Universidade de Lisboa Repositório da Universidade de Lisboa

Repositório da Universidade de Lisboa >
Faculdade de Medicina (FM) >
Instituto de Medicina Preventiva (FM-IMP) >
FM-IMP-Artigos em Revistas Nacionais >

Please use this identifier to cite or link to this item: http://hdl.handle.net/10451/4922

Título: Estudo do padrão de consumo de medicamentos pelos estudantes da Universidade de Lisboa
Autor: Cabrita, José
Ferreira, Humberto
Iglésias, Paula
Baptista, Telmo
Rocha, Evangelista
Silva, Adelina Lopes da
Miguel, José Pereira
Palavras-chave: Consumo de Medicamentos
Estudantes Universitários
Universidade de Lisboa
Issue Date: 2001
Editora: Escola Nacional de Saúde Pública
Citação: Revista Portuguesa de Saúde Pública, Vol. 19, No. 2 — Julho/Dezembro 2001
Resumo: A caracterização do padrão de consumo de medicamentos nos estudantes universitários contribui não só para um melhor conhecimento sobre a sua saúde, mas também para a elaboração de programas que visam o uso racional do medicamento na população em geral, pois são potenciais líderes de opinião das comunidades onde se inserem. Assim, foi efectuado um estudo qualitativo do consumo de medicamentos nos estudantes da Universidade de Lisboa (UL) visando: caracterizar o padrão de consumo de medicamentos, o perfil sócio-demográfico, psicológico e de saúde; identificar preditores de consumo; estimar o grau de adequação na sua utilização. Realizou-se um estudo descritivo e transversal numa amostra aleatória, constituída por 1147 alunos, aos quais foi administrado um questionário para obtenção de informação relativa aos medicamentos consumidos na quinzena anterior e para a caracterização dos inquiridos. Cerca de 57% dos estudantes inquiridos consumiram medicamentos na quinzena anterior ao inquérito, tendo o número de medicamentos variado entre 1 e 10 por consumidor. O uso de medicamentos revelou-se associado ao status de saúde, mas foi independente de qualquer das variáveis sóciodemográficas estudadas, exceptuando o sexo, pois foi significativamente maior nas mulheres, mesmo após exclusão de contraceptivos orais. No período estudado foram consumidos 1160 medicamentos, dos quais 78% de prescrição médica obrigatória. Os grupos terapêuticos mais utilizados foram os do sistema nervoso cérebro-espinal (34,4%) e do aparelho músculo-esquelético (16,4%). Cerca de 6% dos consumidores utilizaram antibióticos, 8% psicofármacos, 15% AINES e 22% analgésicos e antipiréticos. O Paracetamol foi o fármaco mais usado. A prevalência de automedicação foi de apenas 19% e a maioria dos inquiridos assumiu ter cumprido a terapêutica instituída. Cerca de 58% dos consumidores consideram-se bem informados quanto aos efeitos adversos e contra-indicações dos medicamentos usados. Conclusões: o consumo de medicamentos pelos alunos da UL foi elevado, mas na maioria dos casos de forma adequada. Segundo a sua utilização, a dor, a infecção e os desequilíbrios psicoemocionais foram os problemas de saúde mais frequentes. O estudo do consumo de medicamentos através da administração de um questionário revelou- se um instrumento muito útil para a caracterização do padrão de utilização e do grau de informação dos consumidores sobre o produto e da adequação com que o utilizam. The characterisation of the drug use pattern in university students and their knowledge and attitudes about the drugs used is very important to obtain an indirect picture of morbidity in this community, to identify drug use predictors and also to develop strategies leading to a more rational use of medicines in the general community. Thus, in order to reach those purposes, a cross-sectional survey was carried out in a probabilistic sample of students of Lisbon University (UL) including 1147 subjects (354 males and 791 females). Information about the use of medicines in the previous fortnight and co-variates was collected by questionnaire which was administered by trained interviewers. About 57% of the students took medicines in the period studied. The number of drugs consumed ranged from 1 to 10 per student, although the majority consumed 1 or 2. Drug use was associated with health status, but it was independent from all the socio-demographic variables under study, except sex. Females consume significantly more drugs, even after the exclusion of oral contraceptives. In the period under study, students consumed 1160 medicines, being 78% of them mandatory — prescription medicines. The therapeutic groups more used were the nervous system (34.4%) and the musculo-skeletal system (16.4%). About 6% of the consumers used antibiotics, 8% used psychodrugs, 15% used NSAIDS and 22% used analgesics and antipiretics. Paracetamol was the most used drug. The self medication prevalence was 19% and the majority of the consumers assumed to have a compliant attitude. About 58% of the consumers consider themselves well informed about the adverse effects and the contraindications of the medicines used. Conclusions: the students of the UL consumed medicines frequently, but, in general, they used them properly. The most frequent health problems were: pain, infection and the psychoemotional disorders. The administration of a questionnaire, to collect information about drug use, demonstrated to be an useful tool in order to characterise the drug use pattern and to find out the consumer’s knowledge about the medicines used.
Arbitragem científica: yes
URI: http://hdl.handle.net/10451/4922
Appears in Collections:FM-IMP-Artigos em Revistas Nacionais

Files in This Item:

File Description SizeFormat
Consumo_medicamentos.pdf77,35 kBAdobe PDFView/Open
Statistics
FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpaceOrkut
Formato BibTex mendeley Endnote Logotipo do DeGóis 

Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.

 

  © Universidade de Lisboa / SIBUL
Alameda da Universidade | Cidade Universitária | 1649-004 Lisboa | Portugal
Tel. +351 217967624 | Fax +351 217933624 | repositorio@reitoria.ul.pt - Feedback - Statistics
DeGóis
  Estamos no RCAAP Governo Português separator Ministério da Educação e Ciência   Fundação para a Ciência e a Tecnologia

Financiado por:

POS_C UE