Universidade de Lisboa Repositório da Universidade de Lisboa

Repositório da Universidade de Lisboa >
Faculdade de Ciências (FC) >
Departamento de Educação (FC-DE) >
Centro de Investigação em Educação (FC-DE-CIE) >
GI Didáctica da Matemática (FC-DE-CIE-GIDM) >
FC-DE-CIE-GIDM - Artigos em Revistas Nacionais >

Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10451/3410

Título: Equações do 2.º grau do fim do século XIX ao início do século XXI: Uma análise de sete manuais escolares
Autor: Ponte, João Pedro da
Salvado, Carmen
Fraga, Ana
Santos, Teresa
Mosquito, Elisa
Palavras-chave: Álgebra
Equações
Tarefas
Manuais
História do Ensino da Matemática
Algebra
Equations
Tasks
Textbooks
History of mathematics teaching
Issue Date: 2007
Editora: Associação dos Professores de Matemática
Citação: Ponte, J. P., Salvado, C., Fraga, A., Santos, T., & Mosquito, E. (2007). Equações do 2.º grau do fim do século XIX ao início do século XXI: Uma análise de sete manuais escolares. Quadrante, 16(1), 111-145.
Resumo: Este artigo analisa o modo como as equações do 2.º grau são abordadas em sete manuais escola-res publicados entre o fim do século XIX e o início do século XXI, escolhidos entre os mais utilizados em cada período. Analisamos a forma como este assunto é apresentado em cada manual, incluindo a aborda-gem do tema, os exemplos e as tarefas propostas para o aluno resolver, bem como os contextos utilizados e a linguagem e grafismo. A análise realizada mostra que o assunto foi tendo um tratamento cada vez mais simplificado, tanto nos conteúdos como nas tarefas propostas e na linguagem, notando-se a influên-cia da Matemática moderna com a introdução de elementos da lógica e da teoria dos conjuntos. Ressalta, ainda, uma evolução muito interessante no uso dos termos “exercício” e “problema”. Numa primeira fase, os exercícios tendiam a ter grande complexidade e designavam-se por problemas os que tinham um enun-ciado em linguagem natural. Mais tarde, o termo “exercício” é substituído por “actividade”. No manual mais recente, o termo “exercício” desaparece e o termo “problema” passa a designar tarefas de tipo muito diversificado, incluindo tarefas extremamente simples.
This paper analyses the way 2nd degree equation are studied in seven school mathematics text-books published between the end of the XIXth century and the beginning of the XXIst century, chosen among the most used in each period. We analyze the way this subject is presented in each textbook, in-cluding the way the theme is approached, the examples and the tasks proposed to the student, as well as the contexts used and the language and graphic style. The analysis undertaken shows that the topic had an approach increasingly simplified, in its content, in tasks proposed and in the language, and it can be noted an influence of modern mathematics with the introduction of elements of logic and set theory. It also stands a very interesting in the use of the terms “exercise” and “problem”. Ina first phase, the exercises had a great complexity. Those that were phrased in natural language were called problems. Later, the term “exercise” is substituted by “activity”. In the more recent textbook, the term “exercise” disappears and the term “problem” begins designating tasks of a much diversified nature, including very simple tasks.
Arbitragem científica: yes
URI: http://hdl.handle.net/10451/3410
ISSN: 0872-3915
Appears in Collections:FC-DE-CIE-GIDM - Artigos em Revistas Nacionais

Files in This Item:

File Description SizeFormat
07-Ponte etc (Eq2G) Quadrante 16-1.pdf1,16 MBAdobe PDFView/Open
Statistics
FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpaceOrkut
Formato BibTex mendeley Endnote Logotipo do DeGóis 

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.

 

  © Universidade de Lisboa / SIBUL
Alameda da Universidade | Cidade Universitária | 1649-004 Lisboa | Portugal
Tel. +351 217967624 | Fax +351 217933624 | repositorio@reitoria.ul.pt - Feedback - Statistics
DeGóis
  Estamos no RCAAP Governo Português separator Ministério da Educação e Ciência   Fundação para a Ciência e a Tecnologia

Financiado por:

POS_C UE