Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10451/23983
Título: Analgesia epidural no tratamento da dor oncológica : caso clínico
Autor: Rocha, Fátima Bárbara Correia
Orientador: Tavares, Filipa
Palavras-chave: Dor oncológica
Analgesia epidural
Opioides
Técnicas invasivas
Cuidados paliativos
Data de Defesa: 2014
Resumo: Introduction: Pain is one of the most prevalent and feared symptoms by cancer patients. Some of them will require an invasive technique to treat pain. The spinal route provides effective analgesia through lower doses of opioids and/or adjuvant drugs and less adverse effects. Case report: a 45 year-old male, with a retroperitoneal liposarcoma and uncontrolled pain comes to a palliative care outpatient clinic. Strong opoids were started and rotated but pain remains severe despite the use of several adjuvant drugs. Analgesia through an epidural catheter was proposed and it proved to be effective at first. However, a few weeks later, the patient still states that there is no way to relieve his pain. Discussion: pain is a complex and multidimensional experience. A multifactorial systemic approach should be taken to manage cancer pain before setting off an invasive technique. Unfortunately there are still many barriers to effective pain treatment. Concluding cancer pain is a challenge for health care professionals. Spinal analgesia can be a profitable alternative to some advanced cancer patients.
Introdução: a dor é um dos sintomas mais prevalentes e temidos pelos doentes oncológicos, sendo que, alguns deles podem requerer uma técnica invasiva no tratamento da mesma. A analgesia espinhal através da distribuição de fármacos opioides e adjuvantes próximo dos nocicetores proporciona analgesia eficaz, com doses sistémicas inferiores e menos efeitos adversos. Caso clínico: JPALP, sexo masculino, 45 anos, com o diagnóstico de liposarcoma retroperitoneal, referenciado à Unidade de Medicina Paliativa por dor não controlada. Inicialmente foi proposto um esquema analgésico que incluía já opoides fortes. Apesar da rotação opioide e adição de fármacos adjuvantes o doente mantinha dor não controlada. Foi proposta analgesia por cateter epidural que demonstrou ser eficaz num primeiro momento. Com a evolução e a tomada de consciência da situação em que se encontrava, o doente refere não haver forma de aliviar a dor. Discussão: a dor nos doentes oncológicos é uma experiência complexa e multidimensional. Assim, deve ser feita uma abordagem sistémica multifatorial antes de se partir para uma técnica invasiva. Infelizmente ainda existem muitas barreiras ao tratamento eficaz. Concluindo a dor na doença oncológica avançada é um desafio para os profissionais de saúde que podem contemplar na analgesia espinhal uma alternativa rentável.
Descrição: Trabalho Final do Curso de Mestrado Integrado em Medicina, Faculdade de Medicina, Universidade de Lisboa, 2014
URI: http://hdl.handle.net/10451/23983
Designação: Mestrado Integrado em Medicina
Aparece nas colecções:FM – Trabalhos Finais de Mestrado Integrado

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
FatimaBCRocha.pdf411,74 kBAdobe PDFVer/Abrir    Acesso Restrito. Solicitar cópia ao autor!


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.