Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10451/30424
Título: Trilobites do ordovícico superior da zona centro-ibérica portuguesa
Autor: Pereira, Sofia Raquel Cardoso 1988-
Orientador: Silva, Carlos Marques da, 1961-
Sá, Artur Abreu, 1969-
Palavras-chave: Teses de doutoramento - 2017
Data de Defesa: 2017
Resumo: A abundância de fósseis de trilobites nos terrenos do Ordovícico Superior da Zona Centro-Ibérica (ZCI) portuguesa é conhecida há mais de 150 anos, desde os estudos pioneiros de Nery Delgado. Embora alvo de revisões pontuais, a imensa coleção existente, dispersa por vários museus portugueses e estrangeiros, carecia de estudo aprofundado e revisão. Este trabalho teve como objetivo principal o estudo paleontológico das associações de trilobites da ZCI portuguesa. Inicia-se pela análise bibliográfica crítica dos antecedentes, inventariação das coleções estratigráficas clássicas e novos dados que permitiram reconhecer 12 regiões geológicogeográficas onde ocorrem níveis atribuíveis ao Ordovícico Superior: Sinclinal de Buçaco, Sinclinal de Fajão-Moradal, Sinclinal de Amêndoa-Carvoeiro, Sinclinal de Vila Velha de Rodão, Sinclinal de Penha Garcia, Sinclinal de Portalegre, Anticlinal de Valongo, Sinclinal de Arouca-Castro Daire, Sinclinal de Marofa, Faixa Covelas-Viana do Castelo, Estrutura Marão-Alvão, Sinclinal de Moncorvo- Poiares e Trás-os-Montes. O Estado da Arte destas sequências é sumarizado, acrescentam-se novos dados litostratigráficos e é homogeneizada a nomenclatura das unidades. O estudo sistemático incluiu trilobites provenientes de seis das 12 regiões analisadas, não tendo sido encontrados registos do grupo nas restantes: sinclinais de Buçaco, Fajão-Moradal, Amêndoa-Carvoeiro, Vila Velha de Ródão, Portalegre e Moncorvo-Poiares (Trás-os-Montes). As jazidas clássicas de trilobites desta idade, a maioria de localização incerta, foram relocalizadas e catalogadas. Adicionalmente, foram encontradas novas jazidas que permitiram completar o conhecimento anterior e registar novas ocorrências. Estudaram-se, no total, mais de 2000 espécimes de trilobites provenientes do Ordovícico Superior de Portugal, Espanha, França, República Checa, Sardenha e Marrocos. Foram identificadas 73 espécies de trilobites do Ordovícico Superior da ZCI portuguesa, 32 em nomenclatura aberta, pertencentes a sete ordens, 15 famílias e 39 géneros distintos. Estes fazem parte de 15 coleções de domínio público e privado, das quais as coleções clássicas de trilobites portuguesas do Museu Geológico de Lisboa, Museu Nacional de História Natural e da Ciência e do National History Museum de Londres foram inventariadas. Os 73 taxa de categoria específica foram enquadrados taxonomicamente, tendo sido descritos e figurados espécimes representantes de todos eles. Foram definidos um género novo e 17 espécies novas: Armoricania n. gen., Cekovia piresi n. sp., Ulugtella? guedesi n. sp., Phillipsinela lusitanica n. sp., Lichas loredensis n. sp., Lichas lusitanica n. sp., Primaspis romanoi n. sp., Whittingtonia? collectorum n. sp., Eodalmanitina berouniana n. sp., Dalmanitina rabanoae n. sp., D. manfroi n. sp., Eudolatites queixoperra n. sp., Kloucekia youngi n.sp., Actinopeltis? henrotayi n. sp., Areia bussacensis n.sp., Plaesiacomia robardeti n. sp., Radnoria guyi Pereira, Silva, Pires & Sá e Nobiliasaphus katianus n. sp. Nove géneros foram pela primeira vez identificados em Portugal: ?Ulugtella, ?Parillaenus, Amphoriops, “Bumastus”, ?Whittingtonia, “Ceraurinus”, Ovalocephalus, Mucronaspis e Flexicalymene. A revisão de espécimes de trilobites do Ordovícico Superior da República Checa e de Marrocos permitiu a definição de duas novas espécies (Vysocania moraveci n. sp. e Vysocania marocana n. sp.). Foi reforçada a atribuição de Cekovia e Delgadoa a Illaenidae, rejeitando-se a proposta de alguns autores que anteriormente os incluíram em Styginidae. A revisão do género Lichas, conduziu à rejeição das tribos Lichini e Dicranopeltini. O género Actinopeltis foi atribuído a Cyrtometopinae, rejeitando-se as atribuições anteriores a Eccoptochilinae e Deiphoninae. Panderiidae é excluída de Illaenina e interpretada como um grupoirmão de Nileidae, incluindo-se na superfamília Cyclopygoidea. O estudo paleoecológico permitiu distinguir oito Biofácies de trilobites, paralelizadas com associações e comunidades definidas por outros autores, estabelecendo-se um esquema de distribuição paleoambiental das comunidades originais. Em termos paleoambientais, reconheceu-se a existência de uma plataforma essencialmente siliciclástica durante o Berouniano e Hirnantiano e uma plataforma mista a carbonatada durante o Kralodvoriano, tendo as biofácies diferenciadas sido enquadradas nestas e discutidas as condições ecológicas nas quais se estabeleceram as comunidades representadas pelas associações estudadas. Foi documentada preservação abrigada de Eoharpes macaoensis em câmaras de habitação de cefalópodes ortocónicos, interpretando-se um comportamento críptico destes organismos, propondo-se o termo Ocupismo para o designar. Foram também documentadas várias configurações de exúvias de trilobites do Ordovícico Superior português, discutindo-se vários aspetos da ecdise destes organismos. Do ponto de vista biostratigráfico, foi estabelecido um esquema de cinco horizontes que cobre a maioria da sequência do Ordovícico Superior estudada, com aplicação local e regional para a Iberoarmórica, os quais foram correlacionados com o esquema biozonal de trilobites desta região. Estes dados permitiram atualizar a escala biozonal de trilobites do domínio iberoarmoricano, sugerindo-se que a Biozona de Cekovia perplexa seja substituída pela biozona de associação Cekovia perplexa Parillaenus? creber, a extinção da Sub-Biozona “Stenopareia” cf. oblita e a substituição da Sub-Biozona Holdenia insculpta por uma biozona de conjunto Holdenia insculpta-Phillipsinella lusitanica. Adicionalmente, sugeriu-se a biozona de intervalo Eudolatites-Dalmanitina, restrita ao Berouniano e útil para definir o início e final do Berouniano na Província de Alta Latitude. Foram também identificadas pela primeira vez em Portugal associações representantes das faunas de Foliomena e de Hirnantia. Do ponto de vista paleobiogeográfico, as associações de trilobites do Ordovícico Superior da ZCI portuguesa enquadram-se na Província de Alta Latitude, a qual mantém uma assinatura endémica para o grupo até ao final do Berouniano. O registo de uma elevada diversidade (24 espécies) durante esta idade, coloca de parte as interpretações anteriores de que o Berouniano iberoarmoricano estaria caracterizado por uma baixa diversidade, resultado da sua localização subpolar. Para o Kralodvoriano, documentaram-se intercâmbios faunísticos em sentido inverso ao usualmente registado durante o Evento Boda. Assim, sugere-se que a redução de endemismo a nível global que marca o Katiano superior estará relacionada não apenas com a chegada a este biochorema de taxa de baixas latitudes, mas também com a expansão de vários géneros até então endémicos da Província de Alta Latitude para outros domínios, alguns dos quais se tornaram posteriormente taxa cosmopolitas e comuns nas associações pouco diversas e oportunistas que caracterizam os depósitos do Hirnantiano.
Trilobite fossils from the Upper Ordovician of the Portuguese Central Iberian Zone (CIZ) are known for more than 150 years, since the pioneer works of Nery Delgado. Despite being the subject of occasional research works, the vast fossil collections of Portuguese Upper Ordovician trilobites present in museums in Portugal and abroad lacked comprehensive study and revision. The main aim of this work is the palaeontological study of the trilobite assemblages from the Portuguese CIZ. It starts with the critical analysis of the published data, the inventory of the classical stratigraphical collections and the gathering of new data that allowed the individualization of 12 different geological-geographical regions where Upper Ordovician sequences are represented: the Buçaco Syncline, Fajão-Moradal Syncline, Amêndoa-Carvoeiro Syncline, Vila Velha de Rodão Syncline, Penha Garcia Syncline, Marofa, Portalegre Syncline, Valongo Anticline, Arouca-Castro Daire Syncline, Covelas-Viana do Castelo Belt, Marão-Alvão structure and Trás-os-Montes. The State of the Art for these sequences was made, new lithostratigraphic data was added and the lithostratigraphical nomenclature was homogenized. The systematic study included trilobite fossils from six of the 12 regions mentioned above (from Buçaco, Fajão-Moradal, Amêndoa-Carvoeiro, Vila Velha de Ródão, Portalegre and Moncorvo-Poiares synclines), fossils of the group being so far unknown from the Upper Ordovician sequences of the remaining regions. The classical trilobite localities of this age, most of them with uncertain geographical location, were rediscovered and catalogued. Additionally, new areas were surveyed and new fossil localities were discovered, completing the previous knowledge and finding new trilobite occurrences. Over 2000 Upper Ordovician trilobite specimens were studied, from Portugal, Spain, France, Czech Republic, Sardinia and Morocco. A total of 73 trilobite species from the Portuguese Upper Ordovician CIZ were identified (32 of them left in open nomenclature), belonging to seven orders, 15 subfamilies and 39 genera. The specimens studied are housed in 15 public and private collections. The classical collections of the Geological Museum of Lisbon, National Museum of Natural History and Science (University of Lisbon) and the National History Museum of London were catalogued in detail. All species were taxonomically studied, described and figured. A new genus and 17 new species were defined: Armoricania n. gen., Cekovia piresi n. sp., Ulugtella? guedesi n. sp., Phillipsinela lusitanica n. sp., Lichas loredensis n. sp., Lichas lusitanica n. sp., Primaspis romanoi n. sp., Whittingtonia? collectorum n. sp., Eodalmanitina berouniana n. sp., Dalmanitina rabanoae n. sp., D. manfroi n. sp., Eudolatites queixoperra n. sp., Kloucekia youngi n. sp., Actinopeltis? henrotayi n. sp., Areia bussacensis n. sp., Plaesiacomia robardeti n. sp., Radnoria guyi Pereira, Silva, Pires & Sá and Nobiliasaphus katianus n. sp. Nine genera were reported for the first time from Portugal: ?Ulugtella, ?Parillaenus, Amphoriops, “Bumastus”, Whittingtonia, “Ceraurinus”, Ovalocephalus, Mucronaspis e Flexicalymene. In addition to the study of Portuguese specimens, the study and revision of trilobite specimens from the Upper Ordovician of the Czech Republic and Morocco led to the identification of two new species (Vysocania moraveci n. sp. e Vysocania marocana n. sp.). The assignment of Cekovia and Delgadoa to Illaenidae was reinforced, and their inclusion into Styginidae, as advocated by some previous authors, was rejected. The revision of the genus Lichas lead to the dismissal of both Lichini and Dicranopeltini tribes. The genus Actinopeltis was reassigned to Cyrtometopinae, rejecting the previous assignments to Eccoptochilinae or Deiphoninae. Panderiidae, in this work, was excluded from Illaenina and interpreted as a sister-group of Nileidae and a member of the superfamily Cyclopygoidea. The palaeoecological study allowed characterizing eight trilobite biofacies, being these correlated with assemblages and communities documented by other authors. A palaeoenvironmental distribution model for the original communities represented by these biofacies was presented. It was recognized an essentially siliciclastic platform during the Berounian and the Hirnantian, and a mixed to carbonate platform in the Kralodvorian. Sheltered preservation of Eoharpes macaoensis inside orthoconic nautiloid shells was documented and the term “occupism” was proposed to describe the cryptic behaviour of these organisms. Several moulting configurations are documented from the Portuguese Upper Ordovician, allowing to discuss the variability of moulting mechanisms and the functionality of the ecdysial sutures. From a biostratigraphical standpoint, a five-horizon scheme was proposed, covering most of the Upper Ordovician sequence, providing local and regional correlation in the Ibero-Armorican area. These horizons were correlated to the trilobite biozones previously defined in this region. The data allowed to update the Ibero-Armorican trilobite biozonal scheme, being proposed the replacement of the Cekovia perplexa Biozone by Cekovia perplexa-Parillaenus? creber assemblage Biozone, the exclusion of the “Stenopareia” cf oblit sub-Biozone and the replacement of the Holdenia insculpta sub-Biozone by the Holdenia insculpta-Phillipsinella lusitanica assemblage sub-Biozone. Additionally, a Eudolatites-Dalmanittina interval Biozone was suggested, restricted to the Berounian, being useful for the definition of the lower and upper boundaries of this regional stage in the High Latitude Province. It is also reported for the first time in Portugal assemblages of the Foliomena and the Hirnantia faunas. From a palaeobiogeographical point of view, the trilobites from the Upper Ordovician of the Portuguese CIZ belong to the Trilobite High Latitude Province, which has an endemic character until the late Berounian. The high biodiversity here reported for the Berounian assemblage (more than 20 species), dismisses its previously assumed low diversity, interpreted as the result of the subpolar setting of Ibero-Armorican domain. For the Kralodvorian, several faunal shifts in opposite direction to the ones usually described during the Boda Event are reported. Thus, it is suggested that the global decrease in endemism that characterized upper Katian times was related not only to the arrival of lower-latitud taxa to the High Latitude Province, but also to the expansion of the geographical distribution of endemic genera from this last province, some of which became cosmopolite and common in the low-diversity and opportunistic faunas reflected in the fossil assemblages that characterize Hirnantian deposits.
Descrição: Tese de doutoramento, Geologia (Paleontologia e Estratigrafia), Universidade de Lisboa, Faculdade de Ciências, 2017
URI: http://hdl.handle.net/10451/30424
Designação: Doutoramento em Geologia
Aparece nas colecções:FC - Teses de Doutoramento

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
ulsd731135_td_tese.pdfTese132,16 MBAdobe PDFVer/Abrir
ulsd731135_td_anexos.pdfAnexos212,38 MBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.