Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10451/20252
Título: Relação coparental e estabelecimento de fronteiras relacionais após a separação conjugal
Autor: Frade, Sara Maria Azinhais
Orientador: Afonso, Maria Helena dos Santos, 1957-
Palavras-chave: Separação conjugal
Coparentalidade
Fronteiras
Teses de mestrado - 2014
Data de Defesa: 2014
Resumo: A separação conjugal, como um processo de transição no ciclo de vida dos indivíduos, implica uma reorganização do sistema familiar, que envolve mudanças nos papéis e relações entre os seus membros. A qualidade da relação coparental é reconhecida como sendo determinante no funcionamento familiar após a separação conjugal e necessita que haja uma reorganização de novas fronteiras relacionais entre os pais. O objetivo do presente estudo é descrever e analisar a natureza da relação coparental de pais separados/divorciados avaliando diferentes dimensões dessa relação, assim como, a forma como as fronteiras relacionais entre eles estão estabelecidas. Os dados foram recolhidos através de questionários online, numa amostra de 55 sujeitos separados/divorciados. Os resultados revelam que uma relação coparental pautada por cooperação entre os progenitores é fundamental no funcionamento familiar posterior à separação conjugal. Verifica-se como determinante a distinção de questões conjugais das parentais no estabelecimento de fronteiras claras entre os ex-cônjuges, pois a ambiguidade de fronteiras pode comprometer o desenvolvimento da relação cooperativa entre os pais. A renegociação de fronteiras relacionais entre os progenitores separados/divorciados é uma tarefa crítica para uma separação/divórcio bem-sucedida. Apresentam-se algumas implicações para aprática clínica e sugestões para futuras investigações.
A marital separation, as a process of transition in the life cycle of individuals, implies a reorganization of the family system, which involves changes in the roles and relationships among its members. The quality of coparental relationship is recognized as being instrumental in family functioning after marital separation, and needs negotiation of new relational boundaries between parents. The aim of this study is to describe and analyze the nature of the coparental relationship of separated/divorced parents evaluating different dimensions of this relationship, as well as how the boundaries of the relationship between them are established. Data were collected through online questionnaires, in a sample of 55 separated / divorced individuals. The results reveal that a coparental relationship marked by cooperation between parents is crucial in family functioning after the marital separation. The distinction of parental issues from marital ones appears as determinant in establishing clear boundaries between the former spouses, because the ambiguity of boundaries can compromise the development of the cooperative relationship between the parents. The renegotiation of relational boundaries between separated / divorced parents is a critical task to a successful separation / divorce. There are presented some implications for clinical practice and suggestions for future research.
Descrição: Tese de Mestrado, Psicologia (Secção de Psicologia Clínica e da Saúde, Núcleo de Psicoterapia Cognitiva-Comportamental e Integrativa), Universidade de Lisboa, Faculdade de Psicologia, 2014
URI: http://hdl.handle.net/10451/20252
Designação: Mestrado em Psicologia
Aparece nas colecções:FP - Dissertações de Mestrado

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
ulfpie047393_tm.pdf1,03 MBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.