Universidade de Lisboa Repositório da Universidade de Lisboa

Repositório da Universidade de Lisboa >
Faculdade de Medicina (FM) >
FM - Dissertações de Mestrado >

Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10451/2376

Título: Staphylococcus aureus adquirido na comunidade, em idade pediátrica : resistência aos antimicrobianos, importância da leucocidina de Panto n-Valentine, caracterização molecular e correlação com a clínica
Autor: Gouveia, Catarina Machado França
Orientador: Ramirez, Mário
Palavras-chave: Staphylococcus aureus
Pediatria
Meticilina
Staphylococcus aureus resistente à meticilina
Resistência a medicamentos
Teses de mestrado - 2010
Issue Date: 2010
Resumo: Nos últimos anos, tem-se assistido à emergência de estirpes de Staphylococcus aureus (SA) meticilino-resistentes adquiridas na comunidade (SAMR-AC), associadas ou não, à produção da leucocidina de Panton Valentine (LPV). A caracterização clínica e molecular das infecções por SA adquiridas na comunidade (SA-AC) não é conhecida em Portugal. Material e métodos: Estudo retrospectivo e caso-controlo (doença invasiva vs. não invasiva) de crianças internadas no Hospital Dona Estefânia com o diagnóstico de infecção por SA-AC, de Janeiro de 2005 a Junho de 2008. Foi a feita avaliação dos dados clínicos, determinação da susceptibilidade aos antimicrobianos, detecção do gene mecA e LPV e caracterização por electroforese em campo pulsado (PFGE). Para as estirpes SAMR-AC foi realizado spa typing. Resultados: Foram analisadas 70 estirpes, 35 isoladas de infecções invasivas (bacteriémia, infecção musculo-esquelética [IME] e pneumonias) e 35 isoladas de infecções da pele. Três estirpes (4,3%) eram resistentes à meticilina (todas mecApositivas), 9 (12,9%) à eritromicina e 5 (7,1%) à clindamicina. Dezasseis (22,9%) eram portadoras de LPV. Não se verificaram diferenças nas características demográficas, susceptibilidade aos antimicrobianos e perfil clonal por PFGE entre a população invasiva e não invasiva. As estirpes de SAMR pertenciam a perfis clonais diferentes por PFGE e spa type (t008, t022 e t062), nenhuma era LPV positiva e estavam associadas a piomiosite. As estirpes LPV positivas foram mais frequentes nas infecções da pele e apresentavam: menos frequentemente bacteriémia quando isoladas de infecções invasivas e um menor número médio de antibióticos nas IME. Conclusões: . A resistência à meticilina foi baixa, sobreponível à de outros países da Europa. Não se encontrou relação entre a presença de LPV e a gravidade do quadro clínico, ao contrário do relatado na literatura Entre as estirpes de SAMR-AC encontrouse um clone spa t008, identificado em vários países da Europa e EUA em infecções da comunidade.
In the last years, methicillin resistant Staphylococcus aureus (SA) acquired in the community (SAMR-AC) has emerged, related or not with the carriage of Panton Valentine leukocidin (LPV). Limited data exists concerning clinical and molecular characteristics of community acquired SA infections in Portugal. Material and methods: We performed a retrospective, case-control (invasive vs. non invasive disease) study of children admitted to Hospital Dona Estefânia, from January, 2005 through June 2008, with the diagnosis of SA-AC infection. Data on demographics, clinical aspects and antibiotics susceptibility were collected. Detection of mecA and LPV, pulse field electrophoresis (PFGE), and spa typing (only for SAMR) were done. Results: Seventy isolates were characterised; all 35 from invasive disease (bacteraemia, bone, joint and muscle infections and pneumonia) and 35 from non invasive disease. Three (4,3%) strains were methicillin resistant, 9 (12,9%) erythromycin resistant and 5 (7,1%) clindamycin resistant. Sixteen (22,9%) harboured LPV genes. No statistically significant differences were noted between the demographic characteristics, antibiotic susceptibilities and PFGE pattern between invasive and noninvasive populations. SAMR strains had different clonal patterns by PFGE and spa type (t008, t022 e t062), none were LPV positive and were more frequently associated to pyomyositis. Sixteen (22,9%) harboured LPV genes, mostly from non-invasive infections and with a history of trauma. Patients infected with LPV positive strains had mostly non-invasive infections and had: lesser bacteraemia in invasive infections; and were treated with fewer antibiotics in the bone and joint infections. Conclusions: Methicillin resistance was low, as reported in other European countries, the LPV-carrying clones have been associated with more severe infections, specifically in the context of pneumonia or bone and joint infections. However, our data does not suggest that association. One patient was infected with the strain spa t008, as reported in other European countries in community infections.
Descrição: Tese de mestrado, Microbiologia Clínica, Faculdade de Medicina, Universidade de Lisboa, 2010
URI: http://hdl.handle.net/10451/2376
Appears in Collections:FM - Dissertações de Mestrado

Files in This Item:

File Description SizeFormat
ulsd058557_tm_Catarina_Gouveia.pdf1,22 MBAdobe PDFView/Open
Statistics
FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpaceOrkut
Formato BibTex mendeley Endnote Logotipo do DeGóis 

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.

 

  © Universidade de Lisboa / SIBUL
Alameda da Universidade | Cidade Universitária | 1649-004 Lisboa | Portugal
Tel. +351 217967624 | Fax +351 217933624 | repositorio@reitoria.ul.pt - Feedback - Statistics
DeGóis
Promotores do RCAAP   Financiadores do RCAAP

Fundação para a Ciência e a Tecnologia Universidade do Minho   Governo Português Ministério da Educação e Ciência PO Sociedade do Conhecimento (POSC) Portal oficial da União Europeia