Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10451/32557
Título: Custo‐efetividade dos novos anticoagulantes orais na fibrilhação auricular em Portugal
Outros títulos: Cost‐effectiveness of non‐vitamin K antagonist oral anticoagulants for atrial fibrillation in Portugal
Autor: Costa, João
Fiorentino, Francesca
Caldeira, Daniel
Inês, Mónica
Pereira, Catarina Lopes
Pinheiro, Luís
Carneiro, António Vaz
Borges, Margarida
Gouveia, Miguel
Palavras-chave: Oral anticoagulants
Atrial fibrillation
Cost-effectiveness
Quality-adjusted life years
Data: 2015
Editora: Elsevier
Citação: Rev Port Cardiol. 2015;34(12):723-737
Resumo: Introduction and Objectives: Recently, three novel non-vitamin K antagonist oral anticoagulants received approval for reimbursement in Portugal for patients with non-valvular atrial fibrillation (AF). It is therefore important to evaluate the relative cost-effectiveness of these new oral anticoagulants in Portuguese AF patients. Methods: A Markov model was used to analyze disease progression over a lifetime horizon. Relative efficacy data for stroke (ischemic and hemorrhagic), bleeding (intracranial, other major bleeding and clinically relevant non-major bleeding), myocardial infarction and treatment discontinuation were obtained by pairwise indirect comparisons between apixaban, dabigatran and rivaroxaban using warfarin as a common comparator. Data on resource use were obtained from the database of diagnosis-related groups and an expert panel. Model outputs included life years gained, quality-adjusted life years (QALYs), direct healthcare costs and incremental cost-effectiveness ratios (ICERs). Results: Apixaban provided the most life years gained and QALYs. The ICERs of apixaban compared to warfarin and dabigatran were D 5529/QALY and D 9163/QALY, respectively. Apixaban was dominant over rivaroxaban (greater health gains and lower costs). The results were robust over a wide range of inputs in sensitivity analyses. Apixaban had a 70% probability of being cost-effective (at a threshold of D 20 000/QALY) compared to all the other therapeutic options. Conclusions: Apixaban is a cost-effective alternative to warfarin and dabigatran and is dominant over rivaroxaban in AF patients from the perspective of the Portuguese national healthcare system. These conclusions are based on indirect comparisons, but despite this limitation, the information is useful for healthcare decision-makers.
Introdução e objetivos: Os non-vitamin K antagonist oral anticoagulants (NOAC) foram recentemente comparticipados para a fibrilhação auricular não-valvular (FA), sendo relevante determinar o seu custo-efetividade para a realidade portuguesa. Métodos: Foi especificado um modelo Markov para simular a progressão dos doentes com FA no decurso da sua vida. Os dados de efetividade relativa para os eventos acidente vascular cerebral (isquémico e hemorrágico), hemorragia (intracraniana, outras hemorragias major e hemorragias não-major clinicamente relevantes), enfarte agudo do miocárdio e descontinuação do tratamento foram obtidos por comparac¸ões indiretas entre o apixabano, o dabigatrano e o rivaroxabano (comparador comum: varfarina). As fontes dos dados de consumo de recursos de saúde foram a base de dados dos grupos de diagnóstico homogéneo e painel de peritos. Estimou-se os anos de vida ganhos, anos de vida ajustados pela qualidade (QALY), custos diretos e rácios de custo-efetividade incremental (ICER). Resultados: Os anos de vida ganhos e os QALY foram maiores com apixabano, com um ICER versus varfarina e dabigatrano de 5529 D /QALY e 9163 D /QALY, respetivamente. O apixabano foi dominante versus o rivaroxabano (maiores ganhos em saúde e menores custos). Estes resultados foram robustos nas análises de sensibilidade realizadas, tendo o apixabano uma probabilidade de 70% de ser custo-efetivo (threshold: 20 000 D /QALY) versus o conjunto das restantes opções terapêuticas. Conclusões: A utilizac¸ão de apixabano em doentes com FA na prática clínica portuguesa é custo-efetiva versus varfarina e dabigatrano e dominante versus rivaroxabano na perspetiva do SNS. Estas conclusões baseiam-se em comparac¸ões indiretas. Apesar desta limitação, esta informação é relevante para os diferentes decisores em saúde.
Descrição: © 2015 Sociedade Portuguesa de Cardiologia. Publicado por Elsevier España, S.L.U. Todos os direitos reservados
Peer review: yes
URI: http://hdl.handle.net/10451/32557
DOI: 10.1016/j.repc.2015.07.004
ISSN: 0870-2551
Versão do Editor: http://www.elsevier.pt/pt/revistas/revista-portuguesa-cardiologia-334
Aparece nas colecções:IMM - Artigos em Revistas Nacionais
FM-CEMBE-Artigos em Revistas Nacionais

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
Anticoagulantes_orais.pdf1,51 MBAdobe PDFVer/Abrir    Acesso Restrito. Solicitar cópia ao autor!


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.