Universidade de Lisboa Repositório da Universidade de Lisboa

Repositório da Universidade de Lisboa >
Faculdade de Medicina (FM) >
FM - Teses de Doutoramento >

Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10451/4632

Title: The role of B cells in the early phase of rheumatoid arthritis
Authors: Moura, Rita Alexandra Pedra Aguiar de, 1981-
Advisor: Fonseca, João Eurico Cortez Cabral da, 1969-
Graça, Luís, 1971-
Keywords: Artrite reumatóide
Linfócitos B
Auto-anticorpos
Corticosteróides
Metotrexato
Citocinas
Factor activador de linfócitos B
Genes
Teses de doutoramento - 2011
Issue Date: 2011
Abstract: Rheumatoid arthritis (RA) is a chronic, systemic autoimmune disease of unknown aetiology that affects around 1% of the world population. RA is characterized by symmetric polyarthritis associated with pain and swelling in multiple joints. If left untreated, RA leads to joint destruction, functional disability, comorbidity and reduced life expectancy. Many autoimmune diseases are B-cell dependent, mainly through the production of autoantibodies. Previous studies have documented the importance of B cells in RA pathogenesis through diverse mechanisms. B cells produce autoantibodies, such as rheumatoid factor (RF) and anti-citrullinated protein antibodies (ACPA). These autoantibodies can form immune complexes that deposit in the joints, causing inflammation. Additionally, B cells can function as antigen presenting cells and activate T cells; release cytokines once activated and participate in ectopic lymphoid organogenesis. The discovery that B cell depletion therapy with rituximab (RTX) was effective in RA patients reinforced B cells key position in this autoimmune disease and placed them in the central stage of research. Nevertheless, the majority of the studies on this field have been focused in established RA patients, while the knowledge on B cell dependent immune mechanisms involved in RA onset is still very scarce. The main goal of this work was to study the role of B cells in the very early phase of RA. In order to achieve this, a cohort of untreated polyarthritis patients with less than six weeks of disease duration was prospectively followed up. A full characterization of peripheral blood B cell subpopulations, serum cytokine and chemokine environment, and B-cell gene expression profile analysis was performed. The follow up of these patients allowed the identification of a subgroup that evolved into RA. Thus, these patients were classified as very early RA (VERA) patients. The remaining patients either had self-limited forms of arthritis or evolved into other chronic inflammatory joint diseases. VERA patients were evaluated at baseline and after short-term therapy with corticosteroids and methotrexate (MTX) to analyze the possible influence of treatment in the development of B-cell mediated immune processes in the first weeks of RA. We found that VERA patients had disturbances in circulating memory B cells, namely a decrease in the pre-switch memory (IgD+CD27+) subpopulation; had increased serum levels of cytokines related with B cell recruitment and activation, in particular interleukin (IL)-6, A proliferation-inducing ligand (APRIL) and B-cell activating factor (BAFF); and had alterations in the expression of genes relevant for B cell homeostasis, development and survival, namely BAFF and its receptors. Of note, treatment with corticosteroids and MTX, although clinically effective in reducing inflammatory manifestations, did not seem to affect peripheral B cells or cytokine content in circulation. Additionally, a second cohort of RA patients with established disease and under B cell depletion therapy with RTX was also analyzed. Considering the important role that BAFF has in B cell maturation and survival, it was hypothesized that the balance between BAFFreceptor (BAFF-R) expression and soluble BAFF could influence the relationship between returning B-cell subpopulations and clinical relapse after B cell depletion therapy. Therefore, serum BAFF levels, a phenotypic characterization of the newly emergent circulating B cell subpopulations during B cell reconstitution and the surface BAFF-R expression were analyzed in circulating B cell subsets before and after RTX treatment. During B cell repopulation, after B cell depletion therapy, the majority of circulating B cells had a naïve phenotype and simultaneously there was a decrease in the frequency of memory B cells in circulation, as expected. Interestingly, we found that BAFF-R expression was significantly reduced on both naïve and memory B cells in patients at clinical relapse, however, no differences were detected in patients in remission. In addition, BAFF serum levels were within normal range in patients before RTX and significantly increased after RTX treatment. Nevertheless, the reduction in BAFF-R expression was not correlated with B cell numbers or serum BAFF levels. The increased frequency of postswitch memory B cells (IgD-CD27+) observed in the blood of relapsing patients in comparison with patients in remission might suggest that the re-establishment of active disease can be associated with an increase in class-switch recombination process. Therefore, the results observed in RA patients after B cell depletion therapy suggest that factors responsible for BAFF-R downregulation might be closely linked with altered thresholds in autoreactive B-cell generation and disease re-establishment. In conclusion, the results in this thesis support the existence of alterations in the mechanisms associated with B cells’ physiopathology since the first weeks of RA onset, which can eventually contribute to RA development. Furthermore, an earlier introduction of B-cell directed therapies, such as B cell depletion, or indirect B-cell targeted therapies affecting B cell receptors or its ligands, might be of beneficial clinical use to induce early remission in RA patients.
Artrite Reumatóide (AR) é uma doença autoimmune crónica, sistémica e de etiologia desconhecida, que afecta cerca de 1% da população mundial. A AR é caracterizada por uma poliartrite simétrica associada a dor e tumefacção de múltiplas articulações que, se não for tratada, conduz à destruição das articulações, incapacidade funcional, comorbilidades e redução da esperança de vida. Existem diversas doenças autoimunes que são dependentes de células B, principalmente através da produção de autoanticorpos. Estudos anteriores documentaram a importância das células B na patologia da AR através de diversos mecanismos. As células B produzem autoanticorpos, como o factor reumatóide (FR) e anticorpos anti-proteínas citrulinadas (ACPA), que se depositam como complexos imunes nas articulações, causando inflamação. Além disso, as células B podem funcionar como células apresentadoras de antigénio e activar células T, sendo também capazes de produzir citocinas uma vez activadas e participar na organização de estruturas linfóides secundárias. A descoberta da eficácia da terapêutica de depleção de células B com rituximab (RTX) em doentes com AR veio reforçar a posição chave destas células nesta doença autoimune, tendo colocado as células B no centro da investigação nesta área. Contudo, a maioria dos estudos neste tema tem sido focada em doentes com AR estabelecida, sendo o conhecimento dos mecanismos imunológicos iniciais dependentes de células B muito reduzido. O principal objectivo deste trabalho foi o estudo do papel das células B na fase muito inicial da AR. Para tal, um grupo de doentes com poliartrite com menos de seis semanas de evolução, não tratada, foi prospectivamente seguido. Foi realizada uma caracterização completa das subpopulações de células B no sangue periférico, analisado o conteúdo de citocinas e quimiocinas no soro e feita uma análise de perfil de expressão génica relacionado com as células B. O acompanhamento clínico destes doentes permitiu a identificação de um subgrupo que evoluiu para AR, que foi classificado como very early rheumatoid arthritis (VERA). Os restantes doentes evoluíram para um diagnóstico de artrite autolimitada, ou para outras doenças crónicas inflamatórias articulares. Os doentes VERA foram avaliados antes do tratamento, após terapêutica de curta duração com dose baixa de corticosteróides e após metotrexato (MTX), de forma a analisar as possíveis influências do tratamento no desenvolvimento dos processos imunológicos mediados pelas células B nas primeiras semanas de evolução da AR. Nos doentes VERA, foram observadas perturbações nas células B de memória em circulação, nomeadamente uma diminuição da subpopulação de células B de memória preswitch (IgD+CD27+); um aumento dos níveis séricos de citocinas relacionadas com o recrutamento e a activação de células B, em particular a interleucina (IL)-6, A proliferationinducing ligand (APRIL) e B cell activating factor (BAFF); e alterações na expressão de genes relevantes para a homeostasia, desenvolvimento e sobrevivência das células B, nomeadamente BAFF e seus receptores. De salientar que o tratamento com corticosteróides e MTX, embora clinicamente eficaz na redução das manifestações inflamatórias, não pareceu afectar as células B periféricas, ou o padrão de citocinas em circulação. Adicionalmente, foi analisado um segundo grupo de doentes com AR estabelecida sob terapêutica com RTX. Considerando o importante papel que a citocina BAFF apresenta na maturação e sobrevivência das células B, foi colocada a hipótese de que o balanço entre a expressão do receptor de BAFF (BAFF-R) e o BAFF solúvel poderiam influenciar a relação entre as subpopulações de células B reconstituintes e a recidiva clínica após terapêutica de depleção de células B. Para testar esta hipótese, procedeu-se à análise dos níveis de BAFF no soro, à caracterização fenotípica da reconstituição das subpopulações de células B em circulação e, foi analisada a expressão de superfície do BAFF-R nestas subpopulações, antes e após o tratamento com RTX. Durante a repopulação das células B, após o tratamento com RTX, a maioria das células B no sangue periférico apresentou um fenótipo naïve, verificando-se em simultâneo uma diminuição da frequência das células B de memória em circulação, tal como esperado. Um dos resultados que suscitou interesse foi a observação da redução significativa da expressão do BAFF-R nas células B naïve e de memória nos doentes em recidiva, embora não tenham sido detectadas diferenças nos doentes em remissão. Além disso, os níveis de BAFF no soro encontravam-se dentro dos limites normais nos doentes com AR antes do tratamento com RTX e aumentaram significativamente após a terapêutica com RTX. No entanto, não foi observada qualquer correlação entre a redução da expressão do BAFF-R quer com os números de células B em circulação, quer com os níveis de BAFF no soro. O aumento da frequência das células B de memória post-switch (IgD-CD27+) no sangue periférico observado nos doentes em recidiva, em comparação com os doentes em remissão, parece sugerir que o restabelecimento da actividade da doença possa estar associado ao processo de recombinação de mudança de classe de imunoglobulina. Deste modo, os resultados observados em doentes com AR após terapêutica de depleção de células B sugerem que factores responsáveis pela redução da expressão do BAFF-R possam estar intimamente ligados a mecanismos associados à geração de células B autoreactivas e ao restabelecimento da actividade da AR. Em conclusão, os resultados desta tese suportam a existência de alterações nos mecanismos de fisiopatologia associados às células B desde as primeiras semanas de evolução da AR que poderão contribuir para o desenvolvimento da doença. Além disso, os dados obtidos parecem sugerir que uma introdução precoce de terapêuticas direccionadas às células B, depletoras destas células ou dirigidas aos receptores das mesmas ou aos seus ligandos, poderá ser particularmente eficaz na indução da remissão em doentes com AR desde a fase inicial da doença.
Description: Tese de doutoramento, Ciências Biomédicas (Imunologia), Universidade de Lisboa, Faculdade de Medicina, 2011
URI: http://hdl.handle.net/10451/4632
Appears in Collections:FM - Teses de Doutoramento

Files in This Item:

File Description SizeFormat
ulsd061503_td_resumos.pdfResumo111.2 kBAdobe PDFView/Open
ulsd061503_td_tese.pdfDissertação15.95 MBAdobe PDFView/Open
Statistics
FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpaceOrkut
Formato BibTex mendeley Endnote Logotipo do DeGóis 

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.

 

  © Universidade de Lisboa / SIBUL
Alameda da Universidade | Cidade Universitária | 1649-004 Lisboa | Portugal
Tel. +351 217967624 | Fax +351 217933624 | repositorio@reitoria.ul.pt - Feedback - Statistics
DeGóis
  Estamos no RCAAP Governo Português separator Ministério da Educação e Ciência   Fundação para a Ciência e a Tecnologia

Financiado por:

POS_C UE