Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10451/20773
Título: Complexity leadership theory and its relation to team effectiveness : explicit coordination as a key mechanism
Autor: Santos, Diogo Vilaça Barreiros dos
Orientador: Curral, Luís, 1963-
Palavras-chave: Liderança
Comportamentos de grupo
Desempenho organizacional
Teses de mestrado - 2015
Data de Defesa: 2015
Resumo: O atual contexto organizacional é pautado por grandes mudanças e turbulência, no qual organizações cada vez mais complexas aparecem todos os dias. Atendendo a este vasto e complexo mundo organizacional, os modelos tradicionais de liderança podem não ser os mais adequados, instigando a necessidade de novas perspetivas e teorias. Como resposta, novas perspetivas de liderança organizacional, baseadas na teoria sistémica e na teoria da complexidade, começaram a surgir. Uma dessas teorias, a Teoria da Liderança Complexa (CLT), integra os comportamentos de liderança no contexto de grandes estruturas, potenciando comportamentos de inovação e adaptação, que são frequentemente suprimidos em organizações burocráticas. Marion e Uhl-Bien (2009) identificaram as três principais funções da Liderança Complexa: liderança administrativa; liderança adaptativa; e liderança facilitadora (enabling). Neste estudo, o foco incidirá nos comportamentos da liderança enabling que promovem comunicação, adaptação, inovação e interdependência, e que, por sua vez, assume-se que irão catalisar comportamentos de coordenação dentro das equipas e provocar um melhor desempenho e viabilidade das mesmas. Desta forma, este estudo propõe-se a analisar a relação entre CLT, coordenação e a eficácia de equipas – conceito que abarca o desempenho objetivo das equipas e a viabilidade das mesmas. Mais especificamente, o objetivo é perceber se os comportamentos da liderança enabling poderão contribuir para o desempenho e viabilidade das equipas e de que forma é que esses comportamentos enabling, integrados na teoria da CLT, influenciam essa relação através da coordenação. A Teoria da Liderança Complexa (CLT) integra os fenómenos de liderança no contexto de sistemas complexos adaptativos (CAS). Os CAS são redes de agentes interdependentes que interagem entre si e que estão ligadas por um objetivo comum. A teoria da complexidade postula que os comportamentos e características emergem espontaneamente, como resultado da interação e da influência de inúmeras variáveis (Uhl-Bien & Marion, 2009). A CLT é composta por três principais funções: a liderança administrativa, que corresponde à função de liderança formal e tradicional; a liderança adaptativa, que remete para os processos emergentes e informais de liderança que ocorrem aquando a interação dos agentes na produção de soluções inovadoras, face às necessidades adaptativas da organização; e a liderança facilitadora, ou enabling, que funciona como interface entre a liderança administrativa e adaptativa, e possibilita as condições necessárias para a integração das duas lideranças explanadas anteriormente (Uhl-Bien & Marion, 2009). Deste modo, a CLT fomenta a comunicação, inovação e adaptação – através dos comportamentos da liderança enabling. Em consonância com estas evidências, diferentes estudos demonstraram que tanto a comunicação, como a inovação e a adaptação promovem o desempenho organizacional. Para além disso, a promoção dos comportamentos de comunicação – fruto dos comportamentos enabling da CLT – está relacionada com a viabilidade de equipa. Sabemos que o Desempenho Organizacional é frequentemente definido de duas formas: através de um foco comportamental, ou através dos resultados (Sonnentag & Frese, 2002). Analisando através do foco comportamental, Giri e Kumar (2009) definem desempenho como a capacidade de um indivíduo de efetuar o seu trabalho com eficácia. No que toca aos resultados, Richard, Devinney, Yip e Johnson (2008) definem o desempenho através de 3 áreas específicas de resultados: performance financeira, performance de mercado, e retorno para os acionistas. No entanto, é relevante definir a performance ao nível das equipas. Esta pode ser definida como um fenómeno emergente no qual os membros usam os recursos individuais e partilhados para gerar produtos e providenciar serviços (Salas et al., 2008). Hackman (1987), por sua vez, propõe que tanto a atual eficácia da equipa (performance atual) como a eficácia futura (viabilidade da equipa) devem ser analisadas – afirmando que ambas devem ser tomadas em conta para o estudo da eficácia das equipas. No que toca à coordenação, esta pode ser divida em duas sub-dimensões: coordenação explícita e implícita. Neste estudo, focámo-nos na coordenação explícita – baseada na comunicação e feedback dos membros no seio das equipas. Vários estudos demonstraram a relação entre a coordenação e a performance das equipas. No que toca à viabilidade, Sundstrom, De Meuse e Futrell (1990) definiram a coordenação como um componente chave da viabilidade de equipas. Sabendo que os comportamentos de liderança enabling, uma das principais funções da CLT, promovem interdependência ao mesmo tempo que definem regras para encorajar a coordenação, podemos afirmar uma relação entre os conceitos de liderança enabling e coordenação. Para além disso, a coordenação está correlacionada com a performance de equipas, e que por sua vez também está correlacionada com a viabilidade de equipa, o que nos permite propor a existência de uma relação entre CLT, Coordenação Explícita e as duas dimensões da eficácia de equipas : a Performance Objetiva e a Viabilidade. Deste modo, resultaram 7 hipóteses da presente revisão teórica: H1a: Os comportamentos de liderança enabling, como função base da CLT, terão uma relação positiva com a performance objetiva das equipas. H1b: Os comportamentos de liderança enabling, como função base da CLT, terão uma relação positiva com a viabilidade de equipas. H2a: A coordenação explícita terá uma relação positiva com a performance objetiva das equipas. H2b: A coordenação explícita terá uma relação positiva com a viabilidade de equipas. H3: Os comportamentos de liderança enabling, como função base da CLT, terão uma relação positiva com a coordenação explícita. H4a: A coordenação explícita vai mediar positivamente a relação entre os comportamentos de liderança enabling e a performance objetiva de equipas. H4b: A coordenação explícita vai mediar positivamente a relação entre os comportamentos de liderança enabling e a viabilidade de equipas. No que toca ao estudo experimental, foram recolhidos dados de uma amostra de 200 participantes, dos quais 73% eram estudantes. Estes participantes tanto formaram equipas próprias como foram colocados em equipas pelo experimentador. Contudo, ao analisar os Rwg(j), chegou-se à conclusão de retirar uma equipa – refazendo o número de 195 participantes, agrupados em 39 equipas. Assim, cada uma destas equipas participou num estudo experimental usando o jogo SimCity 4, um jogo de gestão e planeamento de cidades. Após um período de aprendizagem, um dos elementos da equipa (escolhido aleatoriamente) controlava o rato e teclado, sendo encorajada a participação dos demais nas tarefas e tomadas de decisões. O objetivo era o aumento o orçamento e maximização da população, durante a tarefa de gestão de uma das 4 possíveis cidades (sorteadas aleatoriamente). Em relação aos resultados do estudo, estes vieram confirmar as hipóteses 1b, 2a, 2b, 3 e 4b, havendo também um suporte parcial da hipótese 4a. Mais especificamente, foi evidenciada a mediação da coordenação explícita na relação entre os comportamentos de liderança enabling e viabilidade de equipas (H4b). Por outro lado, na relação entre os comportamentos de liderança enabling e a performance objetiva de equipas não foi identificado um efeito de mediação, mas sim um efeito indireto da coordenação explícita (H4a). Para além disso, foi evidenciada uma relação positiva da CLT, enquanto liderança enabling, com a coordenação explícita (H3). Analisando os resultados no que toca à coordenação explícita, estes foram de encontro aos estudos prévios, demonstrando o impacto positivo da coordenação explícita na viabilidade e performance de equipas (H2a e H2b). Contudo, apenas a relação positiva entre os comportamentos de liderança enabling e a viabilidade de equipas foi suportada (H1b), dado que não foi encontrado suporte empírico para a hipótese 1a – que se referia à relação entre os comportamentos de liderança enabling e a performance objetiva das equipas. Não obstante, é de salientar a evidência que a CLT, e os comportamentos de liderança enabling, predizem a performance das equipas e a viabilidade das mesmas – aquando a presença de comportamentos de coordenação explícita. Estas evidências são relevantes pelo facto de adicionarem resultados concretos ao estudo da CLT: performance e viabilidade. Até então, o estudo da CLT era, na sua grande maioria, teórico. Com este estudo pretendemos demonstrar que, abarcando os conhecimentos e comportamentos da CLT, e mais especificamente da liderança enabling, uma organização poderá potenciar comportamentos de coordenação entre equipas, que por sua vez terá efeitos muito concretos no que toca à performance e viabilidade das mesmas. No final, foram analisadas as implicações práticas dos resultados do presente estudo e foram apontadas novas direções para estudos futuros.
Previous studies have already verified the impact of different leadership theories on team effectiveness. The aim of this study is to explore the relationship between Complexity Leadership Theory (CLT), explicit coordination and team effectiveness – the latter being assessed in terms of team objective performance and team viability. According to previous studies, the enabling function of CLT enables the behaviors needed for better team performance and team viability. Furthermore, explicit coordination has a positive impact on team performance, as well as being related to team viability. Thus, we propose that coordination will mediate the relationship between the enabling leadership behaviors of CLT and both team objective performance and viability. In order to study these relationships, data was collected from a sample of 200 participants organized in teams, using SimCity 4, a city-building and urban planning simulation game. Our results show a positive relationship between the enabling leadership behaviors and explicit coordination, and confirm that explicit coordination positively predicts team performance. Also, our study found an indirect effect of explicit coordination on the relationship between the enabling leadership behaviors and team objective performance. Moreover, we also found that explicit coordination has a mediating effect on the relationship between the enabling leadership behaviors and team viability. At the end of the study, we discuss the implications of these findings and point out new directions for future research.
Descrição: Tese de mestrado, Psicologia (Secção de Psicologia dos Recursos Humanos, do Trabalho e das Organizações), Universidade de Lisboa, Faculdade de Psicologia, 2015
URI: http://hdl.handle.net/10451/20773
Designação: Mestrado em Psicologia
Aparece nas colecções:FP - Dissertações de Mestrado

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
ulfpie047476_tm.pdf261,84 kBAdobe PDFVer/Abrir    Acesso Restrito. Solicitar cópia ao autor!


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.