Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10451/20647
Título: Between modern and traditional dialogues to the design of public bench for Iran
Autor: Feyzi, Roghieh, 1977-
Orientador: Pereira, Cristóvão
Palavras-chave: Design de equipamento
Design urbano
Mobiliário urbano
Espaço público
Clima
Tradicional
Modernidade
Irão
Data de Defesa: 31-Jul-2015
Resumo: Neste estudo, intitulado “Entre o Moderno e o Tradicional, Diálogos para o Design de um banco público para o Irão”, foram investigadas diferentes cidades no Irão, inicialmente através da análise de espaços públicos e dos diferentes tipos de clima que podem naturalmente e largamente ir afectando o desenvolvimento urbano e o design. Desde o início, a ascensão das cidades tem sido influenciada por vários fatores. Fatores como a visão e a perspectiva do mundo, a economia (a definição material do mundo) e o fator de ambiente ou clima têm tido impactos consideráveis sobre a estrutura das cidades. Um princípio geral subjacente a quase todas as estruturas tradicionais do Irão, é o cumprimento destas estruturas e do ambiente residencial com fatores climáticos. As diferentes características de cada clima no Irão foram altamente eficazes no crescimento das cidades e na combinação de arquitectura das regiões, de tal forma que as cidades, dependendo do tipo de clima, adquiriram uma estrutura diferente da das outras cidades (Tavasoli, 2002). Ao longo da história, os seres humanos sempre procuraram para si mesmos os locais considerados mais adequados; lugares bem localizados em termos de acesso à água potável, em relação à direção dos ventos, adequados à modificação das condições climáticas, com protecção em relação às intempéries, e o mais protegidos possiveis. Como mostram os exemplos apresentados, o projeto de edifícios e elementos urbanos parecem fazer sentido sempre que sejam baseados em princípios climáticos, tirando o máximo proveito do uso de energias naturais e tentanto lidar com o incômodo frio e calor. Além disso, eles também parecem ter em linha de conta a cultura das pessoas em cada região. O Irão oficialmente República Islâmica do Irão e anteriormente conhecido como Pérsia, é um país localizado na Ásia Ocidental. Tem fronteiras a norte com Arménia, Azerbaijão e Turquemenistão e com o Cazaquistão e a Rússia através do Mar Cáspio; a leste com Afeganistão e Paquistão; ao sul com o Golfo Pérsico e o Golfo de Omã; a oeste com o Iraque; e a noroeste com a Turquia. Composto por uma área de 1 648 195 quilômetros quadrados, é a segunda maior nação do Oriente Médio e a 18 maior do mundo. Com mais de 77 milhões de habitantes, o Irão é o 17 país mais populoso do mundo. O Irão é uma região vasta e de diversidade climática. No Irão encontramos zonas de clima arido ou semi-árido, excepto na costa do mar Cáspio, onde domina o clima subtropical. No noroeste, os invernos são frios com fortes nevões e temperaturas abaixo de zero em dezembro e Janeiro. A Primavera é relativamente amena, enquanto os verões são quentes e secos. No Sul, os invernos são suaves e os verões são muito quentes, com temperatura média diária em Julho, acima de 38 °C. Eu classifiquei neste trabalho quatro principais tipos de clima, e que tal como mencionei, essa diversidade moldou a arquitectura das cidades e gerou diferenças arquitectónicas num país de tão vastas dimensões. A partir da segunda metade do século XX, assistimos a uma rápida urbanização que emergiu com o desenvolvimento de grandes cidades sem ter em conta a cultura iraniana e certos elementos da arquitetura e design urbano. Esta mudança teve um impacto direto nas cidades do Irão ao introduzir o mobiliário urbano de cariz contemporâneo no Irão, e por isso foram estudados os diferentes tipos de mobiliário urbano, a história de móveis e bancos urbanos nas cidades e o mobiliário tradicional no Irão. Uma vez que os Iranianos sempre tiveram os melhores tapetes do mundo nunca se interessaram em sentar-se sobre pedaços de madeira ou pedras frias. Os tapetes seriam utilizados para se sentarem de forma tradicional, no chão e de pernas cruzadas, em vez de usarem a madeira ou a pedra. A história do uso de mobiliário e bancos publicos e domésticos no Irão remonta ao tempo dos Imperadores (até o império Pahlavi 1925), onde esses equipamentos serviam principalmente para distinguir os imperadores e as pessoas comuns, uma vez que a estas últimas não lhes era permitido sentarem-se. A comum postura de pernas cruzadas dos Iranianos requer projetar bancos adequados sobretudo ao serem postos em locais públicos. Em muitos restaurantes tradicionais encontramos estes bancos que permitem esta postura de pernas cruzadas em cima do banco para comer ou beber chá, assim como para simplesmente desfrutar da paisagem ou do sol. No Irão encontramos também encontramos o Korsi; Korsi é um móvel tradicional na cultura Iraniana, geralmente pequeno mas também existente em tamanho grande e é muito comum no Irão, especialmente utilizado nos meses de inverno ou em regiões de clima frio. Consiste em um tipo de mesa baixa, as pessoas sentam-se no chão com as pernas cruzadas e sentadas à volta, com um pequeno aquecedor elétrico embutido no centro, voltado para baixo, e um cobertor grosso "lacrando" a mesa pelos quatro lados para impedir que o ar quente escape - de uma forma similar a manter fechadas todas as portas e janelas em um ambiente com aparelho de ar-condicionado ligado para que o ar refrigerado não se dissipe. Ao estudar os locais públicos iranianos tradicionais e suas mudanças perceptíveis na Era Pahlavi, voltando-se para o urbanismo moderno, podemos observar na arquitetura do Irão a exclusão dos becos sem saída, das pequenas plataformas da frente das casas aonde as pessoas se sentavam e das pequenas praças que foram no passado lugares de reunião e convivio aonde as pessoas passavam parte do seu tempo diário juntos. Assim, as pessoas deixaram de sair e passaram a preferir passar a maior parte do seu tempo dentro das casas, em detrimento do ar livre. Considerando o crescimento da imigração das aldeias, cidades pequenas e zonas rurais para as grandes cidades, a população aumentou significativamente e, como consequência, as casas espaçosas e com quintais passaram a ser torres sem espaços exteriores verdes e apartamentos muito pequenos. A maioria deles não têm a luz solar, e mesmo se eles incluem algumas janelas, devido às questões de privacidade, por questões religiosas e assim por diante, os espaços tornaram-se mais fechados. O reduzido espaço dos apartamentos, juntamente com outras complicações sociais existentes no Irão tais como, os problemas económicos, o tráfego e a poluição nas grandes cidades fez com que muitas pessoas padecessem de doenças físicas e mentais, como a depressão, a raiva descontrolada e o isolamento que, gradualmente conduz obviamente à redução de pessoas saudáveis e faz com que a sociedade se torne também doente. Uma das possíveis soluções para estimular o combate a esses problemas é encorajar as pessoas a utilizar os espaços verdes mais frequentemente, para não se isolarem, também para poderem beneficiar da luz solar e passar o tempo com os amigos, conversando e relaxando longe da pressão quotidiana. Considerando as questões culturais e religiosas no Irão, piqueniques em espaços verdes têem as suas próprias regras e limitações. As pessoas precisam de ter a sua privacidade mesmo fora de suas casas. Por exemplo, seria comum observarmos em qualquer parte do Irão, em alguma área itinerante pública ou espaços verdes, uma família dentro de sua tenda completamente fechada. Mesmo entre as jovens gerações, eles preferem frequentar restaurantes tradicionais usando os bancos típicos para desfrutar de sua própria privacidade. Embora o uso destes bancos típicos tenha também algumas limitações: 1) Disponibilidade e tempo: dependendo dos horários de trabalho dos restaurantes. 2) Custo: Sendo necessário pagar uma taxa extra para utilizar o banco. 3) Em numero reduzido face à procura. Para além de existirem em número reduzido neste tipo de restaurantes típico e, às vezes, também haver o problema de acessibilidade a esse espaço. Por outro lado, do ponto de vista cultural, frequentar um local fechado como um café não é muito comum na sociedade Iraniana e as pessoas preferem sair para algo como um piquenique ou um churrasco ao ar livre e em espaços verdes. No mundo hoje em dia, que as pessoas dedicam grande parte do seu tempo a trabalhar para alcançar uma vida melhor e um futuro mais desafogado, precisam de algumas desculpas e motivações para sair e arranjar tempo e disponibilidade para desfrutarem do ar livre, sendo em piqueniques ou simplesmente num jardim em pausa de lazer. Tomando em conjunto todas as questões acima, projetar o banco que pode ser instalado em todo os espaços verdes e livremente acessível para todas as pessoas que pretendam a sua privacidade afigurou-se como uma boa solução. O presente projeto de banco está também ergonómicamente adequado à maneira típica dos Iranianos de se sentarem (em cima dos bancos com as pernas cruzadas) e pode ser uma excelente maneira para as pessoas desfrutarem de espaços verdes e da luz natural e, finalmente, com isso contribuir para uma sociedade cada vez mais feliz e saudável.Depois de estudar a urgencia da necessidade de bancos em espaços verdes nas cidades e zonas urbanas grandes, propõe-se assim um novo modelo de banco para as cidades do Irão, baseado na postura tradicional, permitindo aos iranianos sentarem-se de pernas cruzadas, recostados e mantendo a postura tradicional mais confortável para si mesmos (sentados em cima dos bancos de pernas cruzadas), de acordo com a sua tradição e conforto mas que esteja também de acordo com as actuais necessidades. Um banco que alie a desejada e natural posição de sentar em cima com as pernas cruzadas, posição natural e tipica para a sociedade Iraniana, um assento capaz de suportar várias pessoas que pretendam desfrutar de tempo juntas, para isso com as dimensões estudadas e aqui apresentadas, e que acompanhe as caracteristicas actuais e em espaço público, ao ar livre e sem custos para os seus utilizadores. A proposta que agora se apresenta permitirá que esta postura mais tradicional seja também possível em espaços públicos das cidades, podendo assim ser desfrutada livremente sem custos ou limite de tempo
URI: http://hdl.handle.net/10451/20647
Designação: Tese de mestrado, Design de Equipamento (Especialidade de Design Urbano e de Interiores), Universidade de Lisboa, Faculdade de Belas Artes, 2015
Aparece nas colecções:FBA - Dissertações de Mestrado

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
ULFBA_TES_850_CAPA.jpg141,84 kBJPEGThumbnail
Ver/Abrir
ULFBA_TES_850.pdf6,92 MBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.