Universidade de Lisboa Repositório da Universidade de Lisboa

Repositório da Universidade de Lisboa >
Faculdade de Ciências (FC) >
FC - Dissertações de Mestrado >

Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10451/2502

Título: Deficiência na desidrogenase dos ésteres acil-coenzima A de cadeia média numa população portuguesa: caracterização molecular e funcional
Autor: Luz, Andreia Rocha Custódio da, 1976-
Orientador: Ventura, Fátima
Meireles, Margarida, 1955-
Palavras-chave: Biologia molecular
Doença autossómica
Metabolismo lipidico
Teses de mestrado - 2010
Issue Date: 2010
Resumo: A deficiência na desidrogenase dos ésteres acil-coenzima A de cadeia média (MCADD, OMIM 201450) e o erro hereditário mais comum da β-oxidação mitocondrial dos acidos gordos (mFAO). Esta doenca autossómica recessiva caracteriza-se por crises de hipoglicémia hipocetótica, síndrome de Reye, coma e morte mas pode também revelar-se assintomática. A importância de um diagnóstico precoce levou ao alargamento do rastreio neonatal para inclusão desta deficiência. Um dos objectivos deste trabalho consistiu na caracterização molecular de uma população de doentes MCADD e respectivas famílias, num total de 180 individuos. Foi encontrado um genotipo compatível com a doenca em 60 destes indivíduos, incluindo 15 casos familiares. A semelhanca de outras populações, a maioria dos doentes apresenta em homozigotia a mutação c.985A>G (p.K304E) no exão 11 do gene ACADM. Curiosamente, 86,7% dos indivíduos são de etnia cigana. Na totalidade dos alelos mutados estudados foi identificada uma associação deste genotipo com o haplotipo 112 (H1) referente a tres polimorfismos intragénicos, respectivamente para os enzimas BamHI, PstI e TaqαI. Neste estudo foram ainda identificados dois novos haplotipos (212, 122) e duas novas substituições, c.503A>T (p.D143V) e c.1205G>T (p.G377V), ambas em heterozigotia. Não foi encontrada uma relação clara entre o genotipo dos doentes e o seu fenotipo clínico ou metabólico (acilcarnitinas e acilglicinas). A fim de inferir o carácter patogénico das novas mutações encontradas, desenvolveu-se um sistema heterólogo que permitiu expressar, purificar e caracterizar enzimaticamente, não só uma forma recombinante da MCAD selvagem, mas também da variante p.G377V, a qual demonstrou uma actividade residual de cerca de 27% relativamente à forma selvagem confirmando assim a nova mutação c.1205G>T como causadora de doença. No seu conjunto os dados obtidos poderão contribuir para um melhor conhecimento das bases moleculares subjacentes a MCADD e a longo prazo promover o desenvolvimento de novas estrategias terapêuticas para esta doenca hereditária do metabolismo.
Descrição: Tese de mestrado. Biologia (Biologia Molecular Humana). Universidade de Lisboa, Faculdade de Ciências, 2010
URI: http://hdl.handle.net/10451/2502
Appears in Collections:FC - Dissertações de Mestrado

Files in This Item:

File Description SizeFormat
ulfc090574_tm_Andreia_Luz.pdf5,89 MBAdobe PDFView/Open

Please give feedback about this item
Statistics
FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpaceOrkut
Formato BibTex mendeley Endnote Logotipo do DeGóis 

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.

 

  © Universidade de Lisboa / SIBUL
Alameda da Universidade | Cidade Universitária | 1649-004 Lisboa | Portugal
Tel. +351 217967624 | Fax +351 217933624 | repositorio@reitoria.ul.pt - Feedback - Statistics
DeGóis
Promotores do RCAAP   Financiadores do RCAAP

Fundação para a Ciência e a Tecnologia Universidade do Minho   Governo Português Ministério da Educação e Ciência PO Sociedade do Conhecimento (POSC) Portal oficial da União Europeia