Universidade de Lisboa Repositório da Universidade de Lisboa

Repositório da Universidade de Lisboa >
Faculdade de Medicina (FM) >
FM - Dissertações de Mestrado >

Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10451/2383

Título: Estudo da prevalência de anticorpos anti-Leishmania spp. numa população que coabita com canideos com leishmaniose
Autor: Fonseca, Maria João Dinis da, 1971-
Orientador: Valadas, Emília, 1962-
Ângelo, Helena Fernandes, 1948-
Palavras-chave: Doenças transmissíveis
Leishmaniose
Leishmaniose visceral
Cães
Doenças do cão
Estudos sortoepidemiológicos
Parasitologia
Teses de mestrado - 2010
Issue Date: 2009
Resumo: A leishmaniose visceral tem apresentado mudanças consideráveis no seu padrão de transmissão continuando a ser considerada pela Organização Mundial de Saúde (OMS) uma doença de categoria 1, o que significa uma doença emergente e não controlada. Em Portugal, a prevalência de leishmaniose no cão tem vindo a aumentar, tendência que se manifesta igualmente em medicina humana ainda que com números completamente díspares entre Homem e cão. Mas, o facto de a doença ter baixa prevalência no Homem, não invalida a importância de estudos serológicos na população assintomática. A questão da segurança da coabitação com cães com leishmaniose é frequentemente equacionada na prática clínica. A eliminação dos reservatórios caninos constitui uma das ferramentas preconizadas pela OMS. No entanto, na maioria dos casos, esta medida tem-se revelado infrutífera, para além de ser controversa do ponto de vista ético, como é reconhecido pela própria OMS. Pretendeu-se com este estudo epidemiológico comparar a seroprevalência de anticorpos anti-Leishmania infantum numa população de 50 proprietários de cães com leishmaniose em comparação com 50 proprietários de cães sem leishmaniose. Os resultados obtidos com a técnica de Imunofluorescência Indirecta (IFI) apresentaram diferenças estatisticamente significativas entre as duas populações podendo levar à conclusão que o convívio com um cão doente é um factor de risco. No entanto, estes resultados não foram comprovados pela técnica de Immunoblot, o que, por um lado permite concluir a ausência de especificidade da IFI em populações assintomáticas e por outro concluir que a posse de cão doente não é, com base neste estudo, um factor de risco. Este estudo contribui para uma melhor caracterização serológica da população Portuguesa face à leishmaniose e permite ao clínico responder de forma mais sustentada à questão da segurança da convivência com animais com leishmaniose.
Visceral leishmaniasis has presented considerable changes in its pattern of transmission and is still classified by the World Health Organization (WHO) as a category 1 disease, in other words, “emerging and uncontrolled”. In Portugal, leishmaniasis in dogs has been increasing, something that also occurs in human medicine, but the statistics between man and dog are quite different. However, the fact that the disease does not prevail in man does not invalidate the importance of serological studies in the asymptomatic population. The concern over safety in what pertains to cohabitation with dogs carrying leishmaniasis is frequently raised in clinical practice. The elimination of the canine reservoirs has been adopted by the WHO. Nevertheless, in the majority of the cases, this measure has become ineffective and controversial in an ethical point of view, as it has been recognized by the WHO. The purpose of this epidemiological study is to compare the seroprevalence of anti-Leishmania infantum antibodies in a population of 50 dogs owners infected with leishmaniasis and 50 dog owners without leishmaniasis. The results obtained with Indirect Immunofluorescence (IIF) present significant statistical differences between the two case studies leading to the conclusion that cohabitation with an infected dog is a risk factor. However, these results have not been acknowledged by Immunoblot (IB) which, on the one hand, concludes the lack of specificity of IIF in asymptomatic populations and, on the other, that having a sick dog is not, according to this study, a risk factor. This study contributes to the serological characterization of the Portuguese population concerning leishmaniasis and it also allows the health professional to sustainably respond to the matter of safety in living with animals infected with leishmaniasis.
Descrição: Tese de mestrado, Doenças Infecciosas Emergentes, Faculdade de Medicina, Universidade de Lisboa, 2010
URI: http://hdl.handle.net/10451/2383
Appears in Collections:FM - Dissertações de Mestrado

Files in This Item:

File Description SizeFormat
ulsd058211_tm_Maria_Fonseca.pdf1,34 MBAdobe PDFView/Open
Statistics
FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpaceOrkut
Formato BibTex mendeley Endnote Logotipo do DeGóis 

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.

 

  © Universidade de Lisboa / SIBUL
Alameda da Universidade | Cidade Universitária | 1649-004 Lisboa | Portugal
Tel. +351 217967624 | Fax +351 217933624 | repositorio@reitoria.ul.pt - Feedback - Statistics
DeGóis
Promotores do RCAAP   Financiadores do RCAAP

Fundação para a Ciência e a Tecnologia Universidade do Minho   Governo Português Ministério da Educação e Ciência PO Sociedade do Conhecimento (POSC) Portal oficial da União Europeia