Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10451/22813
Título: A construção da sexologia como profissão em Portugal: composição de um grupo profissional e tipos de sexólogos
Outros títulos: The construction of sexology as a profession in Portugal: composition professional group and types of sexologists
Autor: Alarcão, Violeta
Machado, Fernando Luís
Giami, Alain
Palavras-chave: Sexologia
Sexólogo
Profissões
Portugal
Data: 2016
Editora: ABRASCO - Associação Brasileira de Saúde Coletiva
Citação: Ciência & Saúde Coletiva, 21(2):629-640, 2016
Resumo: This study sets out to discuss the emergence of the profession of sexologist in Portugal, comparing its development with international trends. This research also seeks to understand the self-identification of sexologists and the significances they attribute to it. The empirical information presented derives from a survey conducted with 91 Portuguese sexologists identified through the leading professional associations and from 44 in-depth interviews with experts selected by intentional sampling to ensure the diversity of Portuguese sexologists. The results of the survey indicate that the Portuguese sexologist is on average 43 years old, mainly female, non-physician, and has training in sexology. Considering the qualifications of the interviewees, their professional trajectories and the activities they develop in the field, and the discourses related to their ideals of the profession, a typology was found with five types: sexologists by vocation, sexologist by clinical practice, sexologists by certification, social scientist-sexologists and sexologists by media coverage. The survey identified an interesting diversity of practices and professional conceptions in the field of sexology in Portugal. Being a sexologist appears to be more associated with the ideals of the profession than the time devoted to same.
Este estudo visa discutir a emergência da profissão de sexólogo em Portugal, comparando a sua evolução com as tendências internacionais. Procura igualmente compreender as autoidentificações profissionais dos sexólogos e os sentidos que eles lhes atribuem. A informação empírica apresentada resulta de um inquérito por questionário a 91 sexólogos identificados através das principais associações profissionais e de 44 entrevistas aprofundadas junto de peritos selecionados através de uma amostragem intencional para assegurar a diversidade dos sexólogos portugueses. Os resultados do inquérito indicam que em média o sexólogo português tem 43 anos, é maioritariamente do sexo feminino, não médico, e tem formação em sexologia. Considerando as habilitações, os percursos profissionais e as atividades desenvolvidas no campo, e os discursos dos entrevistados relativos aos seus ideais de profissão, obtivemos uma tipologia com cinco categorias: sexólogos por vocação, sexólogos pela prática clínica, sexólogos por certificação, sexólogos-cientistas sociais e sexólogos por mediatização. A pesquisa identificou uma interessante diversidade de práticas e conceções profissionais no campo da sexologia portuguesa. Ser sexólogo parece estar mais ligado aos ideais sobre a profissão do que ao tempo dedicado à mesma.
Descrição: © Creative Commons 4.0
Peer review: yes
URI: http://hdl.handle.net/10451/22813
DOI: 10.1590/1413-81232015212.11112015
ISSN: 1413-8123
Versão do Editor: http://www.cienciaesaudecoletiva.com.br/index_interno.php
Aparece nas colecções:FM-IMPSP-Artigos em Revistas Internacionais

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
construcao_sexologia.pdf100,84 kBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.