Universidade de Lisboa Repositório da Universidade de Lisboa

Repositório da Universidade de Lisboa >
Faculdade de Psicologia (FP) >
FP - Teses de Doutoramento >

Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10451/2379

Título: Factores de mudança nas representações da vinculação em crianças de famílias de alto-risco
Autor: Benavente, Renata, 1973-
Orientador: Justo, João Manuel Rosado de Miranda, 1958-
Moreira, João Manuel, 1964-
Palavras-chave: Vinculação
Crianças em risco
Teses de doutoramento - 2011
Issue Date: 2010
Resumo: Esta investigação tem como objectivo principal identificar os factores de mudança das representações da vinculação durante a infância em crianças de famílias de alto-risco. Constituíram-se 2 grupos em função do estatuto de vitimização por mau trato, negligência ou abuso sexual: 127 crianças sinalizadas aos serviços de protecção (Comissões de Protecção de Crianças e Jovens) e 121 crianças sobre as quais não haviam suspeitas de vitimização, integradas em equipamentos educativos (ensino pré-escolar ou actividades de tempos livres). O delineamento da investigação foi longitudinal e prospectivo e as avaliações das representações da vinculação foram realizadas com um intervalo de 3 anos: a primeira na idade pré-escolar e a segunda na idade escolar (54 crianças do grupo de risco e 57 crianças do grupo sem suspeitas de vitimização). Determinou-se o impacto do apoio social percebido pela criança, do estilo de vinculação do cuidador principal, das percepções de apoio pelo adulto - relativamente à mãe e ao(à) companheiro(a), da depressão, dos acontecimentos de vida negativos e das experiências de cuidado e abuso, na infância e adolescência do cuidador principal, sobre a descontinuidade das representações da vinculação da criança. Os resultados permitem concluir que: 1) as representações segura e desorganizada são mais estáveis que as representações desactivada/evitante e hiperactivada/ambivalente; 2) a estabilidade da desorganização ocorre principalmente no grupo de risco e, 3) a descontinuidade das representações verifica-se sobretudo no sentido da segurança. Relativamente ao cuidador identificou-se a associação dos seguintes factores às descontinuidades das representações da criança no sentido da insegurança: 1) o estilo de vinculação inseguro; 2) a depressão, 3) o conflito percebido no contexto da relação conjugal, 4) as baixas percepções de apoio prestado pela mãe e pelo companheiro, 5) a reduzida percepção de profundidade na relação conjugal e, 6) a menor referência a acontecimentos de vida negativos. Não se observou influência das experiências de abuso ocorrido na infância do cuidador sobre aquelas representações.
This study explores determinants of change in attachment representations among children in high-risk families. Two groups of children were recruited for this research: 127 children reported to Child Protective Services (Children and Youth Protective Commissions) because of maltreatment, neglect or sexual abuse, and 121 children not referred do Child Protective Services attending kindergarten or after school activities in non-profit centers. The research had a prospective longitudinal design. The first assessment occurred during preschool years and the second in middle childhood, 3 years later (57 and 54 children remained from each group, respectively). The influences of children’s perceptions about social support, caregiver’s attachment style, caregiver’s perceptions of support from mother and partner, depression, negative life events, and experiences of abuse during the caregiver’s childhood and adolescence upon attachment child representations discontinuity were tested. Results provided evidence that: 1) secure and disorganized attachment representations are more stable than insecure organized representations (avoidant or ambivalent); 2) in the risk group stability of disorganized representations is bigger than other attachment representations and; 3) transition to security is the most frequent change in attachment representations. Attachment representations discontinuity (secure to insecure) is related to the following caregiver factors: 1) insecure attachment style, 2) depression, 3) conflict with partner, 4) low perceptions of support from mother and partner, 5) reduced perception of depth in the relation with partner and, 6) reduced report of negative life events. No evidence for an association between caregiver’s childhood experiences of abuse and neglect and children’s attachment representations discontinuity was found.
Descrição: Tese de doutoramento, Psicologia (Psicologia Clínica), Universidade de Lisboa, Faculdade de Psicologia, 2011
URI: http://hdl.handle.net/10451/2379
Appears in Collections:FP - Teses de Doutoramento

Files in This Item:

File Description SizeFormat
ulsd059494_td_Renata_Benavente.pdf4,89 MBAdobe PDFView/Open
Statistics
FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpaceOrkut
Formato BibTex mendeley Endnote Logotipo do DeGóis 

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.

 

  © Universidade de Lisboa / SIBUL
Alameda da Universidade | Cidade Universitária | 1649-004 Lisboa | Portugal
Tel. +351 217967624 | Fax +351 217933624 | repositorio@reitoria.ul.pt - Feedback - Statistics
DeGóis
Promotores do RCAAP   Financiadores do RCAAP

Fundação para a Ciência e a Tecnologia Universidade do Minho   Governo Português Ministério da Educação e Ciência PO Sociedade do Conhecimento (POSC) Portal oficial da União Europeia