Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10451/31575
Título: Crenças sobre a escrita : mudanças e desenvolvimento
Autor: Alvarez, Maria João, 1963-
Orientador: Silva, Adelina Lopes da, 1945-
Palavras-chave: Teses de mestrado - 1992
Sistemas de comunicação
Linguagem escrita
Expressão escrita
Crenças
Data de Defesa: 1992
Resumo: O interesse pela compreensão e descrição do processo de escrita aumentou dramaticamente na década de 70 (Humes, 1983; Lynch & Jones, 1989; Pintrich, Cross, Kozma & McKeachie, 1986; Scardamalia & Bereiter, 1986) tendo uma parte integrante do estudo deste processo explorado, não só a forma como os estudantes se envolvem nas actividades de escrita, mas também o que sabem e pensam acerca desta actividade (Raphael, Englert & Kirschner, 1989) . O pensamento e a aprendizagem podem ser situados num contexto de crenças e compreensão acerca da cognição e algumas propriedades fundamentais desse mesmo pensamento e aprendizagem podem ser determinados por estes contextos (Greeno, 1989), cuja compreensão contribui para uma maior preparação de professores e psicólogos no sentido de motivar os estudantes e encorajar o seu desenvolvimento em direcções apropriadas (Paris & Winograd, 1990). Os indivíduos desenvolvem crenças acerca da escrita, tal como o fazem relativamente a muitas outras actividades cognitivas e sociais, construindo teorias a partir das suas experiências culturais e educacionais que por sua vez vão influenciar a forma como abordam, aprendem e desenvolvem esta actividade. Os dados oriundos desta forma de explorar e contribuir para o entendimento da escrita, pretendem complementar informação às predições baseadas no desempenho. Não são apenas os comportamentos desenvolvidos na situação, mas também o que os sujeitos dizem saber e pensar acerca dela, que nos fornecem uma base útil para a compreensão e predição do comportamento, na medida em que as crenças podem agir como profecias auto-realizáveis (Meichenbaum, Burland, Gruson & Cameron, 1985), contribuindo para a forma como se aborda e entende o processo de resolução dessa tarefa. Da mesma forma que para muitas outras actividades cognitivas, a escrita é passível de instrução. Qualquer intervenção de natureza educacional deverá tomar em consideração a compreensão e convicções pessoais do sujeito acerca da actividade, de forma a promover uma utilização e manutenção auto-controlada dos conhecimentos e das estratégias a veicular. Neste sentido, o desenvolvimento do conhecimento do aprendiz, considerado necessário para a utilização deliberada e subsequentemente automática das suas competências, tem vindo a ganhar expressão junto de todos os que se interessam pela promoção de uma maior eficácia e gratificação no envolvimento das actividades académicas, de que a escrita é parte integrante (...).
Descrição: Tese de Mestrado em Ciências da Educação (Psicologia da Educação) apresentada à Universidade de Lisboa através da Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação, 1992
URI: http://hdl.handle.net/10451/31575
Designação: Mestrado em Ciências da Educação
Aparece nas colecções:FPCE - Dissertações de Mestrado

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
ulfp002488_tm.pdf8,51 MBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.