Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10451/17847
Título: Quem sou? Como Sou? A auto avaliação em crianças e jovens
Autor: Mourão, Bárbara
Novo, Rosa
Palavras-chave: Conceito de Si
Avaliação do Conceito de Si em crianças jovens
Escalas de auto-avaliação
Tennessee Self-Concept Scale for Children
Data: 2008
Editora: INFAD
Citação: Mourão, B. & Novo, R.F. (2008). Quem sou? Como Sou? A auto avaliação em crianças e jovens. INFAD Revista de Psicologia e International Journal of Developmental and Educational Psychology, 1, 163-174.
Resumo: O Conceito de Si, ou Auto-Conceito, refere-se à imagem que cada um tem de si próprio, dos seus pensamentos, sentimentos e características da identidade de cada um (Novo, 2003a). Nas crianças, como nos adultos, o Conceito de Si confere subjectividade às vivências e influencia a forma como as pessoas se comportam e interpretam a realidade pessoal, interpessoal e social (Baumeister, 1997). Neste sentido, a avaliação do Conceito de Si tem particular importância na compreensão da criança. Em contexto clínico ou de investigação, as escalas de auto-avaliação são das técnicas mais utilizadas para avaliar o Conceito de Si (Butler & Gasson, 2005; Byrne, 1996), por serem técnicas simples e por proporcionarem dados descritivos diversos sobre a imagem que cada um constrói sobre si próprio. No entanto, tais escalas só são úteis quando a criança alcança um nível adequado de leitura e de compreensão verbal, bem como capacidades metacognitivas compatíveis com a auto-avaliação. A Tennessee Self-Concept Scale (Fitts & Warren, 1996) é uma escala de auto-avaliação, com itens simples e acessíveis, proposta para crianças entre os 7 e os 14 anos de idade. A partir dos dados de um estudo empírico com a versão portuguesa desta escala (Novo, 2003b) aplicada a uma amostra de 244 alunos do 3º e 4º anos do ensino básico da zona da Grande Lisboa, são analisados os indicadores de precisão e validade das medidas finais e consideradas as qualidades e limitações deste instrumento quando usado com a franja de idades mais jovem (entre os 8 e os 11 anos).
Peer review: yes
URI: http://hdl.handle.net/10451/17847
ISSN: 0214-9877
Versão do Editor: http://infad.eu/RevistaINFAD/2008/n1/volumen1/INFAD_010120_163-174.pdf
Aparece nas colecções:FPCE - UOP - Artigos em Revistas Internacionais

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
INFAD_2008.pdf97,03 kBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.