Universidade de Lisboa Repositório da Universidade de Lisboa

Repositório da Universidade de Lisboa >
Faculdade de Belas Artes (FBA) >
FBA - Dissertações de Mestrado >

Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10451/2050

Título: Pintura como hipertexto do visível:instauração do tecno-imaginário do citor
Autor: Ferrão, Hugo, 1954-
Orientador: Sousa, João Rocha de
Badosa Conill, Luis
Palavras-chave: Pintura
Cibercultura
Hipertexto
Teses de doutoramento
Issue Date: 2007
Resumo: O Pensamento Plástico como dimensão e territorialidade disciplinar problematizadora da crescente imersão tecnológica caracterizada pelos dispositivos de informação e comunicação de matriz digital que mimetizam as tecnologias intelectuais humanas. Desertificação e implosão do imaginário humano, tendo como áxis mundi o computador em contraponto com o Pensamento Plástico, proposto como «estação do visível», integrando unidades dinâmicas que se tornam visíveis através da coisificação das manifestações artísticas. Triologia: Tradição, Modernidade e Pós-Modernidade interpretada como categorias existentes em qualquer período histórico. Declínio das grandes narrativas e ocaso das Academias de Belas-Artes. A «cientificação» do discurso artístico como forma de legitimação e estatuto. Reacção artística ao «êxodo» tecnológico como destino inexorável da humanidade, através de «arquipélagos» autorais protagonizados pelos Nazarenos, Pré-Rafaelitas e Nabis. O «carácter irresistível da dominação tecnológica» de Martin Heidegger e a redução máxima do homem a «mecanismo natural finalizado» esvaziado dos seus mitos e incapacitado de actos mitodológicos (Gilbert Durand). Demotecnocracias, cibercracias e a génese da Cibercultura, associada à militarização da sociedade e à hiper vigilância, contrastando com a ideia do acesso generalizado e gratuito às redes à escala global (Internet-Howard Rheingold). Hipertexto (Theodore Nelson), estrutura da matriz conceptual das manifestações tecno-artísticas e sua essência fractal. Hipertexto, estratégias tecno-artísticas e dimensões hiper-reais. Ciberespaço (William Gibson) a «alucinação consensual». Ciberarte, monotonia e circularidade das imagens laboratoriais utilizadas pelos tecno-artistas: Bill Viola, Roy Ascott, Stelarc e Orlan. Criação do conceito de «Citor», implicando a existência de uma unidade composta por «mecanismo natural finalizado» não intervencionado ou melhorado tecnologicamente, que recorre a estratégias de citação e apropriação, que actuam dentro do quadro cibernético que privilegia a comunicação entre máquinas e humanos. Instauração do tecno-imaginário que anuncia um novo tipo de relacionamento com o saber, baseado na conectividade de blocos de imagens em que as estratégias de significação se aproximam da linguagem cinematográfica. Citor, noção de Pós-Humanidade e hibridez biotecnológica, cibermitos, irracionalidade e ritualizações tecnológicas expostas nas intervenções do Survival Research Laboratories. Paradigma «High Tech Low Life», memória e influência dos movimentos juvenis de contracultura, manifestações artísticas contestatárias dos Beatiniks e dos Hippies alicerçando a ideia de Ciberdélia como sincretismo indiscriminado. Higt Tech e o neo-tribalismo New Wave protagonizado pelos hackers, cyberpunks, crackers e consequente errância tecnológica dos Cyberpunks. Imaginário cyberpunk, publicações, pirataria, ilustração, eventos, literatura de ficção científica, William Gibson e o conceito de Ciberespaço em Neuromancer (Bruce Sterling, Mark Dery e Rudy Rucker), filmografia de culto dos cyberpunk Blade Runner de Riedly Scott e os cyborgs, e a imagem do corpo tecnicizado, como hiper realidade em que a entropia entre realidade ficção é total. Paralelismo entre High Life e Low Life através da cultura de rua - graffiter, organização, ritualização pictográfica que revela plasticamente domínios da inumanidade e da ghetização como resquícios das sociedades concentracionárias. Reafirmação do significado e importância da praxis artística como elemento fundador e recentrador das visões humanizantes, reveladas na visibilidade das manifestações artísticas coisificadas
Descrição: Tese de doutoramento em Belas Artes, com especialidade em Pintura, apresentada á Universidade de Lisboa através da Faculdade de Belas Artes, 2007
URI: http://catalogo.ul.pt/F/?func=item-global&doc_library=ULB01&type=03&doc_number=000488296
http://hdl.handle.net/10451/2050
Appears in Collections:FBA - Dissertações de Mestrado

Files in This Item:

File Description SizeFormat
23094_ULFBA_TES230.pdf10,71 MBAdobe PDFView/Open
23095_ULFBA_TES230_CAPA.jpg80,73 kBJPEGThumbnail
View/Open
23094.xml9,78 kBXMLView/Open

Please give feedback about this item
Statistics
FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpaceOrkut
Formato BibTex mendeley Endnote Logotipo do DeGóis 

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.

 

  © Universidade de Lisboa / SIBUL
Alameda da Universidade | Cidade Universitária | 1649-004 Lisboa | Portugal
Tel. +351 217967624 | Fax +351 217933624 | repositorio@reitoria.ul.pt - Feedback - Statistics
DeGóis
Promotores do RCAAP   Financiadores do RCAAP

Fundação para a Ciência e a Tecnologia Universidade do Minho   Governo Português Ministério da Educação e Ciência PO Sociedade do Conhecimento (POSC) Portal oficial da União Europeia