Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10451/22267
Título: "Perceção das mães adolescentes sobre a diferença entre o bebé imaginário e o bebé real e o seu envolvimento afetivo."
Autor: Miranda, Sandra Isabel Santos
Orientador: Justo, João Manuel Rosado de Miranda, 1958-
Palavras-chave: Envolvimento dos pais
Mães adolescentes
Mãe-criança - relações
Teses de mestrado - 2014
Data de Defesa: 2014
Resumo: Objetivo: O principal objetivo desta investigação prende-se com a compreensão da perceção das mães adolescentes em relação ao bebé e se tal irá influenciar a ligação e a relação da mãe com o seu bebé. Mais especificamente, pretende-se estudar a perceção de mães adolescentes em relação ao bebé imaginado ao longo da gravidez e ao bebé real, e como a discrepância entre essas duas perceções irá ou não influenciar a relação e o envolvimento emocional da mãe adolescente com o seu filho. Amostra: Mães adolescentes (N = 33) de bebés entre o primeiro e o oitavo dia de vida, recrutadas no Serviço de Obstetrícia da Maternidade Doutor Alfredo da Costa. Instrumentos: Após a leitura da folha de informação à participante e a obtenção do consentimento informado, cada participante tinha de preencher, em conjunto com a investigadora, um Questionário Sociodemográfico e Clínico. De seguida, eram-lhe entregues dois questionários: Questionário da Diferença Bebé Imaginário e Bebé Real e Escala de Ligação Mãe-Bebé, sendo, assim, preenchidos por esta ordem. Hipóteses: Foram testadas três hipóteses específicas em que a variável dependente foi o envolvimento emocional da mãe adolescente relativamente ao seu bebé e a variável dependente foi a perceção materna da diferença entre bebé imaginado e bebé real. Resultados: Através de análises de regressão, a hipótese específica H1 foi parcialmente confirmada. As hipóteses específicas H2 e H3 não foram confirmadas: Contudo, observou-se que algumas variáveis sociodemográficas desempenham um papel importante ao nível de esta temática. Conclusões: A subescala Bonding Positivo parece ser explicada pela subescala perceção da mãe acerca da diferença entre o bebé imaginário e o bebé real ao nível do contexto da atividade do bebé. Os aspetos relacionados com estatuto ocupacional da mãe da participante parecem contribuir para a explicação da subescala Bonding Positivo. Os aspetos relacionados com a escolaridade das mães das participantes e com o estatuto conjugal das participantes parecem contribuir para a explicação do Bonding Negativo, enquanto os aspetos relacionados com o número de semanas com que o bebé nasceu parecem contribuir para a explicação da subescala Bonding Not clear.
Objective: The main objective of this research is the adolescent mother`s perception towards the baby and its influence on the mother`s Bonding to her baby. Particular, we intend to study adolescent mother`s perception towards their imaginary baby during pregnancy an her real baby. We also want to understand how the difference between these two perceptions may or may who influence mothers Bonding with their child. Sample: Adolescent mothers (N = 33) of babies between first and eighth day after birth, recruited at Maternity Hospital Doutor Alfredo da Costa. Instruments: After reading the Paper of Information so the Participant and Informed Consent obtained, each participant filled, along with the researcher, the Sociodemographic and Clinical Questionnaire. Then two questionnaires were given to participant: mother`s different perception between imaginary baby and real baby and Bonding Mother-Baby scale, filled by this order. Hypotheses: Three specific hypotheses were tested in which the dependent variable was the adolescent mother Bonding towards the baby, and the independent variable was adolescent mother’s perception towards their imaginary baby and real baby. Results: Thought regression analysis, we conclude that specific hypotheses H1 was partially confirmed. Hypothesis H2 and H3 were not confirmed however, we conclude that some sociodemographic variables played a major role in terms of this issue. Conclusion: The Positive Bonding subscale seems to be explained by the mother's perception about difference between imaginary baby and real baby in the context of baby's activity levels. Aspects related with the occupation of the participant's mother seems to contribute to the explanation of the Positive Bonding subscale. Aspects related with participant's mothers education level and the marital status of the participant seems to contribute to the explanation of the Negative Bonding subscale, as aspects related with the number gestation weeks that the baby was born seem to contribute to explain Bonding Not Clear subscale.
Descrição: Tese de mestrado, Psicologia (Secção de Psicologia Clínica e da Saúde, Núcleo de Psicologia Clínica Dinâmica), Universidade de Lisboa, Faculdade de Psicologia, 2014
URI: http://hdl.handle.net/10451/22267
Designação: Mestrado em Psicologia
Aparece nas colecções:FP - Dissertações de Mestrado

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
ulfpie047277_tm_tese.pdf527 kBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.