Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10451/20230
Título: Do contrato ambio-social a uma antropologia da esperança : cidadania e sustentabilidade na era da crise ambiental
Autor: Rego, Bruno Paulo Castendo
Orientador: Marques, Viriato Soromenho, 1957-
Santos, Filipe Duarte, 1942-
Palavras-chave: Ambiente - Protecção - Participação dos cidadãos
Desenvolvimento sustentável
Responsabilidade ambiental
Ecologia humana
Filosofia da natureza
Teses de doutoramento - 2015
Data de Defesa: 2015
Resumo: Esta Dissertação insere-se nas áreas de Filosofia da Natureza e do Ambiente e Filosofia Política e pretende pensar a cidadania e a sustentabilidade do ponto de vista da complexidade da crise ambiental contemporânea. Num primeiro momento, pretende-se argumentar que, no que concerne à complexidade das questões envolvidas na crise ambiental global, a noção de cidadania ecológica desenvolvida recentemente por alguns autores revela-se extremamente redutora face à perspectiva redutora dos seus argumentos.Num segundo momento, partindo da crise global do ambiente como eixo axial de uma profunda crise civilizacional contemporânea, pretende-se construir uma noção mais ampla de cidadania ambiental do que as noções formuladas até este momento.Trata-se de, em face da complexidade da crise ambiental contemporânea, tomar o conceito de ambiente como categoria ontológica fundamental para a nossa sobrevivência no planeta e também para a sobrevivência das formas de vida não humanas, e repensar as bases do contratualismo moderno através da possibilidade de ampliação do contrato social a um Contrato Ambio-Social que contemple as condições do mundo e dos recursos naturais, do equilíbrio ecológico dos ecossistemas planetários ameaçados pelas acções tecnocientíficas antropogénicas e a preocupação para com as gerações futuras nos limites de um realismo antropocêntrico moderado e responsável.Delimitadas as fronteiras teóricas da cidadania ambiental, pretende-se depois, através das mesmas, determinar a possibilidade de enriquecer o clássico triângulo conceptual do conceito de sustentabilidade (social, económico e ambiental), enfocando-o numa perspectiva mais lata como um possível mito de mobilização da sociedade civil face aos desafios ambientais contemporâneos na perspectiva de uma antropologia da esperança e de uma utopia concreta, cujas ferramentas de pensamento crítico aos paradigmas estabelecidos nos permitam o exigente e estimulante exercício de divisar futuros modelos sociopolíticos alternativos, equitativos e sustentáveis.
This Dissertation was made in the disciplines of Natural and Environmental Philosophy and Political Philosophy, and aims to think of citizenship and sustainability from the complex perspective of the contemporary environmental crisis. In a first moment it is argued that, in face of the complexity involved in the global environmental crisis issues, the notion of ecological citizenship recently developed by some authors is in itself too narrow due to the lack of a larger scope of its arguments. In a second moment, taking the global environmental crisis as the main axis of a deeper contemporary civilizational crisis, it is intended to focus on a wider theoretical notion of environmental citizenship than its previous approaches. This notion of environmental citizenship intends to forge a new approach on the contractualist theory by taking the environment as the primary condition of possibility regarding the existence of the human condition and of the non-human forms of life as well. With this approach, it will be argued that our social contract becomes, thus, an Enviro-Social Contract in which environmental issues play a vital role to the planetary human and non-human forms of life, and also to the future generations in the limits of a restrained and responsible anthropocentrism. From the emerging notion of environmental citizenship it will be researched the possibility of enriching sustainability’s classic conceptual triangle (social, economic and environmental) and of a new and larger focus on it. Sustainability will be considered in the light of a possible myth of engagement of civil society in environmental issues, as an anthropology of hope, and as a concrete utopia whose tools of critical thinking to the established paradigms will allow the stimulating and demanding effort of design alternative, equitable and sustainable future sociopolitical models.
Descrição: Tese de doutoramento, Filosofia (Filosofia da Natureza e do Ambiente), Universidade de Lisboa, Faculdade de Letras, Universidade Nova de Lisboa, 2015
URI: http://hdl.handle.net/10451/20230
Designação: Doutoramento em Filosofia da Natureza e do Ambiente
Aparece nas colecções:FL - Teses de Doutoramento

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
ulsd071355_td_Bruno_Rego.pdf1,79 MBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.