Universidade de Lisboa Repositório da Universidade de Lisboa

Repositório da Universidade de Lisboa >
Faculdade de Letras (FL) >
FL - Dissertações de Mestrado >

Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10451/2264

Título: A marinha mercante entre 1945-1985: as grandes armadoras
Autor: Brázia, Paulo Jorge Martins da,1973-
Orientador: Ventura, António,1953-
Palavras-chave: Marinha mercante - Portugal - séc.20
Companhias de navegação - Portugal - séc.20
Comércio internacional - séc.20
Teses de mestrado - 2010
Issue Date: 2010
Resumo: Apresentamos a evolução da Marinha Mercante entre 1945 e 1985. As balizas temporais têm uma explicação lógica. Em 1945 foi delineado um plano de renovação da marinha mercante, o emblemático Despacho n.º 100, com o seu ambicioso projecto de alcançar os 60% de cobertura das transacções nacionais, jamais alcançados. Por sua vez, 1985 marca a extinção de quatro das principais armadoras nacionais. São 40 anos durante os quais a marinha mercante portuguesa passa do Zero Marítimo, atinge o seu clímax (em 1950 tornou-se na 17ª maior frota do mundo com 0,64% da capacidade de carga mundial), para por fim definhar e retornar a um novo Zero Marítimo na viragem do século. Neste estudo recorreu-se a publicações da época e em particular às publicações da Junta Nacional da Marinha Mercante. Com base nessa recolha e no estudo do impacto económico, procuramos abrir uma janela para um passado recente, reforçada na Legislação que susteve o esforço de modernização da frota, mas igualmente nas medidas de melhoria dos portos, construção naval, ensino, protecção social e saúde dos passageiros e tripulantes. Não foram aprofundadas as inovações tecnológicas, mas não descoramos as inovações relacionadas com a capacidade de carga, é o caso da sala das máquinas que se desloca do centro do navio “meia-nau” para a popa, com um particular interesse na introdução dos empilhadores e dos Contentores. Apesar da ainda difícil recolha de dados, não descoramos o apoio da Marinha Mercante no decurso da Guerra Colonial e da Descolonização. Em termos económicos, os resultados contradizem as ideias preconcebidas e associadas a esta época. Não houve um monopólio no período colonial e os produtos que actualmente associamos aos produtos tradicionais de exportação nunca foram produtos de grande impacto nas transacções.
Descrição: Tese de mestrado, História Marítima, Universidade de Lisboa, Faculdade de Letras, 2010
URI: http://hdl.handle.net/10451/2264
Appears in Collections:FL - Dissertações de Mestrado

Files in This Item:

File Description SizeFormat
ulfl079934_tm.pdf44,24 MBAdobe PDFView/Open

Please give feedback about this item
Statistics
FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpaceOrkut
Formato BibTex mendeley Endnote Logotipo do DeGóis 

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.

 

  © Universidade de Lisboa / SIBUL
Alameda da Universidade | Cidade Universitária | 1649-004 Lisboa | Portugal
Tel. +351 217967624 | Fax +351 217933624 | repositorio@reitoria.ul.pt - Feedback - Statistics
DeGóis
Promotores do RCAAP   Financiadores do RCAAP

Fundação para a Ciência e a Tecnologia Universidade do Minho   Governo Português Ministério da Educação e Ciência PO Sociedade do Conhecimento (POSC) Portal oficial da União Europeia