Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10451/20168
Título: Advanced persistent threats
Autor: Lima, António João Caldeira
Orientador: Ferreira, Pedro Miguel Frazão Fernandes
Moura, João Manuel Gomes
Palavras-chave: APT
Advanced persistent threat
Definição
Prevenção
Deteção
Futuro
Teses de mestrado - 2015
Data de Defesa: 2015
Resumo: Os sistemas computacionais tornaram-se uma parte importante da nossa sociedade, para além de estarmos intrinsecamente ligados a eles, a maioria da informação que utilizamos no nosso dia-a-dia está no seu formato digital. Ao contrário de um documento físico, um documento digital está exposto a uma maior variedade de ameaças, principalmente se estiver de alguma forma disponível `a Internet. Informação é poder, por isso não é de admirar que alguém, algures esteja a tentar roubá-la, assim, é facto que os adversários já operam neste novo mundo. Ladrões, terroristas e mesmo a máfia começaram a utilizar a internet como um meio para alcançar os seus fins. A cibersegurança tenta proteger a informação e os sistemas contra estes e outros tipos de ameaças, utilizando anti-vírus, firewalls ou detetores de intrusões, entre outros. Infelizmente as notícias continuam a sair, milhões de euros roubados a bancos por via informática, empresas saqueadas da sua propriedade intelectual e governos envergonhados por os seus segredos serem expostos ao mundo. A questão coloca-se, porque é que os sistemas de segurança estão a falhar? Como está o adversário a ultrapassá-los? A verdade hoje em dia é que os atacantes não só adquiriram talentos avançados na área como também têm acesso a ferramentas extremamente sofisticadas e vão fazer uso delas para serem bem-sucedidos nos seus objetivos, sejam estes o roubo de informação, o objetivo mais comum e por isso o mais abordado neste trabalho, seja o ataque a infraestruturas críticas. Advanced Persistent Threat(APT), ou ameaça avançada persistente, é um termo utilizado para caracterizar atacantes sofisticados, organizados e com recursos para concretizar ataques informáticos. Inventado pela força aérea Americana em 2006, o termo era uma forma de discutir intrusões informáticas com pessoal não militar. Nas suas origens, a palavra Ameaça indica que o adversário não é um pedaço de código automático, ou seja, o adversário ´e humano e ´e este humano que controla parte do ataque e contribui para o seu sucesso, avançada porque este humano é treinado e especializado na utilização de todo o espectro informático de forma a melhor conseguir atingir o seu objectivo e persistente, pois esse objectivo é formalmente definido, ou seja, o ataque só está concluído quando atingir o alvo em pleno. Infelizmente, o termo passou a ser utilizado para descrever qualquer ataque informático e a ter uma conotação extremamente comercial devido aos sistemas anti-APT que invadiram o mercado pouco tempo depois do ataque sofrido pela Google em 2010. Neste trabalho abordamos estes pressupostos, e explica-se o verdadeiro significado do termo juntamente com uma forma mais científica, claramente mais útil do ponto das abordagens da engenharia. Nomeadamente, sugere-se uma visão mais abrangente da campanha de ataque, não se focando apenas no software utilizado pelo adversário, mas tentando olhar para a campanha como um todo; equipas, organização, manutenção e orçamento, entre outros. Mostramos também porque estes ataques são diferentes, relativamente às suas tácticas, técnicas e procedimentos, e porque merecem ser distinguidos com a sua própria designação e o seu próprio ciclo de vida. Para além de identificarmos vários ciclos de vida associados às APTs, o ciclo de vida mais utilizado para caracterizar estas campanhas de ataque foi analisado em detalhe, desde as primeiras etapas de reconhecimento até à conclusão dos objectivos. Discute-se também a essência de cada passo e porque são, ou não, importantes. De seguida realiza-se uma análise ao tipo de atacante por trás destas campanhas, quem são, quais as suas histórias e objectivos. Avalia-se também porque é que os mecanismos de defesa tradicionais continuam a ser ultrapassados e n˜ao conseguem acompanhar o passo rápido dos atacantes. Isto acontece principalmente devido à utilização de listas do que é malicioso e o bloqueio apenas do que se encontra nessa lista, chamado de black listing. Ainda que se tenha já realizado trabalho na área de deteccão de anomalias, mostra-se também o porquê de esses sistemas continuarem a não ser suficientes, nomeadamente devido ao facto de definirem os seus pressupostos base erroneamente. Durante a realização deste trabalho percebeu-se a falta de estatísticas que pudessem responder a algumas questões. E por isso foi realizado um estudo aos relatórios disponíveis relativos a este tipo de ataques e apresentados os resultados de uma forma simples, organizada e resumida. Este estudo veio ajudar a perceber quais os maiores objectivos neste tipo de ataque, nomeadamente a espionagem e o roubo de informação confidencial; quais os maiores vectores de ataque (sendo o e-mail o grande vencedor devido à facilidade de explorar o vector humano); quais as aplicações alvo e a utilização, ou não, de vulnerabilidades desconhecidas. Esperamos que esta recolha de informação seja útil para trabalhos futuros ou para interessados no tema. Só depois de realizado este estudo foi possível pensar em formas de contribuir para a solução do problema imposto pelas APTs. Uma distinção ficou clara, existe não só a necessidade de detectar APTs, mas também a criticalidade da sua prevenção. A melhor forma de não ser vítima de infeção é a aplicação de boas práticas de segurança e, neste caso, a formação de todo o pessoal relativamente ao seu papel na segurança geral da organização. Aborda-se também a importância da preparação; segurança não é apenas proteger-se dos atacantes, mas principalmente saber como recuperar. Relativamente à deteção, foi realizado trabalho em duas vertentes, primeiramente e visto o trabalho ter sido realizado em ambiente de empresa, foi elaborado um plano para um sistema capaz de detectar campanhas de ataque que utilizassem o vetor de infeção do e-mail, fazendo uso dos sistemas já desenvolvidos pela AnubisNetworks que, sendo uma empresa de segurança informática com fortes ligações ao e-mail, tinha o conhecimento e as ferramentas necessárias para a concretização do sistema. O sistema faz uso de uma caracterização de pessoas, chamado de people mapping, que visa a identificar os principais alvos dentro da empresa e quem exibe maiores comportamentos de risco. Esta caracterização possibilita a criação de uma lista de pessoal prioritário, que teria o seu e-mail (caso tivesse anexos ou endereços) analisado em ambiente de sandbox. Este sistema acabou por não ser construído e é apenas deixada aqui a sua esquematização, sendo que fica lançado o desafio para a sua realização. De forma a contribuir não só para a empresa, mas também para a comunidade científica de segurança, foi de seguida realizado trabalho de deteção em vários pontos de qualquer rede informática seguindo os quatro principais passos na execução de uma campanha APT. Decidimos então utilizar um ciclo de vida composto por quatro etapas, sendo elas, a fase de reconhecimento, a infeção inicial, o controlo e o roubo de informação. Neste modelo, procuraram-se possíveis sistemas para a deteção de eventos relacionados com APTs nos três principais pontos de qualquer rede: a Internet, a Intranet e a máquina cliente. Ao analisar cada fase em cada ponto da rede, foi possível perceber realmente quais as principais áreas de estudo e desenvolvimento para melhor detectar APTs. Mais concretamente, concluiu-se que a internet seria o ponto ideal de deteção das fases de reconhecimento, a intranet para detetar controlo e roubo de informação e a máquina cliente para detetar infeção inicial. Conclui-se o trabalho apresentando o nosso ponto de vista relativamente ao futuro, isto é, quem vai fazer uso das táticas utilizadas nas campanhas APT visto serem extremamente bem sucedidas, como vão os atacantes adaptar-se aos novos mecanismos de defesa e quais os novos possíveis vetores de infeção.
Computer systems have become a very important part of our society, most of the information we use in our everyday lives is in its digital form, and since information is power it only makes sense that someone, somewhere will try to steal it. Attackers are adapting and now have access to highly sophisticated tools and expertise to conduct highly targeted and very complex attack campaigns. Advanced Persistent Threat, or APT, is a term coined by the United States Air Force around 2006 as a way to talk about classified intrusions with uncleared personnel. It wrongly and quickly became the standard acronym to describe every sort of attack. This work tries to demystify the problem of APTs, why they are called as such, and what are the most common tactics, techniques and procedures. It also discusses previously proposed life-cycles, profile the most common adversaries and takes a look at why traditional defences will not stop them. A big problem encountered while developing this work was the lack of statistics regarding APT attacks. One of the big contributions here consists on the search for publicly available reports, its analysis, and presentation of relevant information gathered in a summarised fashion. From the most targeted applications to the most typical infection vector, insight is given on how and why the adversaries conduct these attacks. Only after a clear understanding of the problem is reached, prevention and detection schemes were discussed. Specifically, blueprints for a system to be used by AnubisNetworks are presented, capable of detecting these attacks at the e-mail level. It is based on sandboxing and people mapping, which is a way to better understand people, one of the weakest links in security. The work is concluded by trying to understand how the threat landscape will shape itself in upcoming years.
Descrição: Tese de mestrado, Segurança Informática, Universidade de Lisboa, Faculdade de Ciências, 2015
URI: http://hdl.handle.net/10451/20168
Designação: Mestrado em Segurança Informática
Aparece nas colecções:FC-DI - Master Thesis (dissertation)

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
ulfc115784_tm_António_Lima.pdf2,26 MBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.