e escolar são as fontes em que se inspiram quer a problematização quer a interpretação analítica dos resultados. Três linhas de análise interpretativa são definidas: a primeira tem por objecto as subjectividades manifestas nas práticas e no discurso dos alunos e dos professores sobre as experiências escolares, interpretadas em termos de justiça. A segunda linha de análise focaliza-se na influência das políticas educativas nacionais e europeias na normatividade e nas práticas escolares. A terceira problematiza as orientações de cada escola à luz das teorizações de justiça educativa, por um lado e, por outro, à luz das implicações nas políticas de coesão social. A opção metodológica foi o estudo de caso, desenvolvido em duas escolas secundárias com terceiro ciclo implantadas em meios sociais contrastantes. Conjugam-se processos quantitativos (questionário) e qualitativos (análise documental, entrevistas, observação não participante) de recolha e análise de dados. Os resultados mostram que, para os professores, a justiça como equidade é a mais relevante, enquanto os alunos parecem preferir o cuidar e a igualdade. As escolas apresentam diferentes entendimentos da justiça, a saber: numa, a justiça como cuidar assume formas acentuadamente familiares, como alimentação, cuidados de saúde e segurança; a diferenciação visa a satisfação de necessidades e interesses específicos dos alunos. O projecto educativo manifesta preocupações sociais e contempla oferta curricular orientada para a empregabilidade dos jovens. A escola reflecte uma imagem de diversidade e inclusividade. Na outra escola, a justiça dominante focaliza-se no sucesso e no mérito; a finalidade principal da escola é a preparação dos alunos para o prosseguimento de estudos universitários e, ao mesmo tempo, a sua educação como cidadãos plenos. A cultura de escola visa a construção duma imagem externa de respeito e prestígio. Este estudo contribui para a caracterização e diferenciação das escolas no que diz respeito ao ethos e a justiças nelas dominantes. Contudo, o aprofundamento da investigação seria vantajoso, de modo a desenvolver estudos mais amplos, a nível nacional, em diferentes contextos escolares.
European Union has issued directives for education that have influenced the Portuguese educational policies. Yet such directions, while reflecting the hegemonic context of the neoliberal policies, originated some problematic effects at the school level. On the one hand, inclusive policies, as translated in the Portuguese priority educational programs, argue in favor of reducing school dropout and improving student’s success. On the other hand, the emphasis on logic of competition justifies selective measures based on meritocratic criteria. This antinomy, however, might introduce conflict between values and school practices and raise questions of justice in schools. (1) To what extent and in what ways the students’ and teachers’ practices and representations of justice influence the school ethos? (2) What differences might be found between schools regarding conceptions of justice? (3) What principles of justice are given priority in the school pedagogical project? (4) What practices are followed pertaining the distribution of educational opportunities to all students? (5) Are there differences among schools regarding conceptions of justice? Based on theoretical perspectives of justice - from the ethical, political and sociology fields -, the present research purported to identify principles and values of justice that characterize the school normativity and to understand the subjective justice conceptions that students and teachers construe and hold in differential school contexts according the nature of their social family backgrounds and cultural diversity. The development of multiple case studies originated extensive and complementary data from a variety of sources: interview to all the school actors, a questionnaire and school documents. The data analysis was conducted at progressive levels of abstraction in order to reach more complex analytic lines of interpretation. Results show that justice, as equity, was most relevant for teachers, while students valued equality and caring more. Differences between schools were found regarding caring in diverse and extreme forms, such as, nutrition, health and security. Differentiation, as a form of justice, regarded specific needs of students. The educational projects also diverged between schools. In one school, social concerns predominated and alternative curricula were developed to offer the students’ professional options. In contrast, the other school put an emphasis on a type of justice leading to success and merit. It mattered most to educate students so that they could pursue higher studies, as well as to behave as fully educated citizens. Furthermore, sustaining an external image of respect and prestige dominated the nature of school culture. This study contributed to characterize and contrasted schools in relation to the ethos and predominance of school justices. Yet, further research is needed to develop larger studies, at national level, in different school contexts.
Descrição: Tese de doutoramento, Educação (Supervisão e Orientação da Prática Profissional), Universidade de Lisboa, Instituto de Educação, 2015
URI: http://hdl.handle.net/10451/17634
Designação: Doutoramento em Educação
Aparece nas colecções:IE - Teses de Doutoramento

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
ulsd070066_td_Maria_Seica.pdf3,16 MBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.