Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10451/20043
Título: Intencionalidade
Autor: Leclerc, André
Palavras-chave: Intencionalidade
Consciência
Fenomenologia
Filosofia da Mente
Filosofia Analítica
Data: 2015
Editora: Centro de Filosofia da Universidade de Lisboa
Citação: Branquinho,J. e Santos,R. (eds), Compêndio em Linha de Problemas de Filosofia Analítica. Lisboa: Centro de Filosofia da Universidade de Lisboa
Resumo: A intencionalidade, no sentido mais amplo, é a propriedade relacional de ser acerca de algo. Num sentido mais comum e estrito, é o poder da mente de representar algo. Franz Brentano (1874) fez da intencionalidade a “marca do mental”. Seu discípulo Edmund Husserl fez dela a noção central da Fenomenologia, a característica fundamental da consciência de ser consciência de algo. Na década de 1950, a noção foi introduzida na Filosofia Analítica por R. M. Chisholm (1957) que procurou, sem sucesso, um critério lógico-linguístico do mental. Ela finalmente se tornou uma noção central em Filosofia da Mente. Depois de um breve histórico dos principais momentos de desenvolvimento teórico da noção de intencionalidade, trataremos dos componentes e da estrutura da intencionalidade, e da complicada relação entre intencionalidade e consciência. Algumas questões importantes serão abordadas: Como resolver o problema dos objetos intencionais inexistentes? A intencionalidade é mesmo a “marca do mental”? É possível “naturalizar” a intencionalidade?
Abstract: In the broadest sense of the word, “intentionality” expresses the rela - tional property of being about something . In a more common and strict sense of the word, “intentionality” denotes the power of the mind to represent something. Franz Brentano (1874) argues that intentionality is the “mark of the mental”. Edmund Husserl develops the notion of intentionality as the central idea of his Phenomenology. Late in the fifties R. M. Chisholm (1957) introduces intentionality in analytic philosophy, seeking, unsuccessfully, a logico-linguistic criterion of the mental. Soon after intentionality becomes a central notion in philoso - phy of mind. After a brief historical survey of the main philosophical contributions to the notion of intentionality, we present the structure of intentionality, and the complex relationship between intentionality and consciousness. Some fundamental questions are briefly tackled: How could we resolve the problem of non-existent intentional objects? Is intentionality really the mark of the mental? Is it possible to natural - ise intentionality?
Peer review: yes
URI: http://hdl.handle.net/10451/20043
ISSN: 978-989-8553-22-5
Versão do Editor: http://compendioemlinha.letras.ulisboa.pt/intencionalidade-andre-leclerc/
Aparece nas colecções:FL-DF - Compêndio em Linha de Problemas de Filosofia Analítica

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
leclerc_2015_intencionalidade.pdf268,03 kBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.