Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10451/33614
Título: Smart City e transformação dos territórios: o exemplo da Startup Community de Lisboa
Autor: Bossevain, Stéphane
Orientador: Vale, Mário Adriano Ferreira do
Palavras-chave: Smart City
Empreendedorismo
Ubiquidade
Governança
Data de Defesa: 2018
Resumo: Este Relatório de estágio apresenta e desenvolve uma reflexão em torno de um projeto da Câmara Municipal de Lisboa, o Made Of Lisboa. Este projeto, levado a cabo pela Direção Municipal de Economia e Inovação, entidade na qual se realizou o estágio, tem como propósito principal a dinamização do ecossistema empreendedor da cidade. O trabalho apresenta o Made Of Lisboa como um exemplo de novos modelos de gestão dos desafios urbanísticos. De facto, o uso intensivo das ferramentas digitais, a dimensão colaborativa e a relação com a noção de inovação sugerem um paralelo entre o projeto municipal e o conceito ainda bastante recente de Smart City. Os projetos ligados à Cidade Inteligente surgem como tendo mais e mais importância quando se fala de gestão dos territórios. No entanto, poucas publicações existem a propósito da noção de Smart City. O presente trabalho surge, assim, como uma oportunidade para a explorar. O desafio deste relatório é então de tentar resolver a questão de saber em que medida o Made Of Lisboa pode ser visto como um projeto de Smart City, apontando e comentando as similaridades entre os dois. Esta posição permite, ao relatar a experiência do estágio, explorar este conceito de Cidade Inteligente e dar assim a ver algumas das suas características intrínsecas, potencialidades, e limites. Este caminho permite perceber que a Smart City, tal como o Made Of Lisboa, se apoia fortemente na noção de ubiquidade. Este facto permite construir projetos onde pessoas se tornam os sensores da cidade, o que promove novos modos de governança. Isto, junto a um plano de Branding territorial, acaba por consubstanciar uma verdadeira ferramenta de atração territorial que, in fine, vem melhorar o potencial económico dos territórios em questão. Ter em conta estas realidades e tentar perceber como se aplicam no âmbito de projectos urbanísticos aparece como especialmente pertinente para os profissionais da área. Neste sentido, o Made Of Lisboa também pode aparecer como um exemplo da forma segundo a qual a Smart City redireciona o papel do planeador urbanístico.
This Report presents and develops a reflection around a Lisbon City Council’s project, the Made Of Lisboa. This project, headed by the Direção Municipal de Economia e Inovação (Municipal Directorate of Economy and Innovation), entity in which the internship has been done, has for main purpose the dynamization of the city's entrepreneurial ecosystem. The work presents the Made Of Lisboa as an example of new management models of urbanistic challenges. Indeed, the intensive use of digital tools, the collaborative dimension and the relationship with the innovation suggest a parallel between this particular municipal project and the concept of Smart City. The projects related with Smart City appear as being more and more important when it comes to the territorial management. However, Smart City is still quite recent notion and few publications are related with it. Therefore, this work emerges as an opportunity to explore it. The challenge of this report is then to try to resolve the question of how far Made Of Lisboa can be seen as a Smart City project, pointing out the similarities between both. This position allows, when describing the internship experience, to explore this concept of Smart City and thus to see some of its intrinsic characteristics, potentialities, and limits. From this point of view, we can realize that Smart City, like the Made Of Lisboa, heavily relies on the notion of ubiquity. It permits to build projects where people become the city's sensors, which promotes new modes of governance. This, along with a territorial branding plan, ends up by creating territorial attraction tool that, in fine, improves the territories’ economic potential. Taking these realities into account and trying to understand how they apply in urban projects appears to be relevant for professionals in the field. In this sense, the Made Of Lisboa can also show up as an example of the way Smart City redirects the city planner role.
URI: http://hdl.handle.net/10451/33614
Designação: Gestão do Território e Urbanismo
Aparece nas colecções:IGOT - Dissertações de Mestrado

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
tm_igotul010987.pdf3,31 MBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.