Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10451/1775
Título: Por amor de Deus: representação das obras de misericórdia, em painéis de azulejo, nos espaços das confrarias da Misericórdia, no Portugal setecentista
Autor: Carvalho, Maria do Rosário Salema Cordeiro Correia de
Orientador: Serrão, Vítor,1952-
Palavras-chave: Azulejo - Portugal - séc.18
História da arte - Portugal - séc.18
Misericórdias - Portugal - séc.18
Protecção social - Portugal - séc.18
Teses de mestrado - 2007
Data de Defesa: 2007
Resumo: Pretendeu-se, com a presente dissertação, estudar a representação das obras de misericórdia em painéis de azulejo do século XVIII, do ponto de vista da sua iconografia e integração no espaço das Misericórdias portuguesas. Partindo da doutrina destas catorze acções caritativas e das imagens conhecidas na Europa, e em Portugal, procurou-se inscrever a sua representação, particularmente divulgada entre nós no século XVIII, num quadro bem mais complexo que é o da história das próprias Misericórdias, implantadas em território nacional a partir de 1498. À compreensão da representação das obras de misericórdia na sua totalidade, e integradas no contexto das confrarias que fizeram destas acções caritativas a base das suas atribuições, correspondeu a confirmação da unidade conceptual e, também, plástica, dos vastos programas azulejares do século XVIII. Estes, tirando partido das suas potencialidades narrativas, e apesar das diferenças de erudição entre si, souberam revestir os templos, e outros espaços, de imagens doutrinais de grande significado. Da ideia que presidiu à fundação da Misericórdia de Lisboa até ao século XVIII, um longo caminho foi trilhado. Uma componente espiritual de grande peso, observada originalmente, foi cedendo a uma crescente especialização de tarefas, e determinadas obras foram privilegiadas em detrimento de outras. Paralelamente, verificou-se uma tendência de crise e decadência na vida das Misericórdias durante a centúria de Setecentos, período ao qual se reporta o maior número de representações de obras de misericórdia. Facto que se prende, quanto a nós, com uma questão de promoção e legitimação institucional, relacionada com o próprio enquadramento da assistência, que caminhava no sentido da lenta secularização, ainda que apenas consumada muito mais tarde. Legitimação essa que procurou, até ao terceiro quartel da centúria de Setecentos, fazer face à crescente corrupção e falência das Misericórdias e manter-se dentro dos moldes tradicionais de ajuda ao próximo, com base em fundamentos religiosos.
I intended to study the representation of the works of mercy in the 18th century tile (azulejo) panels, from the double point of view of their iconography, and their integration in the context of the Portuguese Misericórdias. Starting with the doctrinal analysis of these fourteen charitative actions, and the related images known both in Europe and in Portugal, I essayed to inscribe these representations, particularly disseminated among us in the 18th century, in a much more complex context, that of the history of the Misericórdias, established in Portugal from 1498. To the understanding the works of mercy representation in its totality, and in the context of confraternities that had in those charitative actions the bases of their attributions, it will correspond the confirmation of both conceptual and plastic unity of the vast 18th century programs of azulejo. Taking advantage from their narrative potential, they successfully covered entire walls, in temples and other buildings, with images of great doctrinal meaning, even if displaying distinct grades of erudition. From the initial idea that leads to the foundation of the Misericórdia of Lisboa to the 18th century, there goes a long distance. The heavy spiritual component originally present gave way, progressively, to a crescent specialization of tasks, with certain works being privileged in detriment of others. At the same time, a tendency of crises and decay occurred in the life of the Misericórdias during the 18th century, period to which most of the representations of the works of mercy date back. In my opinion, this correlation is linked to the crescent need for institutional promotion and legitimation, due to the reforming of the notion of social assistance, slowly evolving to secularisation, not consummated until much latter. This search for legitimating was, at least until the third quarter of the 18th century, a way of facing the growing corruption and bankruptcy of the Misericórdias, and also of keeping the assistance activity within traditional religious grounds.
Descrição: Tese de mestrado em Arte, Património e Restauro apresentada à Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, 2007
URI: http://catalogo.ul.pt/F/?func=item-global&doc_library=ULB01&type=03&doc_number=000499151
http://hdl.handle.net/10451/1775
Aparece nas colecções:FL - Dissertações de Mestrado

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
22783_ulfl066731_tm_00_capa.pdf6,81 kBAdobe PDFVer/Abrir
22784_ulfl066731_tm_01_indice.pdf33,08 kBAdobe PDFVer/Abrir
22785_ulfl066731_tm_02_introducao.pdf31,8 kBAdobe PDFVer/Abrir
22786_ulfl066731_tm_03_capitulo_1.pdf6,98 MBAdobe PDFVer/Abrir
22787_ulfl066731_tm_04_capitulo_2.pdf208,44 kBAdobe PDFVer/Abrir
22788_ulfl066731_tm_05_capitulo_II_1.pdf6,64 MBAdobe PDFVer/Abrir
22789_ulfl066731_tm_06_conclusao.pdf281,96 kBAdobe PDFVer/Abrir
22790_ulfl066731_tm_07_bibliografia.pdf98,21 kBAdobe PDFVer/Abrir
22791_ulfl066731_tm_08_indice_imagens.pdf24,39 kBAdobe PDFVer/Abrir
22792_ulfl066731_tm_000_indice_anexo.pdf29,03 kBAdobe PDFVer/Abrir
22793_ulfl066731_tm_01_estremoz.pdf1,66 MBAdobe PDFVer/Abrir
22794_ulfl066731_tm_02_evora.pdf11,32 MBAdobe PDFVer/Abrir
22795_ulfl066731_tm_03_viana_castelo.pdf2,46 MBAdobe PDFVer/Abrir
22796_ulfl066731_tm_04_grandola.pdf437,64 kBAdobe PDFVer/Abrir
22797_ulfl066731_tm_05_olivenca.pdf1,8 MBAdobe PDFVer/Abrir
22798_ulfl066731_tm_06_mangualde.pdf478,64 kBAdobe PDFVer/Abrir
22799_ulfl066731_tm_07_redondo.pdf377,54 kBAdobe PDFVer/Abrir
22800_ulfl066731_tm_08_abrantes.pdf768,42 kBAdobe PDFVer/Abrir
22801_ulfl066731_tm_09_arraiolos.pdf2,53 MBAdobe PDFVer/Abrir
22802_ulfl066731_tm_10_evoramonte.pdf1,26 MBAdobe PDFVer/Abrir
22803_ulfl066731_tm_11_tavira.pdf2,94 MBAdobe PDFVer/Abrir
22804_ulfl066731_tm_12_vila_franca_ficha.pdf795,46 kBAdobe PDFVer/Abrir
22805_ulfl066731_tm_13_estremoz_2.pdf317,47 kBAdobe PDFVer/Abrir
22806_ulfl066731_tm_14_alhos_vedros.pdf745,08 kBAdobe PDFVer/Abrir
22807_ulfl066731_tm_15_paco_cardido.pdf956,73 kBAdobe PDFVer/Abrir
22808_ulfl066731_tm_16_santarem.pdf427,6 kBAdobe PDFVer/Abrir
22809_ulfl066731_tm_17_pintores.pdf130,07 kBAdobe PDFVer/Abrir
22810_ulfl066731_tm_18_indice_imagens.pdf40,62 kBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.