Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10451/22423
Título: Modeling CNS receptor binding profiles of small molecules
Autor: Ferreira, Vânia Alexandra Conceição
Orientador: Falcão, André Osório e Cruz de Azerêdo, 1969-
Palavras-chave: Polifarmacologia
Aprendizagem automática
Classificador de Naive Bayes
Recetores acoplados à proteína G
NAMS
Teses de mestrado - 2015
Data de Defesa: 2015
Resumo: A identificação de novos compostos ativos, passíveis de serem aplicados no tratamento de doenças, é a principal preocupação da indústria farmacêutica, que se foca em encontrar compostos de atuação altamente específica, evitando assim a existência de efeitos secundários. Contudo, este processo nem sempre é fácil, pois tem sido comprovado que muitas moléculas têm como alvo mais do que um recetor. Estas são moléculas promiscuas que ao se ligarem a diferentes recetores podem levar ao surgimento de efeitos inesperados. Este problema recebe o nome de polifarmacologia e muitos estudos têm sido desenvolvidos no seu âmbito. Na primeira parte deste trabalho, tentou-se estabelecer uma relação entre os perfis de ligação de moléculas a diferentes recetores e a sua relação com a semelhança entre as sequências proteicas dos mesmos. Verificou-se que não existe um padrão constante e que, na maioria dos casos, as moléculas apresentam perfis de ligação diferentes, mesmo para recetores muito semelhantes. Este resultado mostrou que a polifarmacologia é, de facto, um problema complexo e que é necessário investir em diferentes tipos de informação para prever perfis de ligação e evitar o surgimento de efeitos secundários indesejados. Para prever todos os efeitos resultantes da atuação de uma molécula, é necessário ter um conhecimento prévio acerca das interações entre esta e os recetores, conhecer os tipos de ligações e também as suas forças. Uma forma de obter este conhecimento passa por experiências laboratoriais, no entanto, estes são processos muito dispendiosos e que consomem muito tempo. Uma forma mais acessível de abordar esta questão foi criando modelos computacionais capazes de prever possíveis interações entre moléculas e recetores com o objetivo de identificar moléculas alvo para a realização dos ensaios experimentais, aumentando assim a probabilidade de sucesso. Muitos destes modelos computacionais são baseados em métodos de aprendizagem automática, abordagens muito comuns em informática. Estes métodos baseiam-se num processo de aprendizagem de entidades, tendo como fundamento as suas caraterísticas já conhecidas, para criar um modelo capaz de classificar novas entidades. O sucesso destas técnicas tem sido comprovado em vários contextos da bioinformática e são uma aposta promissora na predição de interações entre moléculas e recetores. Com este trabalho, pretendeu-se utilizar uma abordagem de aprendizagem automática para desenvolver um modelo de predição de interações entre moléculas e recetores, tendo por base as semelhanças estruturais entre as moléculas e os seus respetivos níveis de atividade, já conhecidos, para recetores de serotonina e dopamina. O interesse nestas duas famílias de recetores recai no facto de fazerem parte da superfamília de recetores acoplados à proteína G, uma das mais importantes presentes no Sistema Nervoso Central. Para além disso, é conhecido o envolvimento de recetores de serotonina e dopamina em doenças neurológicas, como a doença de Parkinson e o Distúrbio de Défice de Atenção e Hiperatividade. Assim, surge a necessidade de identificar, para estes recetores, moléculas candidatas a serem utilizadas como ponto de partida para o desenvolvimento de novos fármacos, a serem aplicados no tratamento de algumas destas doenças neurológicas. Como técnica de aprendizagem automática, optou-se pela utilização de um classificador de Naive Bayes, um método de aprendizagem supervisionada baseado no Teorema de Bayes e que tem como pressuposto a independência entre as características que classificam uma entidade. Para obter a semelhança estrutural entre as moléculas foi utilizado o NAMS (Non-contiguous Atom Matching Structural Similarity), um método que identifica o alinhamento ótimo entre os átomos de duas moléculas tendo em conta, não só os seus perfis topológicos, mas também os próprios átomos e as características das ligações entre os mesmos. Para a concretização deste trabalho foi obtida informação acerca de moléculas com ligações, já identificadas, a recetores de serotonina e dopamina, tendo estes dados sido recolhidos com base em informação presente no ChEMBL. Adicionalmente, foram também recolhidos os valores de bioatividade de cada molécula para cada recetor, sobre a forma de Kis, as constantes de inibição que quantificam as forças de interação entre as moléculas e os recetores em estudo. No decorrer deste trabalho, foram construídos três modelos de predição de interações molécula-recetor. Estes incluíram informação relativa a semelhanças estruturais entre moléculas e os seus níveis de bioatividade, perfis de ligação de moléculas para com diferentes recetores e uma combinação de toda a informação anterior. O primeiro modelo de predição foi construído tendo em conta apenas a informação relativa a semelhanças estruturais entre as moléculas e os seus níveis de atividade. Para isso, foram identificadas, para cada recetor, moléculas kernel, isto é, moléculas muito ativas e estruturalmente distintas das restantes, com as quais as moléculas em teste são comparadas. Tendo por base as suas semelhanças estruturais a cada molécula kernel, as probabilidades de ligação a cada recetor são então calculadas. Apesar deste modelo ter demonstrado resultados promissores durante o processo de validação, uma elevada taxa de falsos negativos mostrou que se trata de um modelo conservador e que deve ser aplicado quando se pretendem resultados mais precisos. O segundo modelo foi construído de modo a verificar se a informação relativa ao comportamento de ligação de uma molécula para com outros recetores pode ser relevante na predição da sua interação com novos recetores. Para isso, foram tidas em conta apenas as moléculas comuns entre recetores e os seus níveis de bioatividade. Com esta informação, foram construídas duas bases de dados contendo as probabilidades usadas aquando do cálculo das probabilidades de interação entre as moléculas em teste e os recetores. Durante o processo de validação, este modelo evidenciou melhores resultados do que o primeiro modelo. Contudo, estes foram considerados como devidos a uma sobrerrepresentação de moléculas ativas nos dados recolhidos. No entanto, não querendo descartar a informação proveniente de outros recetores, os dois modelos foram integrados para construir o terceiro modelo. O terceiro modelo, integrando informação relativa a semelhanças estruturais entre moléculas, os seus níveis de bioatividade e informação relativa a outros recetores, foi o que demostrou melhores resultados, atingindo o maior nível de acuidade. Para além disso, foi também o modelo que mostrou um maior equilíbrio entre as proporções de falsos positivos e falsos negativos. Consequentemente, este modelo mostrou ser a melhor opção na identificação de potenciais interações entre um conjunto de moléculas e recetores de serotonina e dopamina. Numa tentativa de aumentar o desempenho dos modelos propostos, tentou-se identificar, para cada recetor, um valor de probabilidade mais preciso a partir do qual uma molécula deveria ser classificada como ativa. No entanto, apesar de aumentar a especificidade e precisão dos modelos propostos, este ajustamento não conduziu a um melhor desempenho. Em conjunto, os resultados obtidos mostraram que o classificador de Naive Bayes é um método passível de ser utilizado na construção de modelos de predição de interações entre moléculas e recetores. Também a ferramenta NAMS demostrou um bom desempenho durante a comparação estrutural de moléculas, o que se tornou evidente pelos resultados obtidos durante o processo de validação dos modelos. Adicionalmente, verificou-se que a utilização da semelhança estrutural entre moléculas em conjunto com os seus níveis de bioatividade é uma abordagem promissora na identificação de moléculas candidatas a validação experimental. A nível global, verificámos que a integração de informação de diferentes tipos continua a ser a melhor alternativa na previsão de perfis de ligação entre moléculas e recetores. Para além disso, comprovámos, mais uma vez, que os métodos de aprendizagem automática são uma forma eficiente e pouco dispendiosa de selecionar novos compostos candidatos para validação in vitro.
Pharmaceutical industry has been focused on finding highly selective single target drugs. However, different studies have been showing that this is not always possible since many molecules can bind to more than one receptor. These molecules are described as promiscuous compounds and their polypharmacological behavior has been case of many studies. In the first part of our work, we have investigated the relationship between molecules binding profiles and the sequence similarity of their target receptors. We have found different patterns but no evident relationship was identified since many molecules present different binding patterns for different receptors, even when they are very closed. These results show the level of complexity inherent to pharmacology and the importance of finding new methods to predict molecules binding profiles. When binding to different receptors, a drug can led to unpredictable side-effects which is a limitation in case of disease treatment. To avoid side-effects it is import to get knowledge on molecules’ binding profiles. With this purpose, different approaches have been developed to predict interactions between molecules and receptors. Many of these approaches rely on the use of machine learning techniques to predict drug-target interactions. These techniques have been widely used in informatics and have already shown their contribute to bioinformatics. In this work, we have used a machine learning method to predict interactions between molecules and serotonin and dopamine receptors, two of the most important families of receptors present in the Central Nervous System. To construct our model, we have used the Naïve Bayes classifier, which is a supervised learning method based on applying Bayes’ Theorem with the assumption of conditional independence between features. We have developed three different models that include co-activity data between receptors, molecular similarity and a combination of these two. Despite the three models have presented promising results, the model integrating all the data has shown to be the one with the best performance. Our results have demonstrated that Naïve Bayes is an efficient method to drug target interactions prediction. Moreover, it was demonstrated that structural similarity between compounds together with their bioactivity levels is a promising approach to identify candidate molecules for further in vitro validation.
Descrição: Tese de mestrado, Bioinformática e Biologia Computacional (Biologia Computacional), Universidade de Lisboa, Faculdade de Ciências 2015
URI: http://hdl.handle.net/10451/22423
Designação: Tese de mestrado em Bioinformática e Biologia Computacional (Biologia Computacional)
Aparece nas colecções:FC-DI - Master Thesis (dissertation)

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
ulfc116072_tm_Vânia_Ferreira.pdf4,3 MBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.