Universidade de Lisboa Repositório da Universidade de Lisboa

Repositório da Universidade de Lisboa >
Faculdade de Medicina (FM) >
FM - Dissertações de Mestrado >

Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10451/4698

Título: Avaliação da composição corporal e ingestão nutricional em crianças com perturbações de hiperactividadee déficite de atenção medicadas com metilfenidato
Autor: Roldão, Rita Margarida Ascenso, 1979-
Orientador: Ravasco, Paula, 1975-
Teles, Luísa
Palavras-chave: Composição corporal
Peso corporal
Metilfenidato
Deficiências nutricionais
Antropometria
Teses de mestrado - 2011
Issue Date: 2011
Resumo: Objectivo: Avaliar a composição corporal e ingestão nutricional em crianças com Perturbação de Hiperactividade com Défice de Atenção (PHDA) medicadas com metilfenidato. Metodologia: Estudo descritivo de análise exploratória, com selecção de uma amostra não aleatória, consecutiva. A recolha de dados foi realizada entre Setembro de 2009 e Junho de 2010. Foram incluídas no estudo todas as crianças referenciadas para primeira Consulta de Desenvolvimento do Hospital da Luz, com diagnóstico de PHDA, com indicação de medicação com metilfenidato, com idades compreendidas entre os 6 e os 12 anos de idade. O diagnóstico de PHDA foi definido de acordo com os critérios do DSM-IV. Parâmetros avaliados: peso, comprimento, perímetro do braço, prega cutânea tricipital e subescapular, antes do início da medicação e um mês após o início da toma do metilfenidato. Os pais preencheram um diário alimentar de 3 dias para avaliar a ingestão alimentar das crianças. Foram recolhidas informações junto dos pais sobre o apetite e o peso da criança antes de iniciar o metilfenidato e um mês após o início da toma da medicação. Resultados: Foram avaliadas 15 crianças (6-12 anos). Após o início do metilfenidato, e de acordo as respostas dos pais, o apetite diminuiu. O peso e comprimento era de 135cm e 33kg no início e um mês após o início da toma o comprimento manteve-se e o peso diminuiu para 32,3 kg (p=0,004). Houve diferenças significativas entre o início e um mês após o início da toma de metilfenidato (p<0,05) nas seguintes variáveis antropométricas: perímetro do braço, prega cutânea tricipital, área muscular do braço, prega cutânea subescapular, gordura corporal, IMC, percentil de IMC e massa gorda. A ingestão nutricional ao fim de um mês de toma de medicação era significativamente inferior à recomendação (p<0,05) para: calorias diárias totais, água, hidratos de carbono (valor percentual), fibra, ácidos gordos monoinsaturados, colesterol, potássio, cálcio, folato, vitaminas D e E. A ingestão de proteína, gordura, hidratos de carbono, açúcar, gordura saturada, polinsaturada e ácidos gordos trans, sódio, carotenos, tiamina, riboflavina, niacina, vitamina B6 e B12 foi superior ao recomendado (p<0,05). Conclusões: A diminuição de peso e das variáveis antropométricas foi visível, bem como o desequilíbrio dietético em crianças com PHDA medicadas com metilfenidato. Apesar de serem necessários mais estudos de maior duração e dimensão para perceber se a perda ponderal e desequilíbrios nutricionais se mantêm, este estudo mostrou a necessidade de intervenção a nível nutricional. O tratamento multidisciplinar de crianças com PHDA deve incluir um profissional de nutrição, de forma a preservar a sua saúde e promover o sucesso do seu tratamento. Objective: To evaluate body composition and nutrition in children with ADHD that were administered methylphenidate. Methodology: Descriptive study of an exploratory analysis, with a non-random, consecutive sample. Data collection was conducted between September 2009 and June 2010. The study included all children between the ages of 6 and 12, who underwent child development consult for the first time in Hospital da Luz, that were diagnosed with ADHD and began medication with methylphenidate. The diagnosis of ADHD was defined according to DSM-IV criteria. The examination consisted of measuring weight, height, arm circumference, tricipital and subscapular skinfold before the child began taking the medication and one month after the first administration of methylphenidate. Parents completed a food diary for three days so as to estimate the child’s food intake. Information from parents about the child's appetite and weight before starting methylphenidate and one month after starting the medication was equally collected. Results: 15 children between 6 and 12 years of age were evaluated. According to most of the answers given by parents, loss of appetite occurred after methylphenidate started being administrated. Initially weight and height were 135 cm and 33.3 kg respectively. One month later the height remained unchanged but weight decreased to 32.3 kg (p = 0.004). Significant differences were observed between the start of methylphenidate medication and one month later (p <0.05) in the following anthropometric variables: mid-arm circumference, tricipital skinfold, arm muscle area, subscapular skinfold, body fat, BMI, BMI percentile and fat mass. A month after staring methylphenidate medication the nutritional intake of children with ADHD was significantly lower than recommended for (p<0,05): total energy, water, carbohydrates (percentage), fibres, MUFA, cholesterol, potassium and calcium, folate, vitamin D and vitamin E. On the other hand, significantly higher than recommended for protein (grams and percentage), fat (grams and percentage) of carbohydrate (grams), sugar, SUFA, PUFA and trans fatty acids, sodium, carotene, thiamine, riboflavin, niacin, vitamin B6 and vitamin B12. An abundant intake of fat, especially saturated and trans fat, low fibre intake and high intake of sodium and sugar were observed (p<0,05). Conclusions: There are visible reductions in weight and anthropometric measurements, as well as clear nutritional imbalances in children with ADHD that are medicated with methylphenidate. Although additional long-term research is required to analyse if the trend towards weight loss and nutritional imbalances remains, the present research allows us to conclude that there is need to intervene in this group’s nutrition plan in order to preserve the health of these children and guarantee the success of the treatment. Intervention by a multidisciplinary team should be considered, including the presence, in the child development unit, of a specialist in nutrition that would be responsible for processing and controlling ADHD.
Descrição: Tese de mestrado, Dietética e Nutrição, Faculdade de Medicina, Universidade de Lisboa, 2011
URI: http://hdl.handle.net/10451/4698
Appears in Collections:FM - Dissertações de Mestrado

Files in This Item:

File Description SizeFormat
630692_Tese.pdfDissertação999,56 kBAdobe PDFView/Open
Statistics
FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpaceOrkut
Formato BibTex mendeley Endnote Logotipo do DeGóis 

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.

 

  © Universidade de Lisboa / SIBUL
Alameda da Universidade | Cidade Universitária | 1649-004 Lisboa | Portugal
Tel. +351 217967624 | Fax +351 217933624 | repositorio@reitoria.ul.pt - Feedback - Statistics
DeGóis
  Estamos no RCAAP Governo Português separator Ministério da Educação e Ciência   Fundação para a Ciência e a Tecnologia

Financiado por:

POS_C UE