Universidade de Lisboa Repositório da Universidade de Lisboa

Repositório da Universidade de Lisboa >
Faculdade de Medicina (FM) >
FM - Dissertações de Mestrado >

Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10451/2218

Título: Factores associados à variação de peso em doentes com depressão
Autor: Raposo, Jerónima Isabel Carvalho Correia, 1975-
Orientador: Ravasco, Paula, 1975-
Palavras-chave: Depressão
Dietética
Necessidades nutricionais
Alterações do peso corporal
Ingestão de alimentos
Actividade motora
Psicotrópicos
Teses de mestrado - 2010
Issue Date: 2010
Resumo: Objectivos: A depressão pode levar à obesidade e a obesidade pode potenciar perturbações depressivas. No entanto, mudanças nos hábitos alimentares e no padrão nutricional em doentes com síndromes depressivos, têm sido pouco investigados. O nosso objectivo foi identificar possíveis associações entre factores nutricionais e a depressão. Métodos: Este estudo transversal incluiu 127 doentes adultos com perturbações depressivas (DSM-IV), sob tratamento psiquiátrico. Todos os parâmetros estudados foram ajustados para a idade e sexo: Índice Massa Corporal (IMC), perímetro abdominal, %gordura (BIA-TanitaBC-418®), ingestão nutricional (questionário estruturado e validado semi-quantitativo) e actividade física (questionário estruturado e validado semi-quantitativo), tendo sido comparados as recomendações internacionais. Resultados: a idade média dos doentes foi de 48±13 (18-81) anos; 119/127 eram mulheres (94%). Excesso de peso/obesidade encontrou-se em 72% dos doentes, 72% tinha excesso de massa gorda e 69% apresentava um perímetro abdominal acima dos valores máximos recomendados. A doença prolongada estava associada a níveis mais elevados de IMC e massa gorda, p<0,03. O ganho de peso durante a doença registou-se em 87% dos doentes, e apenas 12% perderam peso, não tendo sido verificada desnutrição. O ganho de peso e um excesso de massa gorda estavam correlacionados com um IMC mais elevado, p=0,002. O padrão de ingestão alimentar encontrado era pobre, monótono e inadequado em 59% dos doentes. Existia também em 78% dos doentes uma ingestão regular de alimentos hipercalóricos, e o padrão de ingestão alimentar estava associado ao ganho de peso, p=0.002. O consumo de psicofármacos estava associado com aumento de peso significativo, p=0,01; os fármacos mais prescritos foram os anti-depressivos (75%) e as benzodiazedinas (72%). Além disso, 80% dos doentes não praticava qualquer actividade física. Conclusões: Existia uma associação bidireccional entre depressão e excesso de peso/obesidade, com uma prevalência clinicamente preocupante de excesso de massa gorda, gordura abdominal, aumento de peso, ingestão nutricional inadequada e sedentarismo. Este padrão não saudável justifica a necessidade de uma abordagem multidisciplinar, que promova estilos de vida saudáveis que possam coadjuvar no tratamento da depressão.
Rationale: Depression may lead to obesity whereas obesity can contribute to depressive disturbances; yet changes in nutritional pattern and habits in depressive yndromes have been scantily investigated. We aimed to identify possible associations between nutritional factors and diagnosed depression. Methods: This cross sectional study comprised 127 consecutive ambulatory adult patients with depression (DSMIV), under psychiatric treatment. All studied items, adjusted for sex and age, included: BMI, waist circumference, %fat mass (BIA-TanitaBC-418®), nutritional intake by comparison with recommendations (validated semi-quantitative structured food questionnaire) and physical activity (validated structured questionnaire). Results: Patient’s mean age was 48±13 (18-81) yrs, 119/127 (94%) were women. Overweight/obesity was found in 72% of the cohort, 72% had excessive fat mass and 69% had a waist circumference above the maximum cut-off value. Longer disease was associated with higher BMI and fat mass, p<0.003. Weight gain during illness was registered in 87%, only 12% lost weight, though undernutrition did not occur. Weight gain and greater fat mass were correlated with higher BMI, p=0.002. The pattern of food intake was poor, monotonous and inadequate in 59% of patients, there was also a regular consumption of hypercaloric foods by 78%. Overall, the food intake pattern was associated with weight gain, p=0.002. Drug consumption was associated with significant weight gain, p=0.01; antidepressants (75%) and benzoiazepines (72%) were prevalent. Furthermore, 80% of patients did not practice any physical activity. Conclusions: There was a bidirectional association with overweight/obesity: a striking and clinically worrying prevalence of excess fat mass, abdominal fat, weight gain, poor nutritional intake and sedentarism. This unhealthy pattern points towards the need of a multidisciplinary approach to promote healthy life styles that may help depression management.
URI: http://hdl.handle.net/10451/2218
Appears in Collections:FM - Dissertações de Mestrado

Files in This Item:

File Description SizeFormat
596898_Tese.pdfDissertação1 MBAdobe PDFView/Open
596898_Anexos.pdfAnexos104,66 kBAdobe PDFView/Open

Please give feedback about this item
Statistics
FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpaceOrkut
Formato BibTex mendeley Endnote Logotipo do DeGóis 

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.

 

  © Universidade de Lisboa / SIBUL
Alameda da Universidade | Cidade Universitária | 1649-004 Lisboa | Portugal
Tel. +351 217967624 | Fax +351 217933624 | repositorio@reitoria.ul.pt - Feedback - Statistics
DeGóis
Promotores do RCAAP   Financiadores do RCAAP

Fundação para a Ciência e a Tecnologia Universidade do Minho   Governo Português Ministério da Educação e Ciência PO Sociedade do Conhecimento (POSC) Portal oficial da União Europeia