Universidade de Lisboa Repositório da Universidade de Lisboa

Repositório da Universidade de Lisboa >
Instituto de Ciências Sociais (ICS) >
ICS - Teses de Doutoramento >

Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10451/321

Título: Efervescência estudantil:estudantes, acção contenciosa e processo político no final do Estado Novo (1956-1974)
Autor: Accornero, Guya, 1976-
Orientador: Cabral, Manuel Villaverde, 1940-
Palavras-chave: Estado Novo
Guerra colonial
25 de Abril
Movimentos estudantis
Teses de doutoramento
Issue Date: 2009
Resumo: O movimento estudantil, um dos mais activos contra o Estado Novo nas suas últimas décadas, intensificou-se a partir de 1956, quando os estudantes conseguiram bloquear a tentativa do Governo de pôr as associações académicas sob o seu controlo. Isso coincidiu com uma conjuntura internacional que provocou profundas consequências na política contenciosa. O XXº Congresso do PCUS, com as consequentes crises nos países satélites da União Soviética e com a eclosão do conflito com a China, e o Civil Rights Movements nos Estados Unidos, foram os elementos mais salientes. A nível interno, os seus efeitos foram amplificados pela campanha eleitoral do General Humberto Delgado em 1958 e pelo início da guerra colonial em 1961. Estes factores contribuíram para a emergência em Portugal de um amplo ciclo de protesto, que concorreu para a politização do sector estudantil e na sua fase final, caracterizada por uma forte repressão, para a radicalização da oposição política, com o aparecimento das primeiras formações maoístas. Em 1967 inícia-se um segundo ciclo de protesto, cuja trajectória difusa motiva a definição de conflitualidade permanente , impulsionado pela descompressão política iniciada por Marcelo Caetano em 1968 e pela contestação estudantil que, sobretudo com o Maio de 68 , estava a eclodir em toda Europa. As últimas fases da luta contra o regime foi dominada pelo issue da guerra colonial e por um forte movimento de resistência à incorporação militar. A mobilização e politização estudantil, por seu lado, estendeu-se através um mecanismo de difusão a variados sectores sociais, como o das Forças Armadas, e contribuiu para criar as condições para a mobilização que caracterizou a primeira fase da transição portuguesa, aberta pela Revolução de 25 de Abril 1974. Este ciclo de protesto confluirá portanto no chamado Processo Revolucionário em Curso (PREC), começando a refluir só depois das eleições de 25 de Abril 1975.
Students'opposition was ones of the most active facing the New State in the last two decades of its survival, mainly from 1956, when students succeeded in blocking the government's attempt to put academic associations under its control. This event happened to coincide with an international critical situation having a profound impact on contentious politics. The XX Congress of the CPSU with the ensuing crisis of the Soviet Union's satellite countries and the outbreak conflict with China and the Civil Rights Movements in the United States, were important elements of this juncture. In Portugal, these conditions were amplified by the presidential election campaign of 1958 along with the beginning of the colonial war in 1961. This contributed to the emergence of a cycle of protest, which runs for the politicization and the formation of students' repertoires of contention. In its final phase, this cycle was characterized by a strong repression and by the first signs of radicalization, with the emergence of the first Maoist groups. Since 1967, a second cycle of protest began, whose diffuse trajectory justifies the definition of 'permanent conflict.' This second cycle was stressed by a period of 'decompression policy' initiated by Marcelo Caetano in 1968 and felt the effects of European Student's contention. The latest phases of the struggle against the regime were dominated by the colonial war issue and by a strong movement of draft resistance. Moreover, the students' mobilization and politicization kept spreading, by a mechanism of diffusion, through various social sectors, such as the Armed Forces. This contributed in creating the conditions for the mobilization characterizing the first phase of Portuguese transition to democracy, opened by the 25 April 1974 Revolution. Thus, the cycle of protest merged into the so-called Processo Revolucionário Em Curso (PREC), flawing again only from November 1975.
Descrição: Tese de doutoramento, Ciências Sociais (Sociologia Histórica), 2010, Universidade de Lisboa, Instituto de Ciências Sociais
URI: http://catalogo.ul.pt/F/?func=item-global&doc_library=ULB01&type=03&doc_number=000578235
http://hdl.handle.net/10451/321
Appears in Collections:ICS - Teses de Doutoramento

Files in This Item:

File Description SizeFormat
21725_ulsd058076_td.pdf2,62 MBAdobe PDFView/Open
Statistics
FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpaceOrkut
Formato BibTex mendeley Endnote Logotipo do DeGóis 

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.

 

  © Universidade de Lisboa / SIBUL
Alameda da Universidade | Cidade Universitária | 1649-004 Lisboa | Portugal
Tel. +351 217967624 | Fax +351 217933624 | repositorio@reitoria.ul.pt - Feedback - Statistics
DeGóis
  Estamos no RCAAP Governo Português separator Ministério da Educação e Ciência   Fundação para a Ciência e a Tecnologia

Financiado por:

POS_C UE