Universidade de Lisboa Repositório da Universidade de Lisboa

Repositório da Universidade de Lisboa >
Faculdade de Letras (FL) >
FL - Dissertações de Mestrado >

Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10451/401

Title: Religião e vida social no espaço urbano: comunidades judaiciais na Beira interior em finais da Idade Média
Authors: Miguel, Isaura Luísa Cabral
Advisor: Silva, Manuela Santos,1961
Keywords: Portugal - História - Idade Média
Judeus - Portugal - séc.15
Judaísmo - Portugal - séc.15
Issue Date: 2007
Abstract: Habitando os territórios lusos muito antes da instauração da nacionalidade, os judeus eram uma presença comum em centros urbanos, habitando paredes-meias com cristãos e muçulmanos, embora, em diversas épocas mais complicadas em termos políticos, económicos e sociais, se extremassem conflitos derivados de diferentes modos de vida e de maneiras diversas de encarar o ganho do pão de cada dia. Vindos muitos de Oriente por via terrestre, encontraram ao longo da fronteira lusitana um lar, estabelecendo-se em pequenas povoações do interior, como é o caso da Beira Interior, e aí vivendo durante séculos. Com os finais da Idade Média e com as pressões feitas pela Santa Sé e por cristãos fervorosos, as suas vidas foram mais frequentemente assombradas por medos e angústias. Apesar do grande peso do poder clerical, é nestas pequenas povoações, que os judeus portugueses conseguem ter mais tempo de acalmia, uma vez, que nestes locais marcados por uma economia essencialmente rural, e por uma talvez maior convivência entre vizinhanças, não há notícias de assaltos às judiarias ou de massacres até à data do édito de expulsão assinado por D. Manuel I. Quanto ao projecto de um estudo pormenorizado da sociedade judaica deste território da Beira Interior, podemos organizá-lo em cinco etapas. Começando pela localização da judiaria, onde observamos que à semelhança das judiarias ao longo do País, também aqui, estas se situavam dentro do perímetro das povoações, e em muitos locais não existiriam barreiras físicas a separar o convívio entre as pessoas destes dois credos, e em particular, na judiaria da cidade da Guarda, possivelmente, alguns cristãos moravam paredes-meias com os habitantes judeus. Quanto às profissões, verificamos que as actividades que mais judeus concentravam eram as dos mesteres. Todavia, há que salientar, que existem diversos judeus ligados à ciência, como físicos e cirurgiões, sem esquecer os mercadores, já que eram eles quem impulsionava o comércio dentro e fora desta região. Nas localidades mais pequenas vêse nitidamente, a falta de população artesã ou comerciante, o que nos leva a crer que a maioria dos habitantes judeus devessem ser agricultores. Quando nos centramos na lista de nomes de populares judeus existentes nas documentações régias constatamos a existência de um esmagador número de nomes com significados sobretudo Bíblicos, algo quanto a nós, perfeitamente admissível, já que pertencem a uma época onde o devoção religiosa era extrema importância. Seguindo para os sobrenomes, estes, teriam diversas origens, desde alcunhas, até locais de origem, passando por sobrenomes reproduzidos apenas pela compreensão sonora dos escrivães, o que nos leva a duvidar da sua real transcrição. Contudo, assinalamos também, um dado relevante; a existência de diversos sobrenomes apenas numa povoação. O que poderá supor que essas famílias se teriam concentrado apenas num local. Por último, a cultura. Os usos e costumes praticados pelas populações judaicas, eram tidos como um ritual imprescindível na sua vida, por isso mesmo em tempos conturbados, esses costumes não eram abandonados, sendo muitas vezes feitos às escondidas, ou apenas relatados de mães para filhos. Porém tanto os costumes como as festividades, tinham uma origem comum, a História Bíblica. E o maior significado seria talvez o de não deixar morrer a História, já que, apresentando-a quotidianamente e ensinando-a às gerações futuras ela não cairia esquecida numas páginas de um livro, ou apenas no pensamento de alguns.
Living in the ancient Portuguese territories much time before establishment of the nationality, the Jews were a common presence in urban cities, living with the Christians and Muslims, although, in complicated times, happens conflicts with them, because they were distinct way of live. Coming many of them from Orient by land, founded a home across the Lusitanian frontier, and they established in small villages of interior like Beira Interior living there for long centuries. With the ends of the Average Age and with the pressures made by the clergy and fervent Christians, its lives had been more frequent haunted by fears and anguish. Despite the great weight of the clerical power, it is in these small populations, that the Portuguese Jews obtain a long period of pause. A time that, in these locals marked by an essentially agricultural economy, and for a healthy neighbourhood, the fact is, that it does not have reports of assaults or slaughters to the Jewry, until the date of the edict of expulsion, signed for the king D. Manuel I. About to a plan of a detailed study of the Jewish society of this territory of the Beira Interior, we can organize it in five stages. Starting for the localization of the Jewry where we observe that, to the similarity of, others Jewish quarters a long of the country, also here, these localized out inside of the perimeter of the villages. And in many places, would not exist physical barriers to separate the conviviality enter the people of these two creeds, and in particular, in the Jewish quarters of the city of Guarda, possibly, some Christian resided wall-stockings with the Jewish inhabitants. About to the professions, we verify that the activities that Jewish concentrated were of the arts. However, it has that to point out, that exist many Jews connected to science, as physicists and surgeons, without forgetting the merchants, since they were who stimulated the commerce inside and outside of this region. In the localities smallest the lack of population artesian or trader is seen clearly, what in it takes them to believe that the majority of the Jewish inhabitants had to be agriculturists. When in we centre them, in the list of names of popular existing Jews in the regal documentations, we evidence the existence of a smashing number of names with over all Biblical meanings, something as for us, perfectly permissible, since they belong to a time where the religious devotion was an extreme importance. Following for the last names, they would have diverse origins, since nicknames, until origin places, passing for last names reproduced only for the sonorous understanding of the notaries, what in it takes them to doubt its real transcription. However, we also designate excellent data, the existence of diverse last names only in a population. What will be able to assume that these families if would have concentrated only in a place. Finally, the culture, were had as an essential ritual in its life, the uses and customs practised at the Jewish populations, therefore in disturbing times, these customs were not abandoned, being many done times secretly, or only told of mothers for children. However, in such a way the customs as the festivities had a common origin, Biblical History. And the greater meant would be perhaps not to leave to die the History, since that presenting it daily and teaching it to the future generations to it would not fall forgotten in pages a book or only in the thought of some people.
Description: Tese de mestrado em História Regional e Local apresentada à Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, 2008
URI: http://catalogo.ul.pt/F/?func=item-global&doc_library=ULB01&type=03&doc_number=000535510
http://hdl.handle.net/10451/401
Appears in Collections:FL - Dissertações de Mestrado

Files in This Item:

File Description SizeFormat
19257_ulfl056923_tm.pdf5 MBAdobe PDFView/Open
19258_ulfl056923_anexos.pdf325.09 kBAdobe PDFView/Open
Statistics
FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpaceOrkut
Formato BibTex mendeley Endnote Logotipo do DeGóis 

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.

 

  © Universidade de Lisboa / SIBUL
Alameda da Universidade | Cidade Universitária | 1649-004 Lisboa | Portugal
Tel. +351 217967624 | Fax +351 217933624 | repositorio@reitoria.ul.pt - Feedback - Statistics
DeGóis
  Estamos no RCAAP Governo Português separator Ministério da Educação e Ciência   Fundação para a Ciência e a Tecnologia

Financiado por:

POS_C UE