Universidade de Lisboa Repositório da Universidade de Lisboa

Repositório da Universidade de Lisboa >
Faculdade de Psicologia (FP) >
FP - Dissertações de Mestrado >

Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10451/4335

Título: A auto-percepção do envelhecimento e os traços de personalidade em idosos
Autor: Yassine, Ismael Macedo Correia
Orientador: Silva, Maria Eugénia Duarte, 1951-
Palavras-chave: Envelhecimento
Auto-percepção
Traços de personalidade
Teses de mestrado - 2011
Issue Date: 2011
Resumo: O presente estudo foca a auto-percepção do envelhecimento e os traços de personalidade, assumindo como principais objectivos: (1) a exploração da relação entre auto-percepção do processo de envelhecimento por parte dos idosos (com mais de 60 anos de idade) e os traços de personalidade e, (2) a compreensão das dimensões da autopercepção do envelhecimento que melhor predizem determinados traços de personalidade. Participaram neste estudo 146 indíviduos, masculinos e femininos, com idades compreendidas entre os 60 e os 89 anos de idade. De forma a avaliar a autopercepção do envelhecimento foi utilizada a versão portuguesa do Questionário de Percepções do Envelhecimento (QPE) (Barker, O’Hanlon, McGee, Hickey, & Conroy, 2007; Claudino, 2007). Os traços de personalidade foram avaliados pela versão portuguesa do Inventário dos Cinco Factores NEO-FFI (Costa, P. T. & McCrae, R. R., 1989, 1992; Lima e Simões, 2001). Os resultados permitem verificar que (1) o traço de neuroticismo se encontra positivamente associado a uma concepção pessoal da velhice como período gerador de respostas emocionais negativas, e (2) negativamente associado a uma percepção de controlo sobre as experiências negativas da velhice; (3) o traço de extroversão se encontra positivamente associado a uma percepção do envelhecimento como período de ganhos, e de capacidade de controlo sobre experiências vividas e (4) se encontra negativamente associado a sentimentos de tristeza, angústia, ansiedade e preocupação perante o envelhecimento. A partir das relações encontradas entre auto-percepção do envelhecimento e traços da personalidade, o presente estudo revelou que: (5) uma auto-percepção negativa do envelhecimento pode ser preditora de uma personalidade predominantemente neurótica e (6) uma percepção da velhice pautada por um sentimento de ganhos e de controlo positivo poderá ser preditora de uma personalidade mais extrovertida. (7) O traço de conscienciosidade parece ser antecipado de forma relativamente robusta por uma percepção de consequências positivas do envelhecimento.
The current study focus on the self-perception of aging and the personality traits, assuming as main goals: (1) to explore the relationship between self-perception of the aging process from the elderly point of view (60 years of age and over) and personality traits and (2) to understand the aging self-perception’s dimensions that better allow to predict certain personality traits. 146 individuals, male and female, between 60 and 89 years of age participated in this study. In order to assess the self-perception of aging, the Portuguese version of the Aging Perceptions Questionnaire was used (Barker, O’Hanlon, McGee, Hickey, & Conroy, 2007; Claudino, 2007). Concerning the evaluation of personality traits the current study used the Portuguese version of the Five Factors Inventory (Costa, P. T. & McCrae, R. R., 1989, 1992; Lima e Simões, 2001). Results show that (1) neurotic traits are positively correlated to a negative emotional response towards aging and (2) negatively correlated to a perception of control over adverse aging experiences; (3) extraversion traits are positively correlated to a perception of benefits and control over aging experiences and (4) negatively correlated to feelings of sadness, torment, anxiety and concern over aging. Based on the found correlations between self-perception of aging and personality traits, the current study has come to show that (5) a negative self-perception over aging can be a predictor of a mostly neurotic personality and (6) a self-perception of aging characterized as an experience of gains and positive control over experiences may predict a mainly extraverted personality. Results also come to show that (7) the conscientiousness trait seems to be hasted in a relatively robust way by a self-perception of positive outcomes over aging.
Descrição: Tese de mestrado, Psicologia (Secção de Psicologia Clínica e da Saúde - Núcleo de Psicologia Clínica Dinâmica), Universidade de Lisboa, Faculdade de Psicologia, 2011
URI: http://hdl.handle.net/10451/4335
Appears in Collections:FP - Dissertações de Mestrado

Files in This Item:

File Description SizeFormat
ulfpie039522_tm.pdf320,13 kBAdobe PDFView/Open
Statistics
FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpaceOrkut
Formato BibTex mendeley Endnote Logotipo do DeGóis 

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.

 

  © Universidade de Lisboa / SIBUL
Alameda da Universidade | Cidade Universitária | 1649-004 Lisboa | Portugal
Tel. +351 217967624 | Fax +351 217933624 | repositorio@reitoria.ul.pt - Feedback - Statistics
DeGóis
Promotores do RCAAP   Financiadores do RCAAP

Fundação para a Ciência e a Tecnologia Universidade do Minho   Governo Português Ministério da Educação e Ciência PO Sociedade do Conhecimento (POSC) Portal oficial da União Europeia