Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10451/3503
Título: A evolução cultural da cooperação
Autor: Pipa, Francisco Sá Ferreira Loureiro, 1987-
Orientador: Santos, Francisco C.
Coelho, Helder, 1944-
Palavras-chave: Reciprocidade
Teoria da mente
Cérebro humano - Evolução
Teses de mestrado - 2011
Data de Defesa: 2011
Resumo: Este trabalho tenta mostrar como na evolução humana a cognição e a cooperação podem estar relacionadas. As vantagens oferecidas pelo comportamento anti-social podem ter levado à evolução de certas capacidades cognitivas (Capítulo 2), que garantem a emergência de sociedades altamente cooperativas, através de diferentes mecanismos (Capítulo 3). Um dos mecanismos com maior sucesso para alcançar a cooperação entre humanos é a reciprocidade indirecta. Nesta, os indivíduos agem sob influência de normas sociais, e desenvolvem estratégias baseadas na reputação que são usadas para decidir com quem é que o indivíduo coopera. O sucesso de uma norma social particular depende de diferentes características cognitivas dos indivíduos e, também, da informação disponível sobre as interacções de um terceiro partido (Capítulo 4). Neste contexto, argumento que a reciprocidade indirecta tem como base várias capacidades cognitivas individuais, tais como a teoria da mente de grau superior, as emoções/intuições morais e a linguagem (Capítulo 5 e 6). De igual modo com outros grupos de primatas a cooperação pode ter sido essencial para a sobrevivência e reprodução dos humanos. Em particular, os humanos devem ter desenvolvido maiores capacidades cognitivas e computacionais, para manter a cooperação em grupos sociais maiores. A evolução destas características pode estar no núcleo de outros aspectos das sociedades humanas, tal como a como a competição entre grupos e a interacção em hierarquias, organizações e instituições (Capítulo 7). Tendo isto tudo em conta, este trabalho ajuda-nos a perceber a natureza e evolução da cooperação humana (Capítulo 8).
This work tries to show how cognition and cooperation may be related in human evolution. The advantages offered by anti-social behavior may lead to the evolution of certain cognitive capacities (Chapter 2), which ensures the emergence of highly cooperative societies by means of different mechanisms (Chapter 3). One of the most successful mechanisms to attain human cooperation is indirect reciprocity. Here individuals act under the influence of social norms and develop reputation-based strategies used to decide with whom each individual cooperates. The success of a particular social norm, relies on different cognitive skills of the individuals but also on the available information about third-party interactions (Chapter 4). In this context, I argue that indirect reciprocity is grounded in several individual cognitive capabilities, such as a superior theory of mind, moral emotions/intuitions, and language (Chapter 5 e 6). Similarly to other groups of primates, cooperation may have been essential for survival and reproduction of humans. In particular, humans must have developed greater cognitive and computational skills to maintain cooperation in larger social groups. The evolution of these characteristics may be in the core of other aspects of human societies, such as the competition between groups, and the interaction across hierarchies, organizations and institutions (Chapter 7). Taking all into account, this work may help us understanding the nature and evolution of human cooperation (Chapter 8).
Descrição: Tese de mestrado, Ciência Cognitiva, Universidade de Lisboa, Faculdade de Ciências, Faculdade de Letras Faculdade de Medicina, Faculdade de Psicologia, 2011
URI: http://hdl.handle.net/10451/3503
Aparece nas colecções:FP - Dissertações de Mestrado

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
ulfpie039430_tm.pdf696,09 kBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.