Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10451/20495
Título: Políticas públicas costeiras e adaptação às alterações climáticas: que limites de implementação?
Autor: Schmidt, Luísa
Mourato, João Morais
Data: 2015
Citação: Schmidt, L. & Mourato, J. (2015, 16 de Outubro). Políticas públicas costeiras e adaptação às alterações climáticas: que limites de implementação? Apresentado no VIII Congresso sobre Planeamento e Gestão das Zonas Costeiras dos Países de Expressão Portuguesa & 1ª Conferência Internacional "Turismo em Zonas Costeiras - Oportunidades e Desafios", Aveiro, Portugal
Resumo: As consequências das alterações climáticas e a necessidade de adaptação das sociedades são já inevitáveis. Consequentemente, a União Europeia lançou a Estratégia Europeia de Adaptação às Alterações Climáticas, instigando os países da UE a avançar com propostas concretas. Em 2010, Portugal aprovou a sua estratégia nacional, cuja revisão se concluiu na segunda metade de 2015. Contudo, tal como outros Estados-membros, tarda em aplicar medidas concretas. Esta inação potencia custos futuros avultados, em particular para as zonas e populações mais vulneráveis. Entre estas, destaquemos o caso das zonas costeiras, já em recuo devido aos efeitos da erosão costeira, que lidam agora com a ameaça da subida do nível médio do mar e do aumento dos eventos climáticos extremos. As políticas públicas de adaptação têm colocado ênfase na necessidade de envolver os stakeholders e as populações locais que irão ser diretamente afectadas. As dimensões sociais, económicas e culturais são fundamentais para a eficiência e eficácia de quaisquer medidas de adaptação. Mas não só. Há que antecipar os obstáculos emergentes de um quadro legal em mutação e de uma arquitetura institucional de responsabilidades nem sempre apropriadas. Para entender estes impactos sociais, obstáculos institucionais e delinear potenciais medidas atenuantes dos efeitos negativos dos mesmos, o projecto CHANGE – Mudanças Climáticas, Costeiras e Sociais (PTDC/CSSOC/100376/2008) analisou 3 áreas costeiras - Vagueira, Quarteira e Costa da Caparica através de um conjunto de metodologias quantitativas e qualitativas – análise documental / instrumentos de política pública do litoral, criação de cenários, entrevistas, inquéritos, focus groups e workshops. Nesta resenha crítica, não exaustiva, sublinham-se as fragilidades no quadro político-administrativo e uma subsequente gestão fragmentada e burocratizada da orla costeira; bloqueios de comunicação e conhecimento transversais e multinível, verdadeiros entraves à participação pública em futuros modelos de governança costeira.
URI: http://hdl.handle.net/10451/20495
Aparece nas colecções:ICS - Outras Publicações

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
ICS_LSchmidt_JMourato_Politicas_Comunicacao.pdf784,34 kBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.