Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10451/29925
Registo completo
Campo DCValorIdioma
dc.contributor.advisorAraújo, Luís Manuel de-
dc.contributor.authorCamacho, João Carlos Orta-
dc.date.accessioned2017-12-07T12:07:36Z-
dc.date.available2017-12-07T12:07:36Z-
dc.date.issued2014-06-27-
dc.date.submitted2014-
dc.identifier.urihttp://hdl.handle.net/10451/29925-
dc.description.abstractDurante milhares de anos de evolução, o ser humano foi desenvolvendo as dimensões biológica e psicológica com que atingiu o presente estado de evolução. Nesse processo, o medo adquiriu uma profunda importância, tornando-se uma das emoções (palavra derivada do vocábulo latino emovere, onde e, variante de ex, significa «fora», e movere, «movimento»), mais influentes, dominantes e motivadoras de comportamentos humanos. A subjectividade que reconhecidamente está inerente a todo o processo, acaba, no entanto, por se objectivar em imagens, construções e conceitos reais, alguns com uma ancestralidade considerável, outros resultando das condições materiais, naturais, políticas e sociais a que os seres humanos estão submetidos. Seguindo as fontes legadas, artísticas e literárias, vemos que os antigos Egípcios tinham medo de vários elementos. Desde certas situações do quotidiano (como o contacto com determinados animais, ou armas), a outras mais políticas e existenciais (como o faraó, ou a morte), os antigos Egípcios criaram estruturas que integravam, explicavam e faziam prever esses momentos, procurando amenizar (ou tornar funcionais), os efeitos potencialmente nocivos do medo.pt_PT
dc.description.abstractDuring thousands of years of evolution, humans have been developing biological and psychological dimensions that reached the present state of development. In this process, the fear acquired a profound importance, becoming one of the emotions (word derived from the Latin emovere, where e, former variant of ex, means «outside», and movere , «movement»), most influential , dominant and motivating of human behavior. The subjectivity that is inherent to all process is objectified in images, constructions and real concepts, some with considerable ancestry, resulting from other materials, natural, political and social conditions to which humans are submitted. Following the historical documents, artistic and literary, we see that the ancient Egyptians were afraid of various elements. From certain everyday situations (such as the contact with certain animals or weapons), to other political and existential events (like pharaoh, or death), ancient Egyptians created structures that have contributed, explain and predict these moments, looking to soften (or turning it functional) , the potentially harmful effects of fear .pt_PT
dc.language.isoporpt_PT
dc.rightsopenAccesspt_PT
dc.subjectTeses de mestrado - 2014pt_PT
dc.titleExpressões de medo no Antigo Egiptopt_PT
dc.typemasterThesispt_PT
thesis.degree.nameMestrado em História, na especialidade de História Antigapt_PT
dc.identifier.tid201741326pt_PT
dc.subject.fosDomínio/Área Científica::Humanidades::História e Arqueologiapt_PT
Aparece nas colecções:FL - Dissertações de Mestrado

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
ulfl236822_tm.pdf4,89 MBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.