Universidade de Lisboa Repositório da Universidade de Lisboa

Repositório da Universidade de Lisboa >
Instituto de Ciências Sociais (ICS) >
ICS - Teses de Doutoramento >

Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10451/1883

Title: "Uma questão nacional" : enredos da malária em Portugal, séculos XIX e XX
Authors: Saavedra, Mónica, 1970-
Keywords: Malária
Medicina - História - séc.19-20
Ciência e sociedade
Ciência
Sociedade
Portugal
Teses de doutoramento - 2010
Issue Date: 2010
Abstract: Este trabalho debruça-se sobre as práticas médicas e leigas e sobre as instituições relacionadas com a malária, em Portugal, nos séculos XIX e XX. A malária é apresentada como produto de uma dinâmica histórica, de encontros, negociações ou disputas entre actores com estatutos diversos e desiguais; bem como da circulação de ideias, técnicas, competências e indivíduos entre vários lugares. É também o produto de condições sociais localizadas, de interesses profissionais e experiências pessoais. A malária surge assim conceptualizada na sua multiplicidade e polissemia social, ligando os níveis de análise internacional, nacional e local. A nível internacional, aborda-se a transformação e consolidação do conhecimento médico sobre esta doença, como produção transnacional, atentando na sua apropriação pelos médicos portugueses. A nível nacional, a regulamentação e a institucionalização das práticas associadas à malária, em Portugal, são consideradas em relação estreita com as tentativas de estabelecimento de um serviço de saúde estatal, expressando convicções científicas e interesses profissionais. Ao nível local, as memórias de «ter malária» trazem a esta pesquisa a dimensão física da doença, fundamental na sua produção social. Aparentemente alheados e excluídos da produção de conhecimento científico sobre esta doença, os homens e mulheres que dela padeciam foram, afinal, elemento basilar das práticas médicas relacionadas com a malária, condicionando-as e legitimando as instituições que as sustentavam. Por outro lado, as narrativas leigas sobre a malária «vivida na pele», contrastando com a «malária médica», são particularmente reveladoras do carácter compósito da doença. Para aqueles que dela padeceram, esta apenas faz sentido, hoje, nas suas memórias, como um elemento menor dos seus percursos biográficos, perdendo relevância no quotidiano do trabalho no campo, dos patrões e capatazes, da família e dos vizinhos, da fome e do sofrimento.
This dissertation is about institutions, medical and lay practices related to malaria in Portugal, during the 19th and 20th centuries. Malaria is regarded as a social production, as the result of a historical dynamics, of encounters, negotiations or disputes between actors with diverse and unequal status. It is also the result of the circulation of ideas, techniques, competencies and individuals through multiple places; as well as the product of localized social conditions, professional aspirations and personal experiences. Thus, the disease is conceptualised in its multiplicity, connecting international, national and local levels of analyses. At the international level, the transformation and consolidation of medical knowledge about malaria is regarded as transnational production, while emphasis is put on its acceptance and transformation by Portuguese doctors. At the national level, the regulation and institutionalization of practices related to malaria in Portugal are considered in connection with doctors’ attempts to establish a state health service, revealing scientific convictions and professional ambitions. At the local level, malaria memories bring to this research the physical dimension of the disease as a fundamental part of its social production. Apparently unaware and excluded of the production of scientific knowledge about the disease, lay men and women are, after all, a fundamental part of medical practices regarding malaria. Therefore, they influence and legitimize these practices and the process of their social production. On the other hand, lay narratives about malaria experiences contrasting with «medical malaria» are particularly revealing of the disease composite character. For the men and women who experienced this disease, it only makes sense, presently in their memories, as a lesser element of their personal stories. Malaria loses importance against the everyday routines of rural labour and landowners, family and neighbours, famine and suffering.
Description: Tese de doutoramento, Ciências Sociais (Antropologia Social e Cultural), Universidade de Lisboa, Instituto de Ciências Sociais, 2010
URI: http://hdl.handle.net/10451/1883
Appears in Collections:ICS - Teses de Doutoramento

Files in This Item:

File Description SizeFormat
ulsd058740_td_Monica_Saavedra.pdf2.18 MBAdobe PDFView/Open
Statistics
FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpaceOrkut
Formato BibTex mendeley Endnote Logotipo do DeGóis 

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.

 

  © Universidade de Lisboa / SIBUL
Alameda da Universidade | Cidade Universitária | 1649-004 Lisboa | Portugal
Tel. +351 217967624 | Fax +351 217933624 | repositorio@reitoria.ul.pt - Feedback - Statistics
DeGóis
  Estamos no RCAAP Governo Português separator Ministério da Educação e Ciência   Fundação para a Ciência e a Tecnologia

Financiado por:

POS_C UE