Universidade de Lisboa Repositório da Universidade de Lisboa

Repositório da Universidade de Lisboa >
Faculdade de Letras (FL) >
FL - Dissertações de Mestrado >

Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10451/3689

Título: Linguagem comum: um ensaio sobre clichés
Autor: Gonçalves, Maria Teresa
Orientador: Tamen, Miguel,1960-
Palavras-chave: Clichés
Análise de discurso
Análise literária
Teses de mestrado - 2004
Issue Date: 2004
Resumo: Esta tese centra-se na discussão da dualidade da relação que mantemos com os clichés. Por um lado, tendemos a considerá-los exemplos de banalidade e obstáculos à originalidade. Por outro lado, não hesitamos em usá-los quando asseguram a legibilidade dos nossos enunciados e comportamentos. Defender-seá que muito frequentemente a rejeição de clichés corresponde à rejeição da linguagem corrente e que a única alternativa, a existir, seria uma linguagem privada. O resultado só poderia ser o isolamento e a incomunicabilidade, i.e. presumivelmente o contrário daquilo que desejam os que afirmam que a linguagem comum é demasiado restritiva para os seus propósitos. Para além disso, a nossa falta de imunidade aos clichés e o facto de as pessoas se citarem serão apresentados como fazendo parte de pertencer a uma comunidade, cujos membros fazem coisas parecidas, e não como uma limitação. Na base do meu argumento está o conto de Alberto Moravia “Um Jogo”, que pode ser lido como uma parábola sobre clichés.
ABSTRACT: This dissertation focuses on the discussion of the twofold way we relate to clichés. On the one hand, we tend to view them as an instance of banality and as an obstacle to originality. On the other hand, we use them unhesitatingly when they assure the legibility of our utterances and behaviour. It will be argued that most frequently the rejection of clichés equates with the rejection of everyday language and that the only alternative, assuming it could exist, would be a private language. The result could only be isolation and incommunicability, i.e. presumably the opposite of what those who claim that ordinary language is too restrictive for their purposes wish. Moreover, our lack of immunity to clichés and the fact that people quote each other will be presented as part of belonging to a certain community, whose members do similar things, and not as a liability. The basis of my argument is Alberto Moravia’s short story “Un Gioco”, which can be read as a parable on clichés.
Descrição: Tese de mestrado, Teoria da Literatura, Universidade de Lisboa, Faculdade de Letras, 2004
URI: http://hdl.handle.net/10451/3689
Appears in Collections:FL - Dissertações de Mestrado

Files in This Item:

File Description SizeFormat
ulfl027136_tm.pdf231,44 kBAdobe PDFView/Open
Statistics
FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpaceOrkut
Formato BibTex mendeley Endnote Logotipo do DeGóis 

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.

 

  © Universidade de Lisboa / SIBUL
Alameda da Universidade | Cidade Universitária | 1649-004 Lisboa | Portugal
Tel. +351 217967624 | Fax +351 217933624 | repositorio@reitoria.ul.pt - Feedback - Statistics
DeGóis
  Estamos no RCAAP Governo Português separator Ministério da Educação e Ciência   Fundação para a Ciência e a Tecnologia

Financiado por:

POS_C UE