Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10451/23325
Título: Controlo da hipertensão arterial nos cuidados de saúde primários : uma comparação entre nativos portugueses e imigrantes dos países africanos de língua oficial portuguesa
Outros títulos: Hypertension control at the primary health care : a comparison among portuguese natives and portuguese speaking african coutries immigrants
Autor: Lopes, Elisa
Alarcão, Violeta
Simões, Rui
Fernandes, Milene
Gómez, Verónica
Souto, Diana
Nogueira, Paulo
Nicola, Paulo J.
Rocha, Evangelista
Palavras-chave: Ethnic Groups
Hypertension / prevention & control
Portugal
Primary Health Care
Socioeconomic Factors
Data: 2016
Editora: Ordem dos Médicos
Citação: Acta Med Port 2016 Mar;29(3):193-204
Resumo: Introduction: In Portugal, the frequency of patient with treated and controlled hypertension is low. It is unknown the relation of socioeconomic determinants with hypertension control, particularly in African immigrants. Aims: To compare frequency of control in treated hypertension and to identify characteristics associated with uncontrolled and treated hypertension between Portuguese natives (Caucasian) and Portuguese Speaking African Coutries immigrants (black). Material and Methods: Cross-sectional study of patients with treated hypertension, 40-80 years old, randomized from Primary Health Care of Lisbon Region. We collected sociodemographic, clinical and health care data through structured interviews. We compared the frequency of patients with uncontrolled hypertension, and identified related factors through univariate and multivariate analysis. Results: In this study participated 786 patients with treated hypertension (participation rate: 71%): 449 natives and 337 immigrants. Of these, 46% had controlled hypertension. Diastolic blood pressure was higher in younger immigrants. Were associated with no control, in natives, male sex, low education, going to emergency and / or nursing services and not looking for the family doctor; on immigrants, being single, using the pharmacist, the number of years of illness and intentional non-adherence. Discussion: Treated hypertension control has been increasing for last years. Natives and immigrants differ, regarding blood pressure control, relatively to the frequency of family doctor consultation, and resorting to other services and health professionals. These differences didn´t reflect in statistically different control rates. Conclusions: It is needed to define strategies to control hypertension in primary health care specific for ethnic groups.
Introdução: Em Portugal, a percentagem de hipertensos tratados e controlados é relativamente baixa. Desconhece-se a relação dos determinantes socioeconómicos com o controlo tensional, particularmente nos imigrantes africanos. Objetivo: Comparar a frequência de controlo nos hipertensos tratados e identificar características associadas à hipertensão tratada não controlada, entre nativos portugueses (caucasianos) e imigrantes dos PALOP (negros). Material e Métodos: Estudo transversal de hipertensos tratados, com 40-80 anos, aleatorizados dos Cuidados de Saúde Primários da região de Lisboa. Recolheram-se dados sociodemográficos, clínicos e cuidados de saúde por entrevistas estruturadas. Comparou-se a frequência de hipertensos não controlados nos dois grupos, identificando-se fatores relacionados por análise univariada e multivariada. Resultados: Participaram 786 hipertensos tratados (taxa de participação: 71%): 449 nativos e 337 imigrantes. Destes, 46% tinham a hipertensão controlada. A pressão arterial diastólica foi mais elevada nos imigrantes mais novos. Nos nativos, o não controlo associou-se a: sexo masculino, menor grau de escolaridade, ida aos serviços de urgência e/ou enfermagem e não ida ao médico de família; nos imigrantes, ser solteiro, recorrer ao farmacêutico, número de anos de doença e não adesão intencional à terapêutica. Discussão: O controlo da hipertensão tratada tem vindo a aumentar nos últimos anos. Nativos e imigrantes diferenciam-se no controlo tensional relativamente à frequência do recurso a consulta do médico de família, e de outros serviços e profissionais de saúde. Estas diferenças não se refletiram em taxas de controlo estatisticamente significativas. Conclusões: Será necessário definir estratégias para o controlo da hipertensão nos cuidados de saúde primários diferenciadas para os grupos étnicos.
Peer review: yes
URI: http://hdl.handle.net/10451/23325
DOI: 10.20344/amp.6714
ISSN: 1646-0758
Versão do Editor: http://actamedicaportuguesa.com/revista/index.php/amp/article/view/6714/4618
Aparece nas colecções:FM-IMPSP-Artigos em Revistas Nacionais

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
Controlo_hipertensao.pdf838,81 kBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.