Universidade de Lisboa Repositório da Universidade de Lisboa

Repositório da Universidade de Lisboa >
Faculdade de Psicologia (FP) >
FP - Dissertações de Mestrado >

Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10451/1894

Título: O autoconceito em crianças com e sem irmãos
Autor: Santos, Andreia Juliana Silva
Orientador: Santos, Salomé Vieira, 1959-
Palavras-chave: Autoconceito
Filho único - Ambiente familiar
Relações entre irmãos
Teses de mestrado - 2010
Issue Date: 2010
Resumo: O presente estudo foca o autoconceito em crianças com e sem irmãos, e tem como principais objectivos: (1) caracterizar o autoconceito num grupo de crianças com idades compreendidas entre os 8 e os 12 anos; (2) analisar o autoconceito em função das crianças terem ou não irmãos e da posição da criança na fratria; (3) caracterizar a relação entre irmãos em fratrias de duas crianças; (4) analisar a relação entre o autoconceito e o modo como as crianças caracterizam a sua relação com o irmão. Participaram no estudo 70 crianças (8-12 anos; 35 do sexo masculino). Para a avaliação do autoconceito foi utilizada a versão reduzida do Piers-Harris Children Self-Concept Scale (PHCSCS-2; Piers, 1984), adaptada por Veiga (2006). Foi construído um Questionário para a Criança, que avalia a relação entre irmãos, e uma Ficha de Caracterização da Criança que visa a recolha de dados sócio-demográficos e familiares. Verificou-se que a amostra estudada obteve resultados significativamente mais elevados no autoconceito global e em subescalas específicas, face ao grupo de comparação (amostra do estudo de adaptação do PHCSCS-2). Por sua vez, as crianças com e sem irmãos diferenciaram-se apenas no domínio Estatuto Intelectual (mais favorável às primeiras), não se obtendo diferenças significativas no autoconceito em função da posição da criança na fratria. De uma forma geral, a relação entre irmãos foi maioritariamente considerada como positiva, ainda que a maior parte das crianças refira conflitos entre irmãos. Verificou-se igualmente que as crianças com uma menor diferença de idades face ao irmão (fratrias de duas crianças) têm uma percepção menos positiva da relação com este. Por último, o modo como as crianças caracterizam a relação com os irmãos (em aspectos específicos) associou-se com domínios do autoconceito. Discutem-se os resultados, tendo em consideração a literatura dirigida para a relação entre irmãos.
The present study focuses on self-concept in children with or without siblings, and has the following objectives: (1) to characterize self-concept in a group of children aged between 8 and 12 years; (2) to analyze self-concept according to whether the children have siblings or not, and their position within the group of siblings (birth order); (3) to characterize the relationship between siblings in pairs of siblings; (4) to analyze the relationship between self-concept and the way in which children characterize their relationships with their siblings. 70 children participated in the study (aged 8-12; 35 of them male). For the evaluation of self-concept the reduced version of Piers-Harris Children Self-Concept Scale (PHCSCS-2; Piers, 1984) was used, which was adapted by Veiga (2006). A Questionnaire for the Child was developed, which evaluated the relationship between siblings. A Child Characterization File was also created, which aimed to collect socio-demographic and family data. The sample under study obtained significantly higher results in global self-concept and in the specific subscales in relation to the comparison group (sample of the adaptation study of PHCSCS-2). In turn, children with or without siblings differed only in the Intellectual Status domain (more favorable to the former), but no significant differences in self-concept were obtained in relation to the birth order. Overall, the relationship between siblings was mostly considered positive, despite the fact that most of the children reported conflicts between siblings. Children with a smaller age difference in relation to their sibling were found to have a less positive perception of the relationship with the latter. Finally, the way in which children characterize their relationship with their siblings (in specific aspects) is associated with self-concept domains. Results are discussed on the basis of the available literature focusing on sibling relationship.
Descrição: Tese de mestrado, Psicologia (Secção de Psicologia Clínica e da Saúde - Núcleo de Psicologia Clínica Dinâmica), Universidade de Lisboa, Faculdade de Psicologia, 2010
URI: http://hdl.handle.net/10451/1894
Appears in Collections:FP - Dissertações de Mestrado

Files in This Item:

File Description SizeFormat
ulfp035583_tm.pdf707,05 kBAdobe PDFView/Open
Restrict Access. You can request a copy!
Statistics
FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpaceOrkut
Formato BibTex mendeley Endnote Logotipo do DeGóis 

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.

 

  © Universidade de Lisboa / SIBUL
Alameda da Universidade | Cidade Universitária | 1649-004 Lisboa | Portugal
Tel. +351 217967624 | Fax +351 217933624 | repositorio@reitoria.ul.pt - Feedback - Statistics
DeGóis
  Estamos no RCAAP Governo Português separator Ministério da Educação e Ciência   Fundação para a Ciência e a Tecnologia

Financiado por:

POS_C UE