Universidade de Lisboa Repositório da Universidade de Lisboa

Repositório da Universidade de Lisboa >
Faculdade de Ciências (FC) >
FC - Dissertações de Mestrado >

Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10451/3348

Título: Contributo para o conhecimento da falha de Pinhal Novo-Alcochete, no âmbito da neotectónica do vale inferior do Tejo
Autor: Moniz, Catarina Maria de Figueiredo Bettencourt
Orientador: Madeira, José Eduardo de Oliveira, 1957-
Palavras-chave: Neotectónica
Sismotectónica
Zona de falha de Pinhal Novo-Alcochete
Bacia Cenozóica do Baixo Tejo
Região de Lisboa
Teses de mestrado - 2010
Issue Date: 2010
Resumo: A Zona de Falha de Pinhal Novo-Alcochete (ZFPNA) localiza-se na região do Vale Inferior do Tejo, no sector oriental da Península de Setúbal, na Bacia Sedimentar Cenozóica do Baixo Tejo (BCBT), correspondendo a uma das principais macro-estruturas tectónicas da região de Lisboa. O registo de alguns eventos sísmicos históricos importantes ocorridos nesta área revela a presença de falhas activas sismogénicas, caracterizadas por apresentarem taxas de movimentação baixas, na ordem de 0,05 a 0,1 mm/ano, características de zonas intraplaca. Estas estruturas estão ainda deficientemente conhecidas, pelo que o seu estudo é fundamental na avaliação do risco sísmico da região de Lisboa, densamente povoada e urbanizada. O presente trabalho pretende ser uma contribuição para esse conhecimento ao abordar a sismotectónica regional, e a ZFPNA em particular. Neste contexto, começa-se por fazer um breve enquadramento geológico regional, com ênfase na estrutura e enchimento sedimentar da BCBT, de modo a enquadrar a ZFPNA na evolução tectónica da região, particularmente do Neogénico à actualidade. A ZFPNA terá funcionado como bordo da Bacia Lusitânica, o que implica o seu enraizamento profundo, no soco paleozóico, tendo sofrido reactivação em tectónica pelicular durante a inversão tectónica miocénica. Constitui uma das principais estruturas tectónicas provavelmente activas da região (entendida como a actividade no regime tectónico actual, abrangendo aproximadamente os últimos 3,5 Ma). Identificada essencialmente por dados de sub-superfície, tem uma direcção aproximada NNW-SSE, de geometria complexa, ramificada, abarcando uma zona larga de deformação de cerca de 1,5 km. Evidencia condições para um comprimento de ruptura de pelos menos 20 km, podendo ultrapassar os 30 km, e uma largura de ruptura entre 9 km e 18 km, compreendida na crosta sismogénica inferida pelos dados de sismicidade instrumental. O deslocamento sistemático dos horizontes estratigráficos mais superficiais (com idades estimadas de cerca de 3 Ma) e da superfície basal dos sedimentos pliocénicos, reconhecidos em perfis de reflexão sísmica e em sondagens efectuadas para fins diversos, aponta para actividade tectónica recente na ZFPNA, que é corroborada pelas evidências geomorfológicas, ainda que escassas. As estimativas do sismo máximo expectável indicam capacidade para a ZFPNA gerar sismos de magnitude entre 6 e 7, com intervalos médios de recorrência longos, na ordem de 3.000 a 11.000 anos. Estes longos períodos de retorno poderão justificar a ausência nos registos da sismicidade histórica e instrumental de actividade sísmica significativa associada a esta zona de falha, salvaguardando-se, contudo, a possibilidade de o importante sismo histórico de Setúbal, em 1858, ter ocorrido num segmento meridional desta estrutura. Interpreta-se assim a ZFPNA como a uma estrutura tectónica activa com movimentação dominante transpressiva esquerda desde o Pliocénico superior, que se tem comportado como sismicamente “silenciosa”, mas capaz de gerar sismos fortes, em intervalos de recorrência longos, desconhecendo-se em que fase do ciclo sísmico se encontra actualmente.
The Pinhal Novo Alcochete Fault Zone (PNAFZ) is located in the Lower Tagus Valley region, eastern sector of the Setúbal Península, in the Lower Tagus Cenozoic Sedimentary Basin (LTCB), corresponding to one of the major tectonic macrostructures of the Lisbon region. The occurrence of a few significant historical seismic events in this area indicates the presence of seismogenic active faults, which are characterized by low slip-rates, of the order of 0.05 to 0.1 mm/yr, typical of intraplate zones. These structures are still insufficiently known, so that their study is essential for a complete seismic hazard evaluation in the highly populated and developed area of Lisbon. This work is intended as a contribution for a better understanding of the regional seismotectonics, and of the PNAFZ in particular. In this framework, the regional geological setting is first presented, with emphasis on the sedimentary infill and structure of the LTCB, since the Neogene to the present. The PNAFZ most probably worked as a bordering structure of the Lusitanian Basin, implying its deep rooting in the Paleozoic basement. It was reactivated in thin-skinned deformation style during the Miocene inversion tectonics. It is one of the main, probably active tectonic structures in the study region (intended as evidencing activity in the current tectonic regime, approximately in the last 3.5 Ma). This fault zone has been identified mainly by subsurface data. It trends approximately NNW-SSE, with a complex, branched geometry, reaching a wide deformation zone of about 1.5 km. It evidences the capacity for a coseismic rupture length of at least 20 km, that may exceed 30 km, and for a coseismic rupture width of 9 km to 18 km, which is comprised within the seismogenic crust inferred from the instrumental seismicity data. The systematic offsetting of the uppermost stratigraphycal horizons (with estimated ages of about 3 Ma) and of the basal surface of the Pliocene sediments, both recognized in seismic reflection profiles and in boreholes drilled in the area for various purposes, points to recent tectonic activity of the PNAFZ, which is corroborated by few geomorphic evidences. The performed estimative of the maximum expected earthquake indicate that the PNAFZ has the potential to generate events of magnitude 6 to 7, with long average recurrence intervals, of the order of 3,000 to 11,000 yrs. These large return periods can explain the absence of historical and of significant instrumental seismicity that may be related to this fault zone. We consider however the possibility that the important 1858, Setúbal earthquake was generated in a southern segment of this tectonic structure. The PNAFZ is thus interpreted as an active tectonic structure with dominant transpressive left-lateral movement since the upper Pliocene, which is behaving as seismically “silent” but has the capacity to generate strong earthquakes with large return periods, and for which the present status of the seismic cycle is unknown.
Descrição: Tese de mestrado, Geologia (Geologia Estrutural), Universidade de Lisboa, Faculdade de Ciências, 2010
URI: http://hdl.handle.net/10451/3348
Appears in Collections:FC - Dissertações de Mestrado

Files in This Item:

File Description SizeFormat
ulfc095743_tm_catarina_moniz.pdf9,72 MBAdobe PDFView/Open
Statistics
FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpaceOrkut
Formato BibTex mendeley Endnote Logotipo do DeGóis 

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.

 

  © Universidade de Lisboa / SIBUL
Alameda da Universidade | Cidade Universitária | 1649-004 Lisboa | Portugal
Tel. +351 217967624 | Fax +351 217933624 | repositorio@reitoria.ul.pt - Feedback - Statistics
DeGóis
  Estamos no RCAAP Governo Português separator Ministério da Educação e Ciência   Fundação para a Ciência e a Tecnologia

Financiado por:

POS_C UE