Universidade de Lisboa Repositório da Universidade de Lisboa

Repositório da Universidade de Lisboa >
Faculdade de Letras (FL) >
FL - Dissertações de Mestrado >

Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10451/2919

Título: O cúmulo da estupidez: um ensaio sobre interpretação
Autor: Lopes, Rui Miguel R. Leal
Orientador: Tamen, Miguel,1960-
Palavras-chave: Análise literária
Filosofia literária
Teses de mestrado - 2002
Issue Date: 2002
Resumo: Esta tese apresenta uma análise da forma como reagimos a coisas estranhas - entre as quais se destacam textos literários. Propõe, então, que a prática da interpretação pode ser - e tem sido, com alguma frequência - descrita com um vocabulário que encontra as suas origens no associacionismo, começando com John Locke e terminando com William James; de seguida, apresenta as consequências inevitáveis de se proceder deste modo. Entre estas, podemos identificar um elemento de estranheza que se revela mais conspícuo em textos cómicos, que servirão como exemplo a partir de propostas de leitura de anedotas, diálogos e tiradas de Groucho Marx, e de uma personagem de Flann O'Brien - entre outras manifestações do engenho cómico e das reflexões que motivou em autores como Laurent Joubert, William Hazlitt, ou Arthur Koestler. Finalmente, e após ter identificado uma tendência para rirmos dos disparates dos outros, comentarei textos de Robert Musil, Walter Pitkin, E.A. Poe e H.P. Lovecraft, entre outros, e analisarei a acusação frequente de estupidez na sua relação com as formas através das quais nos revelamos e descrevemos como intérpretes. Abstract This dissertation analyses some ways of reacting to strange things - as literary texts, for instance. It starts by proposing that the act of interpretation can and has been often described with a vocabulary that has its origins in associationism, starting with John Locke and ending with William James; it then proceeds by showing the inevitable consequences of doing so. Amongst those, there's an element of strangeness that becomes more conspicuous in comic texts, and these will serve as an example through the reading of jokes, Groucho Marx's one-liners and dialogues, a character from Flann O'Brien's The Third Policeman, among other manifestations of wit and humour - and including those authors that thought about it, as Laurent Joubert, William Hazlitt, or Arthur Koestler. Finally, after identifying a tendency to laugh at other people's foolishness, I'll be reading texts by Robert Musil, Walter Pitkin, E.A.Poe, and H.P.Lovecraft, among others, and analysing the frequent charge of stupidity in its relation to the ways through which we reveal and describe ourselves as interpreters.
Descrição: Tese de mestrado, Teoria da literatura, Universidade de Lisboa, Faculdade de Letras, 2002
URI: http://hdl.handle.net/10451/2919
Appears in Collections:FL - Dissertações de Mestrado

Files in This Item:

File Description SizeFormat
ulfl009403_tm.pdf425,71 kBAdobe PDFView/Open
Statistics
FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpaceOrkut
Formato BibTex mendeley Endnote Logotipo do DeGóis 

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.

 

  © Universidade de Lisboa / SIBUL
Alameda da Universidade | Cidade Universitária | 1649-004 Lisboa | Portugal
Tel. +351 217967624 | Fax +351 217933624 | repositorio@reitoria.ul.pt - Feedback - Statistics
DeGóis
Promotores do RCAAP   Financiadores do RCAAP

Fundação para a Ciência e a Tecnologia Universidade do Minho   Governo Português Ministério da Educação e Ciência PO Sociedade do Conhecimento (POSC) Portal oficial da União Europeia